Ir para o conteúdo.

Início » Banda Larga e Telecomunicações Nacional » Ainda sobre a banda larga impopular

Uau, quantos comentários! Obrigada a todos que colaboraram na discussão! Agora não preciso mais colocar impopular entre aspas, pois essa impopularidade está mais que confirmada. Hehe!

Só gostaria de reforçar algo que vocês talvez não tenham prestado muita atenção:

Os 300 MB não são o ponto-chave do artigo. E sim, o compromisso mensal de R$ 35, inacessível para o público-alvo da proposta, ainda que seja só para espiar seus emails uma vez por semana. As pessoas querem usar e pagar quando PODEM. Por isso a telefonia fixa está morrendo! Ninguém quer se comprometer com uma mensalidade!

Evidentemente, estou considerando que a educação não pode ser negligenciada. Antes disso, internet nas escolas é uma obrigação.

Quanto aos que insistiram que 300 MB não dão nem para usar Orkut e MSN (ou navegar diariamente): bem, o público-alvo do PNBL certamente não é esse. Estamos falando de pessoas que sequer possuem email, que não conseguem nem tirar um documento. Não estamos falando de lazer. E vocês, leitores do Tecnoblog, já possuem algum tipo de acesso, senão nem estariam aqui, óbvio. Se o objetivo fosse uma migração em massa, nossa infra entraria em colapso!

Para nós, privilegiados com internet, mas ainda com serviços ruins, só o incentivo à concorrência salva. Para isso, precisamos de uma agência reguladora que realmente bata na mesa, e não que se alie a grupos econômicos.

300 MB de franquia mensal não são o problema

O PNBL é uma proposta emergencial. Não queremos que milhões de brasileiros fiquem eternamente usando uma internet lenta com cota pequena. Inclusão digital, além de cidadania, agrega novos conhecimentos e habilidades, fazendo com que pessoas sem um mínimo de qualificação passem a ter uma oportunidade de aprender. E o melhor: progredindo, poderão enfim arcar com uma mensalidade em casa, com planos mais robustos.

O mesmo vale para o Bolsa Família. É uma proposta emergencial, e não permanente, para milhões de pessoas sem perspectiva alguma de sobrevivência. Ou pelo menos deveria ser, já que está longe de ser perfeito.

Nós, que temos acesso à boa educação, planos de saúde e conexão rápida em casa, vivemos outra realidade. Entre nossos Googles, YouTubes e Skypes, às vezes não enxergamos isso. Quase não temos contato com os totalmente excluídos.

Insisto: PNBL com compromisso mensal é um erro.

Sobre cartéis de telecoms e interesses escusos por trás da proposta… Aí é assunto para outro post! ;)

101 Comentários (Deixe o seu!)

  • Marcelo
    684c

    O fato é que no mínimo, por pior que foce, alguma conexão grátis deveria existir para atender os mais necessitados e menos afortunados!
    Parabéns pelos artigos!

    • foce? WTF!?

      • “Fosse”. Typos acontecem. :)

        • mrhertz
          1c

          tYpo…? isso foi um assasYnato. tome isso língua portuguesa. POU POU POU

          • Sim: tYpo! E não é um “assassYnato” da língua portuguesa: “Typo” é uma gíria da net (de origem na língua inglesa) usada para designar erro de digitação.

            Já dá pra entender porquê muitos reclamam tanto – mas com os argumentos errados – desse modelo da PNBL.

          • Guilherme7TW
            1c

            Trollagem EPIC FAIL!!!

          • Guilherme7TW
            1c

            Trollagem EPIC FAIL!!!

          • Parabéns amigo mrhertz, voce ignorou completamente o artigo por conta de um erro de português. Certamente você é PhD em Letras.

            Quanto ao PNBL, deixo isso aqui: http://blog.bytequeeugosto.com.br/entenda-o-plano-nacional-da-banda-larga/

            Abs

    • @malloy_
      96c

      Concordo um plano de banda larga grátis por acesso minimo que fosse seria interessante a esse “público alvo”

  • Kadu
    1917c

    Não importa se o público alvo não tem ou não sabe o que é e-mail ou Youtube. A partir do momento em que se conhece a internet, um mundo de opções e serviços de abre (incluindo estes e muitos outros) e é aí que os 300MB se tornam uma piada.

    300MB sempre são o suficiente se você nunca acessou a internet.

    • Guilherme macedo
      876c

      É isso que eu falo sempre…..
      Meu pai não sabia nem ligar o PC….
      Ensinei ele, e um mês depois ele já estava vendo a novela que tinha perdido no youtube…
      Pra quem nunca usou a internet 300MB é bom, mas um mês depois(Ou até menos), já não presta mais…

      Realmente:
      “300MB sempre são o suficiente se você nunca acessou a internet.” Depois não da pra passar a semana.

      • Agnatos
        234c

        Tenho que concordar com o Guilherme e com o Kadu Bia. É evidente que a PNBL é justamente para quem não a tem, mas o foco deles mudará rapidamente.

        E o problema é. Em um mês, uma semana, seja lá quanto tempo for. Se for a curto prazo, aquele indivíduo que ainda (Estamos acreditando que ele melhorará de vida =D) não pode contratar o nosso ótimo (Sarcasmo mesmo XD) serviço de banda larga (De verdade, não 1Mb). E o que ocorrerá? Tudo que o pessoal falou no outro post. O camarada vai passar a queimar a franquia em poucos dias, ou horas.

        Eu também aponto que cobrar mais do que 9,90 (Se não me engano esse é o valor daquela internet [Ruim no meu ponto de vista] da VIVO) e chamá-lo de popular soa como piada. A internet da TIM que pode custar no máximo R$ 15,50 também tem 300MB logo, até que alguém coloque na mesa uma proposta melhor ela é a verdadeira internet popular.

        • @xrenan
          285c

          Muito bem colocado.

      • Victor

        Eu sai de férias, voltei e ficou umas duas semanas sem atualizar o Debian. Só em atualização, já foi 1.2 G, com essa “banda larga”, levaria 4 messes só para fazer uma atualização em um dos sistemas operacionais que uso no meu PC.

    • Também concordo que para aqueles que nunca acessaram a internet, 300mb é mais que o suficiente.
      Quando a pessoa começa a ter contato com o Youtube, Skype, Programas P2P, Jogos de redes sociais como os do Orkut e Facebook, Sites que permitem baixar seriados, Rapishares da vida, daí esses 300 megas não duram nem 2 dias.

  • Olha, 35 reais é o que as pessoas de baixa renda estão pagando em média para usar internet compartilhada com aquele vizinho que tem Velox (usando o exemplo da Bahia).
    Então, não vai ser problema não. Só pagando um valor para as pessoas darem valor.
    Sobre os 300MB. É pouco sim. Por mais ignorante que seja, por mais que não esteja por dentro do mundo online, com uma semana o filho da pessoa vai procurar saber como baixa “aquele filme ou aquele disco” e aí, ja era.

    • Denis
      841c

      Mesmo q a pessoa não baixe nada, eu gasto 100 a 200 MB por dia, em 2 dias eu já ultrapasso o limite, olha q não tenho orkut, não fico vendo vídeos, nem fico vendo fotos. Apenas navego.

      • mrhertz
        1c

        navega por onde? xvideos? sextube?

        se nao for isso, entao podemos inferir que você está o dia inteiro na frente do computador, sem trabalhar ou estudar.

        as pessoas as quais o programa se destina, elas trabalham, portanto não tem o luxo de ter tempo pra ficar o dia inteiro online.

        • Tio Z

          Falou o malandro. Dai a mamãe que viu no jornal aquela receita pede pra entrar no site da Globo, vai quase nada. Veja o video com a receita, opa tambem vai nada de banda.

          Dai vai descobrindo que pode ver aquele episódio da novela que perdeu, tambem nem leva banda.

          Manolo, antes de falar bobagem, a internet mudou MUITO o conteudo desde a epoca que (pelo menos eu) começou. Foi a muito tempo que 300mb sobravam no mês como cota de conteudo.

          Faz o teste ai sabichão. Põe um controlador de tráfego na tua máquina e pede pra ele apitar nos 300mb dai você chora que durou o mês todo.

  • Denis
    841c

    Ótimo artigo, realmente o Brasil está assim porque tudo nessa pais é a base de dinheiro sem pensar no povo, quando uma empresa entra no Brasil ela deve limpar as mãos dos políticos e entrar no pais com pouco ou nenhum investimento.

  • Sr. Sem Papo
    1303c

    Não entendo como o governo aprova uma medida dessa, o Brasil o gigante adormecido, vai continuar assim por muitos anos ainda.

    Uma pena, vi e vejo ainda o Brasil como um pais que tem tudo tudo mesmo, para crescer, mas cade?! Impostos e mais impostos…

    Mas essa “culpa” não é so do governo, mas tambem da população. Temos o governo que merecemos.

    Se mais e pessoas fizessem como a Bia ou ate mesmo como Felipe Neto…bem algo iria mudar…

    Como os caras pintadas podiam voltar…

    • mrhertz
      1c

      se o brasil for um gigante, ele é um MALANDRO GIGANTE… e como todo malandro, pra que se levantar, se pode continuar deitado descansando?

      • Diego Rocha
        133c

        Exatamente Mrhertz.

  • Daniel Olinas

    “…público-alvo do PNBL certamente não é esse. Estamos falando de pessoas que sequer possuem email…”
    Isso tá errado, o publico-alvo, que pagaria por R$35 pelo serviço, é usuario de Orkut, de youtube, mas tinha que ir numa lan-house para acessar.

    • Agnatos
      234c

      Isso também faz sentido Bia. O Daniel também está correto. Se isso por um preço final, sem chance de alcançar a TIM com 15,50 os que só podem pagar 15,50 certamente não poderiam pagar, logo provavelmente o alvo dos 35 reais são justamente os orkuteiros, yutubeiros e afins.

  • Bia,

    O problema não é que 300MB não são o suficiente para diversão, eles não são o bastante para várias coisas: garantia de segurança do computador, garantia de conclusão de atividades que envolvem cidadania, e várias outras.

    Quando se fala em permitir acesso a Internet à população o que se deveria ter em mente é permitir o uso da conexão para as pessoas terem acesso a Informação, comprarem recursos mais acessíveis, se comunicarem com outras pessoas, entre várias outras possibilidades, incluindo a diversão.

    Permitir o acesso a Web para se divertir torna o processo de inclusão digital mais natural, já que a pessoa terá uma motivação a mais para usar o computador, entender como ele funcionar e quebrar a resistência de uso. Só esse aspecto já capacidaria as pessoas para diversos setores.

    Incluir uma barreira de 300MB para uma família que não tem experiência com o uso de computadores e acesso a Internet dará frustração e trabalho. Por causa de atualizações do sistema operacional que irão ocorrer e acabar com a quota de uso, além de tirar boa parte da velocidade de acesso (que já é ridícula), as pessoas vão ter uma péssima impressão do uso dos computadores, aumentar a resistência para seu uso e recorrer às formas tradicionais e lentas de acesso a informação e realização de atividades de cidadania.

    • Olá. Muito boa a sua explicação.
      Não tinha passado pela minha cabeça sobre o lance das atualizações.
      E por isso que mesmo se for para usar o básico na internet, os 300 vão acabar bem menos de 1 mês exatamente por causa das atualizações não só do Windows, como também de programas antivírus para manter o PC seguro e também dos navegadores(Google Chrome e Firefox) e como você falou, a velocidade da conexão cai consideravelmente, enquanto as atualizações sõa baixadas.
      E portanto vai ficar esse estigma de que a internet é um meio ruim de acesso as informações.

    • Tirei o chapéu para o seu comentário. Me convenceu de que os 300MB não insuficientes e que esse programa é um retrocesso (o que nao era muito difícil, mas antes eu só reclamava do preço)

  • Eu acredito que a internet popular nesse caso poderia ser 300MB. Porem gratis. Assim a população teria acesso a informação, o que nos ajudaria a aumentar a economia e pessoas capacitadas no pais.

    Porem pensando por outro lado, existem pessoas tao humildes, que não tem dinheiro nem para um computador.Ou seja, que adianta fornecer um serviço se para o mesmo é necessario um “acesso” a algo mais caro ?

    Acho que estamos em uma epoca em que os governantes no poder nos fornecem ideias,mas não os meios.

    • Li
      47c

      Acredito que tenha tocado num outro ponto bem interessante. Como disponibilizar internet se a pessoa não tem computador ou não tem energia elétrica?
      Quem é o público alvo deste programa, os mesmos que usufruem do Bolsa Família? Se for tem algo errado, pq se o Bolsa Família é para complementar uma renda pouca ou escassa como comprometer mensalmente com internet? Que venhamos, diante de tantas outras necessidades que muitas pessoas passam, é supérfluo.

      • Exato! veja se o bolsa familia é para complementar uma renda que deveria ser utilizada como alimentos e vestimenta, como os mesmos utilizariam para um computador?

        Por isso volto a dizer: sera que a banda larga popular, é a solução realmente para os problemas de acesso a internet e a tecnologia?

      • JOÃO PAULO

        O plano não é pro pessoal do Bolsa Família não. Foi feita uma pesquisa e foi constatado que boa parte da população tem computador (ou quer comprar), mas não pode pagar pela net (lembre-se que o preço em sua região não é igual ao resto do Brasil).

        • o desculpa ae, aproveita e fala pro pessoal do bolsa familia que faz 5 filhos para obter renda ai na sua regiao, que pague a internet entao.

          como falei a questao n é a internet gratis é o governo colocando isso para despistar outras coisas… te do leite pro seu filho, mas n te do casa para morar…

  • muito importante este comentário, hoje a telefonia só cresce devido ao pré-pago, caso contrário estaria minguando…

    • concordo com a Bia e o Fabrício num ponto
      1 – pra um plano de banda larga popular, impor um valor fixo mensal seria inviável para o público am qual se destina – em torno de 6% do salário mínimo
      2- a telefonia só se popularizou mesmo após os celulares pré-pagos… tanto assim que enquanto o número de celulares aumenta, os fixos tendem a estabilizar
      3- embora minhas críticas a TIM, o serviço de internet móvel tarifado por dia foi uma inovação, só falta permitir o acesso aos PCs no contrato de adesão, e criar meios de todas as operadoras implantarem planos semelhantes
      4- buscar a opinião dar pessoas que tão efetivamente usar o serviço. E daí nada adiantam usuário experiente, terá que ser o pessoal que vai pro primeiro contato
      sem isso o PNBL não atingirá a universalização da internet pior da banda larga

  • Sr. Sem Papo
    1303c

    havinal de contas qual o publico dessa PNBL?

    Toda pessoa com mais de um mes de net quer se divertir..

  • rafaelverolla
    106c

    Medidazinha populista como o bolsa familia. Deviam era baixar os impostos. Ai vai sobrar dinheiro pra todo mundo ter uma boa internet. Vivo dizendo, paisinho de merda. Boboiada brasileira ainda cai no populismo.
    Populismo é assim: quebram as nossas pernas(com impostos) e depois nos dão muletas como essa…

    • Agnatos
      234c

      O Brasil tem muito menos impostos do que países desenvolvidos, como Suécia, caso não saiba.

      O problema dos impostos é como eles são cobrados e distribuídos.

      Mas é uma medida populista mesmo. Só para dizerem que fizeram o que prometeram, mas ela NUNCA funcionará do jeito que estão propondo.

    • pzpretto

      O problema brasileiro passa muito longe do tamanho da carga tributária, que não fica muito longe da americana. Se houvesse boa vontade na classe política, deveria ser feita uma profunda reforma no sistema, invertendo a base tributária.

      As grandes diferenças entre o Brasil e os EUA neste aspecto são basicamente duas: a) lá os impostos incidem majoritariamente sobre renda e propriedades, enquanto que aqui, isso praticamente não existe e os tributos recaem basicamente sobre consumo e serviços. É esse ponto que a reforma tributária deveria atacar, passando a cobrar impostos de forma progressiva, ou seja, cobrar mais de quem pode pagar mais. É exatamente o contrário do que acontece hoje aqui; b) o PIB americano beira os 15TRI de dólares, para uma população de cerca de 300MI de pessoas, enquanto que aqui o PIB gira em torno de 3,6TRI, para uma população de 200MI de pessoas. Fazendo uma conta rápida e estimando uma carga tributária igual para ambos, 35%, teríamos que o governo americano arrecada 5.25TRI, o que dá 17.500 dólares para cada habitante por ano. Na mesma conta, o governo brasileiro arrecada 1.26TRI, ou seja, 6.300 dólares para cada habitante por ano. Somado à isso o fato de o Estado brasileiro ser muito mais presente na economia que o americano. Por exemplo, aqui temos o SUS, que apesar de todos os seus defeitos, é um dos melhores sistemas públicos de saúde do mundo. Nos EUA, quem não tem plano de saúde, está “morto”.

      As soluções passam por uma ampla e profunda reforma no sistema tributário, já idealizada tanto pelo FHC quanto pelo Lula, mas barrada por estúpidas picuínhas políticas, e pelo crescimento da economia brasileira. Sem isto, não adianta ficar reclamando aos sete ventos que a carga tributária no Brasil é um absurdo, é isso, é aquilo. Estamos muito viciados pelo que vemos na mídia, que tanto bate nessa tecla. Se todos buscassem se informar um pouquinho mais, talvez tivessemos força para iniciar uma reforma, que seria o primeiro passo para a mudança.

  • Não que eu tenha algo contra a Bia, mas geralmente não gosto tanto dos artigos dela por acharem eles, na maioria das vezes, fora da realidade.

    Nesse, novamente, não foi diferente… pois a única coisa em que eu concordo é sobre o compromisso mensal de 35 reais ser algo ruim, já que representa um belo percentual do salário mínimo e que eu sinceramente não sei como uma pessoa vive com ele.

    Sobre o consumo mensal: Sim, é absurdamente RIDÍCULO esse limite. Eu, com modem, consumo mais que isso mensalmente facilmente. Digo isso pois eu consumia mais que isso quando eu usava modem (e isso tem uns 10 anos pelo menos). Se levar em consideração a realidade da época em que os sites eram totalmente otimizados para ‘modem users’ e colocar isso na realidade atual, fica fácil verificar que o limite é ridículo. Posso ir até um pouco além e dizer que não existe nenhum argumento que possa ser dado e que me convença que 300Mb é aceitável.

    Sobre a educação influenciar o nível de acesso: Novamente, não concordo. Minha mãe tem medo de computador e mora com uma pessoa que não sabe praticamente nada de informática. Ambos num speedy de 1MB consomem MUITO mais que isso mensalmente. Moram apenas os 2. Num fim de semana eu consigo ir lá e gastar mais do que eles costumam gastar o mês inteiro juntos. O cara não tem email, não tem orkut, não tem facebook, etc. Minha mãe usa o email de vez em nunca para me mandar algo ou conversar com alguém da família (coisa rara). Ambos não tem tempo de ficar no PC… se gastam juntos 2/3 horas diárias na internet acho que é demais.

    Agora imaginem famílias onde a molecada está mais acostumada a usar um computador…. novamente não fica difícil de ver o problema.

    Vamos deixar de hipocrisia e pensar que as pessoas que tem um Pentium 100 que seja em casa não vão utilizar a internet pq simplesmente ‘são excluídos digitalmente’. Vamos parar com a idéia de que os ‘excluídos’ são idiotas/ignorantes e vamos começar a pensar como gente grande e ver que essa merda de PNBL só serve mesmo para dizer estatisticamente que os brasileiros possuem banda larga em casa e que somos um país desenvolvido, assim como destruíram a educação do nosso país com aquela desgraça de progressão na escola para dizer que nossas crianças não são reprovadas nas escolas e que estamos caminhando para o desenvolvimento e ser um país de primeiro mundo.

    • rafaelverolla
      106c

      Tiago, concordo totalmente contigo. Muito fora da realidade. 53% da população é classe C. E eles conhecem orkut, facebook, UOL, etc. Digo mais. Quantos da classe C não são programadores com curso técnico?
      Foi-se o tempo que só rico no Brasil tinha conhecimento, e melhor ainda, foi-se o tempo em que a maioria da população brasileira é miserável.

  • Tudo bem, $35,00 por uma “banda quase larga”, com limite de download.
    Ou…
    R$39,90 pela mesma velocidade, só que ilimitado… Legal né?

    Pra mim, o que seria mais interessante seria a remoção da obrigatoriedade de se ter uma linha telefônica. Sem a linha, só com a internet, já resolve muito o problema de muitos..

    • Italo

      Acho que o medo aí seria o fato de que, com internet (de 1MB, que seja) ilimitada, já dá pra usar VoIP com tranquilidade, o que canibaliza os próprios planos das operadoras. Banda larga ilimitada barata só vai diminuir ainda mais o número de linhas telefônicas fixas, já em perigo por causa dos pré-pagos.

  • Eu fiquei imaginando, eu que tenho uma boa conexão as vezes sofro com a instabilidade da operadora, imagine o pessoal do PNBL, é capaz das operadoras fazerem rodízios “Hoje vamos avacalhar com a conexão do PNBL, amanhã é dia do clientes que pagam mais”

    A verdade é que o governo está querendo fazer a caixinha de natal com esse projeto, pq não implantam redes sem fios (DE QUALIDADE) em parques e lugares públicos sem ter que tomar dinheiro do povo, ou será que essas taxas minimas de desemprego estão fazendo o Governo crer que TODO mundo tem condição de aderir a esse plano ?!?

    Enfim, é muito barulho para pouco som.

  • Possíveis comentários:

    - A rede de Seráfia do Centro Norte Ocidental da Europa já oferece 4G pela metade desse preço, sem limites. No Japão (sempre lá), mesmo com tsunamis, acidente nuclear e Godzilla, os usuários de um cybercafé podem baixar o Mac OS X Lion (mais de 3 giga) em um minuto, enquanto assistem à programação de IPTV e navegam normalmente pela internet. Só no Brasil o acesso à internet é sinônimo de DRAMA.

    - Os idealizadores da banda larga (im)popular talvez nem conheçam esse DRAMA da internet no Brasil; possivelmente estão navegando em seus smartphones e tablets, cujos planos de banda larga são pagos com dinheiro público. Sem blablablás partidários, cada país merece os políticos que tem.

    - A internet só é o que é porque deixou de ser uma rede de computadores e se tornou uma rede de pessoas, conforme concluiu David Siegel. O YouTube e as redes sociais que são o que há de mais popular vão ficar de fora da banda larga popular?

    Francamente. É muita Cláudia para pouca cadeira.

    • Agnatos
      234c

      Só para ilustrar seu comentário Lobo. Em uma matéria do G1 de 2006 http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,AA1348864-5601,00.html

      Revela que um senador da república, aqui no Brasil não tem limites para a conta de telefone e do celular particular. Há (havia) apenas limite de R$500,00 para o telefone residencial. =D

      Isso em 2006 é claro, como essa profissão ficou mais rendosa de lá para cá, de certo que seu apontamento de que os idealizadores (mesmo não sendo os senadores) de certo que nunca usufruirão do PNBL, MAS isso é algo inerente a todo grande empreendimento social.

      Pense comigo. Exatamente por isso que ser um legislador ou executivo da lei é um cargo MUITO difícil (Sem sarcasmo desta vez) Pois eles têm que pensar em tudo sem provavelmente nunca ter passado pelos problemas que querem resolver.

      Por um acaso, alguém sabe o nome do filho de qualquer político nosso que estuda ou estudou a vida toda no ensino público? Ou que precisou usar SUS? Eu não me recordo de político algum, e coincidentemente educação, segurança, saúde, etc são desde sempre motivos de conversa. Bem… Desculpem pelo papo político, mas eu precisava falar =D PAZ para vocês.

  • @atpires
    14c

    Insisto em dizer, internet é supérfluo, tem gente que não tem esgoto e água tratada.

    Fica óbvio que o que o governo quer, mais uma vez, é desviar verba e colocar a cenoura na frente do burro pra ele votar denovo no partido que rouba, mas dá presentinho.

    • Denis
      841c

      Também acho, acho q eles deveriam deixar o Brasil com 100% de água e esgoto tratado ai pensar em Internet. Fora que as operadoras não fazem nenhum investimento, tanto é q elas n conseguem nem fornecer o sinal de qualidade pra quem paga caro, agora vai juntar mais um monte de pessoas e o Sinal vai ficar mais porcaria ainda. Vai ser um internet Discada popular. Vão investir em infraestrutura depois seis pensam em arrumar clientes.

    • Agnatos
      234c

      Essa é a bandeira que estou levantando desde o primeiro post sobre o assunto aqui.

      O PNBL é apenas para dizer que fizeram o que prometeram, embora que na verdade sequer funcionar irá.

      Esse papo de supérfluo é difícil de colocar na mente das pessoas, mas a gente tenta atpires.

      É por isso que eu fiquei triste por conta de todo barulho que a marcha da maconha fez, chegando até movimentando o judiciário (¬¬).
      Eu simplesmente não me importo que o usuário de maconha queira fumar, só que eu acho que protestar para que o governo dê um jeito na educação, sus, saneamento básico, etc, etc… seria de muito mais valor para si mesmo. Mas vamos fazer oque né? Cada um protesta do que quiser.

    • Guilherme macedo
      876c

      Esse plano é o plano: Eu finjo que dou internet e você finje que acredita pra votar em mim.
      E é assim que nos temos uma presidenta que nunca nem foi prefeita.
      E assim segue o Brasil, com impostos lá na Estação Espacial, e o povo com Internet Banda estreita…

    • Não acho que seja supérfluo. Internet = (informação, capacitação, possibilidade de melhoria de vida, aumento de poder de comunicação, …). Pode até ser que o lugar não tenha esgoto, mas se a pessoa souber como tratar água e alimentos antes de comer, os problemas da falta de saneamento serão reduzidos.

      É só ver o exemplo do http://twitter.com/#!/vozdacomunidade, que, como o nome diz, dá voz a pessoas que podem expor problemas de uma região.

      É claro que é preciso fornecer saneamento básico, educação, saúde, etc. Mas não dá para parar tudo, resolver um problema primeiro e ir para o outro.

      Indo contra o “Internet é para coisas úteis, não para diversão” é só pensar no Orkut. As pessoas podem ir para lá por lazer, mas podem acabar entrando em uma comunidade e encontrar pessoas da mesma região que tenham um mesmo problema. Com isso, essas pessoas podem se unir, tentarem fazer uma reclamação aos responsáveis do local ou criarem, eles mesmos, uma solução.

      • @Vegetando:
        O Orkut mesmo é um ótimo exemplo, por mais discriminado que ele seja ou por mais recreativo que seja o foco dele.

        O site pode ter virado um verdadeiro “esgoto digital” nos dias de hoje, mas ainda há muito conteúdo relevante por lá; talvez até mesmo POR CAUSA dessa característica de “esgoto”. Já cheguei até mesmo a encontrar material de estudo no site…
        O que causa surpresa à esmagadora maioria, que se esquece que é mais um serviço da Google (a gigante das pesquisas)!

        Se alguém duvida, faça o teste: digite na busca do Orkut por algum assunto acadêmico, o qual jamais esperaria encontrar no site, e dê uma garimpada nos resultados. Não será de imediato, mas vocês vão se surpreender!

  • Não me lembro da última vez que medidas emergenciais não viraram padrão no Brasil.

    No mais, imagino o sujeito “Opa, agora tenho internet em casa, vou poder atualizar o Windows e… oh, dammm”

    • Agnatos
      234c

      Eu me lembro de uma Paulo. Eu sou Técnico em Segurança do Trabalho e em 1978 quando a profissão foi registrada e as normas regulamentadoras foram organizados estipulou-se que a “carteira” do técnico seria provisório e que em 2 anos seria trocado por algo definitivo.

      Essa medida emergencial foi cancelada em 2008 (^_^) E OBS.: Ficou nada no lugar. Agora temos apenas uma comprovação na carteira profissional. Se quiser provar para alguém, terá que andar com a carteira profissional a tira colo. XD

  • Marcoscs
    929c

    “Os 300 MB não são o ponto-chave do artigo. E sim, o compromisso mensal de R$ 35, inacessível para o público-alvo da proposta, ainda que seja só para espiar seus emails uma vez por semana. As pessoas querem usar e pagar quando PODEM”

    Bia, desculpe mas o que você escreveu não faz o menor sentido. Pagamento em prestações iguais e consecutivas é um hábito do brasileiro, mesmo os mais pobres, aliás esse hábito de pagar mensalmente pequenas parcelas que fez o aumento do consumo ter sido tão expressivo nos últimos anos. E considerando o valor atual de salário mínimo a mensalidade do PNBL representa menos de 7% do SM, um valor bem razoável e acessível a essa nova classe média que tem condição de pagar uma prestação (olha só, valores iguais e consecutivos) por um PC das Casas Bahia.

    “Quanto aos que insistiram que 300 MB não dão nem para usar Orkut e MSN (ou navegar diariamente): bem, o público-alvo do PNBL certamente não é esse. Estamos falando de pessoas que sequer possuem email, que não conseguem nem tirar um documento. Não estamos falando de lazer. ”

    E você insiste na mesma tecla. Está mais do que óbvio que não dá pra dissociar uma “navegação cidadã” (usando um termo seu por mais que eu discorde dele) de uma navegação, digamos, mais casual. Navegação é navegação, não dá pra compartimentalizar e achar que esse plano é para o usuário tirar um documento mas não é para ele acessar pornografia no Redtube. Se o plano é para navegar, NÃO INTERESSA O QUE O USUÁRIO VAI FAZER COM A SUA NAVEGAÇÃO, e achar que por ser de inclusão o acesso não deveria considerar um uso normal, seja para o que for, só porque é para pobre, isso é preconceito de classe social, pura e simples. E 300Mb hoje não dá pra navegar normalmente por um mês.

    “O PNBL é uma proposta emergencial. O mesmo vale para o Bolsa Família. ”

    Bia, desculpa mas esses seus posts estão servindo mais para desinformar do que para informar.
    Você está confundindo alhos com bugalhos, não dá para fazer paralelo entre uma coisa e outra porque o Bolsa Família é uma ação de governo com recursos do Tesouro para socorrer e dar condições dignas de sobrevivência a quem está abaixo da linha da pobreza, não tem NADA a ver com um programa de incentivos TOCADO POR EMPRESAS PARTICULARES que de estão visando o lucro e a limitação do tráfego de dados é uma forma deles resguardarem esse lucro minimizando os investimentos necessários. Essa é a questão, as empresas podem e devem fazer mais, o que foi acordado não atende o cidadão, impacta minimamente os custos dessas empresas e serve apenas para o governo fazer propaganda como grande benfeitor.
    Tudo errado.

    • Vinicius

      Concordo com você Marcocs, a Bia misturou alhos com bugalhos.
      Nada a ver comparar esse plano absurdo com o Bolsa Família, que é outro plano que apenas serve para arrebanhar as pessoas.

      O PNBL primeiramente defende o lucro das empresas, depois pensa no cidadão.

  • gokernel
    372c

    Esse assunto dinovo ?

    Esse comportamento é típico de alguém que é remunerado pela quantidade de comentários… pronto falei. ;)

    AFF AFF AFF.

  • Mário Araujo
    19c

    Mais uma vez: o serviço NÃO CUSTA 35 e sim 65 reais. Se você não assinar a telefonia junto o valor cai pra 29,90 e o limite é de 150mb! E você só cita email. Que qualquer outro serviço a pessoa vai usar? Ou ela vai pagar mensalidade pra olhar email???

    • sidney

      Esse é o ponto chave mesmo. O que me faz achar que o PNBL não vai dar certo é porque mesmo sendo 35 reais eu duvido que eles vão instalar uma rede de banda larga sem linha. Até agora não vi esse tipo de promessa. Uma pessoa de baixa renda não vai tirar o dinheiro do pão pra pagar internet e muito menos internet com telefone. A Bia mesmo já disse que a telefonia fixa está morrendo por que ninguém quer compromisso mensal. Eu concordo com o tiagogalvão. Gosto dos posts da Bia, mas ela vê um mundo mais colorido que o real.

    • Agnatos
      234c

      Não esqueça que não será 1Mb, por que a telefônica não disponibilizará nem por 1 hora por dia a velocidade nominal. Isso sem falar de quando o limite for atingido.

  • 300 MB de franquia mensal são o problema SIM. Pode baratear o quanto for, mas se não tiver velocidade decente, não vai servir de nada essa internet, por menos que você precise/use.

  • Eu acho que o ponto não é o valor não, muitas pessoas gastam R$ 35,00 mensalmente com coisas fúteis, então não vejo o valor mensal como empecílio, já 300Mb de limite sim, meus pais no começo quase não usavam, 3 meses depois 1Mb era pouco, hoje pagando a mesma coisa usam 5Mb, usam comunidades no Orkut, assistem vários vídeos no YouTube, baixam imagens entre outras coisas.
    Eu ach que no começo todo mudo vai se contentar com isso, mas em três meses todo mundo vai achar ruim, imagina aquelas crianças que veem vários jogos online e querem jogar, alguém conhece algum menor que 700Mb?
    Eu acho que o valor está legal, a velocidade é baixa e o limite inviável, pelo menos em 3 meses de uso, então minha resposta final seria: Se for pra fazer, faça certo, as pessoas querem um serviço descente, as pessoas precisam de um serviço de qualidade, senão não adianta.

  • Vanderlei

    Bia seus artigos são bons mas nesse você está viajando e muito e seus argumentos são bonitos na teoria mas não são a realidade.

  • Bom, tenho que discordar. Os R$35 são TAMBÉM o problema. Concordo que é um peso no bolso de pessoas mais carentes tendo como referência o valor patético do salário mínimo.
    Porém, colocar 300mb de cota de tráfego é irreal, é basicamente podar o que as pessoas que terão acesso a esse serviço irão fazer. Sei que elas não possuem Facebook e não tem o costume de assitir vídeos no Youtube, mas devem ter o direito de fazer o que quiserem na internet sem se preocupar com o tráfego.
    Como tudo no Brasil, farão do pior jeito possível com o preço mais caro quanto impossível e, como o Bolsa Família, vai virar permanente e não temporário, e essas pessoas vão ficar condenadas o resto da vida a mandar e-mails (sem anexos muito pesados, claro).
    Como o Mário Araújo disse aqui também, o plano custa R$65. O Governo quer lucrar em cima disso, isso sim, e oferecer um plano completamente absurdo que, para mim, é muito pior que conexão discada.
    Internet popular é 1mb por R$15 e sem limite de tráfego. Essas pessoas merecem educação digital e merecem fazer o que bem entender com a conexão delas. Se não for para fazer direito, é melhor não fazer nada do que propagandear nos jornais e revistas sobre “Banda Larga Popular” e ganhar votos. As regiões mais carentes estão assim por causa da péssima administração do Governo e agora eles querem cobrar caro por um serviço que não presta e dizer que estão remediando isso?

    • Agnatos
      234c

      … Cobrar caro, por um serviço que não funcionará e para pessoas que não precisam, ou pelo menos precisam de muitas outras coisas antes de precisar acessar a internet.

  • Mozart
    211c

    ” bem, o público-alvo do PNBL certamente não é esse. Estamos falando de pessoas que sequer possuem email, que não conseguem nem tirar um documento.”
    discordo totalmente desse argumento… é como falaram ai, um pouco mais acima, a internet abre novos leques novas possibilidades. Portanto acho q esse 300MB de franquia é uma piada, mais ainda o valor,R$35, está longe da realidade de muitos brasileiros.

  • @QG10g
    112c

    Algo que eu me lembrei agora: 300MB é o que eu gasto de servidor, se o site for simples, geralmente passa isso [ por exemplo: qg10gg.xpg.com.br ( servidor com espaço ilimitado ) estava com mais de 3.5GB de arquivos nele ].
    300MB não dá pra mim, mas posso admitir algo: minha irmã e meu pai [ separados ] conseguem usar esse internet normalmente, e-mail e orkut de vez em quando e olha lá.

  • Gaba
    1912c

    Concordo totalmente com o @tiagogalvao, Marcoscs e o Mario Araújo…

    Essa PNBL ta mais pra “Plano nacional de BUnda Larga”

  • Alexandre
    3968c

    Acho que a confusao toda está no governo. 300 mb de consumo num celular é mais do que bom. Mas num desktop nao!

    É certo que os legisladores, em sua maioria, nao compreendem tanto dessas coisas, afinal, nem do tabalho deles eles entendem, senao fariam o bem para a sociedade.

    O que nao entendem é que ao abrir uma pagina de um portal por exemplo, esquecem que tem trocentos mil anuncios, flash pra todo o lado e o que menos gasta, o conteudo. Aí o cidadao vai querer o video engracado ou de acidente, as fotos da artista da novela etc e tal, pronto, 300 mb foi pro espaço em 1 semana.

    Ainda, as familias consomem como um todo e nao individualmente. Assim, os pais usam enquanto estao em casa pois passaram o dia fora, e os filhos, o dia TODO! É novidade, os mais jovens que tem mais “noçao” vao consumir isso num piscar de olhos, ou esquecem que vivemos numa republica democratica EXTREMAMENTE capitalista e voraz!

  • JOÃO PAULO

    Olá! Aqui onde moro (SERGIPE), não faz muita diferença em relação ao preço, pois o preço não vai mudar mesmo (eu acredito que não por causa disso. Pode até mudar, pois o preço de tecnologia sempre baixa), mas para pessoas que moram por exemplo no Amapá, que tem a net mais lenta e cara do brasil é ótimo, pois lá só tem a OI (como concessionária) e cobra R$ 219,90 por 300 kbps (se quiser pode conferir no site).

    Mas concordo que o plano poderia ser melhor, 300 MB é uma piada.

    Li alguns comentários sobre ser para o pessoal do Bolsa Família, mas não é (ainda não foi decidido, mas o pessoal do bolsa família pode “receber” subsídio do governo).

    (repetindo o que já postei) Foi feita uma pesquisa e boa parte da população tem computador (ou quer comprar) sem acesso a internet, mas não pode pagar. Alguém pode dizer (já disse) “mas 1 mbps só custa R$ 39,90 sem limite, enquanto o do governo custa R$ 35,00 com limite”, mas lembre que não é todo lugar (citei o exemplo do Amapá 300 Kbps a R$ 219,90), no seu estado o preço na capital com certeza não é igual ao preço no interior. No interior provavelmente não tem grandes concessionárias então não é esse preço, por isso que (segundo uma pesquisa) 1 mbps atualmente (em Março) é R$ 70,00.

  • @xrenan
    285c

    Bia, desculpe a franqueza, diferente do outro texto, este está com uma cara de “justificativa de argumentos falhos”…

    Sobre sua afirmação a respeito da educação, discordo. Internet nas escolas não é uma obrigação, nem prioridade. Obrigação é ter onde sentar-se, ter um professor disposto a instruir, um ambiente agradável, alimento durante o intervalo…
    Para mim, hoje a Internet acaba recebendo a incumbência de educar! Há uma grande diferença entre informação e conhecimento. Nem me acho no direito de tentar explicar, mas a Internet é uma fonte de informação. Afirmar que a inclusão digital resolve o problema [social] é um erro grotesco.

    Cá para nós, nada mais permanente do que algo provisório, né?! Ou alguém aqui acredita que o Bolsa-Família será algum dia extinto? rsrs

    E por favor né, se o “…o público-alvo do PNBL certamente não é esse…” qual a importância da Internet na inclusão digital, já que descartou o uso das mídias sociais?

    Eu nem precisei falar da cota ou do valor neste comentário…

    • Acredito que a Bia tenha dito que “internet nas escolas é uma obrigação” no sentido de que, atualmente, não dá mais para ter acesso ao conhecimento e estudos sem a presença da internet; não no sentido de que ‘deveria-se passar por cima de outras prioridades para fornecer internet às escolas’.

      E, por mais que se diga que antigamente se estudava sem internet, convenhamos: HOJE, muitas vezes, o ÚNICO recurso disponível É a internet! Com os planos de erradicação do analfabetismo, o que mais existe são escolas com bibliotecas totalmente vazias de material diferente das “cartilhas” de anos anteriores (quando muito). Além disso, é muito mais barato – e VIÁVEL – colocar duas dúzias de computadores conectados onde os alunos terão acesso gratuito a virtualmente qualquer conhecimento que a escola exija para formação dos mesmos.

  • O absurdo vai desde o limite de 300 mb, até o valor cobrado pra isso, se o público alvo são aqueles que ganham um salário minimo por mês, que mal da pra fazer as compras de alimentos e remédios, a população vai destinar quase 7% do valor que ele ganha pra usar internet? Isso é um incentivo mesmo pra inclusão digital?

  • Dekamaster
    163c

    A página inicial do tecnoblog pesa 803KB uma pagina random do mesmo blog pesou 582KB, o plano é de 300MB, arredondando 300.000KB
    A pessoa precisa acessar a página inicial todo dia, para começar a ler alguma notícia, já que ela não conhece de ante-mão as notícias do dia e onde elas estão, portanto: 803KB * 30 dias = 24029KB reduzidos de sua banda de 300.000KB sobram 275.971KB para se usar lendo páginas no blog
    Se pegarmos esse valor restante e dividirmos pelo tamanho de uma das paginas, teremos 275971KB / 582KB = 474 páginas no mês, ou 15 páginas diárias.
    Cronometrei o tempo que eu demorei lendo a referida página, e obtive 52 segundos, então 52 segundos multiplicados por 15 páginas, a pessoa terá 13 minutos de diversão diária com sua internet no tecnoblog.
    Nisso não podemos esquecer que a pessoa vai ter que ser muito inteligente, pois ela vai precisar bloquear os updates automáticos do windows, os updates automáticos do antivírus e se ela usa chrome ou firefox, ela também vai ter que impedi-los de se atualizarem sozinhos, mas isso não é realmente um problema já que essa pessoa com certeza estará usando o internet explorer, pois ela não pode dispor de 20MB de sua cota mensal para baixar um novo browser.

  • Tio Z

    E novamente a Bia perde o ponto. Você fala e fala do preço e diz que o resto da pra se virar…mas esqueceu o que PNBL significa.

    Plano
    Nacional de
    BANDA
    LARGA

    Manja, não estamos falando de Plano Nacional de Acesso a Internet. Banda Larga é internet de alta velocidade para acesso a internet de forma que você consiga absorver o conteúdo cada vez mais complexo da mesma.

    Agora me fala, 1mbps (125Kbps) com 300mb de cota de tráfego a R$35,00 não é Banda Larga nem aqui nem na China. Mas já que você INSISTE que isso é D-I-V-I-N-O prus pobrinhu, tenha um bom dia e espero que o Tecnoblog te ponha uns 3 meses usando PNBL pra você fazer uma resenha super legauz e dizer como foi maravilhoso usar esta merda que foi feita para as telecoms ganharem dinheiro.

    Beijão viu, vai testar lá. Aproveita e pensa mais um pouco antes de continuar escrevendo artigos toscos sobre o assunto que acho que não caiu a ficha ainda.

  • Kowalski
    197c

    Amigos,

    É importante comentar em sites e fóruns. Porém, podemos fazer mais para forçar uma mudança nessa situação vergonhosa da banda larga no país.

    Há um site que está propondo essa briga, que usa o lema “Banda Larga é um Direito Seu”: http://www.campanhabandalarga.org.br. Além do site próprio, há perfis do movimento no Facebook e Twitter.

    Além disso, podemos fazer pressão diretamente junto aos nossos “maravilhosos” políticos. Basta acessarem os sites do Senado e da Câmara dos Deputados para falar diretamente com eles: http://www.senado.gov.br e http://www.camara.gov.br.

    Vamos participar, cobrando nossos direitos de cidadãos, a fim de melhorar o acesso à Internet no Brasil.

  • Rodrigo

    300mb é uma piada! Mais uma vez o governo se curva perante os interesses das teles. O que adianta dar uma velocidade de 1mb com esse limite de tráfego? Depois de consumidos, a velocidade vai cair para 128kbps, o que passa longe de ser uma banda larga. Lembrando que nos EUA só é considerado banda larga conexões acima de 2MB!

  • Só hoje eu consumi cerca de 380 MB. Eu só naveguei normalmente, não fiz nenhum download.

    300 MB por mês é foda, namoral, isso é palhaçada. Uma vergonha. QUE LIXO!
    Não sei aonde você vê esse progresso. Parecendo discurso PTista.

  • Dsicordo de alguns pontos.

    Não e´correto dizer que quem entrará no PNBL não tme interesse em lazer. Porque não? Talvez num primeiro momento, sim, serão usuários sem qualquer conhecimento, mas se a idéia é levar internet às escolas e garantir inclusão digital, vamos esperar que todos permanecvem ignorantes digitais eternament ou que aprendam? E quando aprenderem, serão podados?

    Mesmo uma atualização do Windows, que é algo que o caboclo vai achar que deve fazer porque o sistema está avisando será impossível. Eleainda será tapeado porque não entenderá porque a conexão está lenta quase morrendo ou porque – caso alguma tele resolva fazer assim – está pagando caríssimo por um excesso. Ou alguém costuma ler todo o contrato antes de assinar, especialmente os mais vulneráveis – o alvo do PNBL?

    Achar que o programa está bom sem contemplar o laze não faz sentido. Fora que, convenhamos, Orkut é foco das classes mais baixas e nem isso poderão acessar direito. E não importa se o pai e a mãe irão usar 1 vez por semana, e se forem 5 filhos? 10 filhos como existe por aí? Conexão não dura uma semana ou duas assim.

    E duvidas que muita gente que tenha planos caros de 1MB irão migrar pro PNBL e se darão mal? Ou muito lugar em que conexão de 512 é caríssima e verão a oportunidade do enganador upgrade?

    Outro ponto que discordo é na idéia de concorrência. Desculpe, mas concorrência é ilusão, isso não existe. quantas montadoras de carro temos? E o resultado? Os preços mais caros do mundo e diretor de montadora dizendo que não baixam porque todos compram mesmo caro!?

    O que precisamos é de internet em regime público, internet básica, garantida pelo Estado sem custos, de 1MB (que forcem as empresas a prover) e serviço com regras claras e limite de preços praticados disponibilizado pelas teles paraquem quiser algo além desse 1MB. MAs, repito, com regras e limites, concorrência dentro de uma margem decente. E com o governo forçando concorrência real e não pagando pra ver como hoje.

    MAs em um ponto há convergência, o público alvo é exatamente uma parcela imensa que usa celular pré-pago, que não tem condições de comprometer o salário com mensalidade, que tem horror a este tipo de obrigação mensal. Aí temos um problema enorme.

    Outro problema é achar que o PNBL é apenas emergencial. Basta ver outros programas, como oe ProUni, em que nada foi feito para que as pessoas superem a necessidade dele. Não há nenhum investimento em educação básica e sim uma entrega de muita gente despreparada (sei de casos de analfabetos funcionais entrando em UniEsquinas) que entra em universidades medíocres e, no fim, conseguirá o que? Não há preocupação em formar e sim em despejar um bom negócio nas universidades vagabundas.

    ProUni deveria privilegiar universidades de qualidade e FORÇAR qualidade nas demais e aí sim preparar o aluno pra vida – e não só pro mercado. E, claro, com educação de qualidade desde a infância.

    O PNBL é o mesmo modelo. Sem qualidade, tem preocupação apenas em garantir lucro aos empresários, mas não das universidades, das teles.

    Não exige nada em troca, apenas que recebam incentivos e dêem qualquer coisa.

    Não temos de esperar que as pessoas melhorem de vida e não precisem mais do PNBL, precisamos – também – exigir que o governo arque com sua responsabilidade e GARANTa internet à quem precisa, um direito básico hoje em dia – e que cumpra com seu dever de ao menos fiscalizar estas empresas.

    O PNBL é um erro em todos os aspectos. Mal formulado, feito nas coxas, sem comprometimento e tira o c* do governo da reta.

  • Bom Que Seja Feito uma internet, a Cartão Digamos assim, que as pessoas vao numa loterica e deem o numero da linha e pague sei lá R$10, para utilizar 1/3 do plano… supondo assim…
    PS: Bom, eu realmente fui um dos que me apeguei aos 300MB.

  • Leandro

    “Estamos falando de pessoas que sequer possuem email, que não conseguem nem tirar um documento. Não estamos falando de lazer.”

    Mas porque não falar de lazer? Restringir isso não seria continuar segregando uma parcela da sociedade? Creio que a PNBL deveria favorecer a cidadania, ajudar na qualificação, mas creio que na cultura e entretenimento também!

    • Guilherme macedo
      876c

      Esse foi um dos pontos em que a Bia errou…
      Só porque a pessoa é pobre, isso não quer dizer que ela não tenha direito a lazer no internet.

  • Leandro

    Bia, primeiro você nos mostrou a indignação do serviço oferecido pelo governo, agora você quer defende-los visando os necessitados para. No Brasil sempre é assim, os buracos são tampados todos os dias para mostrar trabalho a população, mas a gente sempre continua vendo eles.!

  • Gabriel

    Bia, quando se diz que “não se fala em lazer”, concordo em partes, já que a proposta do governo ao popularizar a banda larga é levar uma ótima fonte de pesquisa e estudo para a população mais carente.
    Mas, ao mesmo tempo, incluir essa parcela da população numa nova realidade (a internet) e “negá-la” o uso que a maioria das pessoas também fazem hoje em dia na internet não é inclusão, é exclusão.

    Fazendo uma analogia um pouco pobre, seria como dizer ao povo “vocês podem entrar naquele shopping pouco acessível, mas só podem entrar em determinadas lojas voltadas ao público de menor poder aquisitivo”, como se não pudessem ter a escolha de analisar produtos de outras lojas do shopping e comprá-lo a prazo, por exemplo, ou como se não pudessem fazer um lanche no McDonald’s por ser considerado caro para o povo em comparação a lanchonetes populares.

    Ao limitar a largura da banda da internet, o governo faz exatamente a mesma coisa: “você poderá acessar à internet, mas poderá visitar apenas páginas leves com textos e fotos de baixa resolução”.
    Do que adianta? Que inclusão é essa que continua segregando o conteúdo da internet “para ricos” e conteúdo “para pobres”?

    Além disso, não cabe a nós dizer até quando aquela pessoa decide utilizar a internet dela para “coisas casuais”; por ainda não estar incluída que ela não possui e-mail, MSN e redes sociais, mas acho que a ideia de inclusão é JUSTAMENTE essa: incluir. E se a internet dela não permitir, essa pessoa terá internet em casa, mas continuará sem e-mail, Orkut, MSN, Skype… Do que adianta? Por mais que pareça “trivial”, pense em como essas ferramentas também são úteis para aqueles que querem se comunicar com parentes que habitam pontos divergentes no país. Queira ou não, trivial ou não, pense em como seríamos se não pudéssemos acessar nossos e-mails e conversar com as pessoas pela internet; eu gastaria bem mais em telefonia, por exemplo.
    Se um usuário comum de lan house já possui conta de e-mail e está nas redes sociais, mesmo que não possua internet em casa, você acha que quem possuirá um plano do PNBL em casa naturalmente não irá ter as mesmas coisas em questão de pouco tempo?

    Outro ponto em que discordo é na questão do emergencial: bem sabemos que tudo o que é emergencial nesse país leva anos e anos, muitas vezes sem o retorno esperado (lembra da CPMF?). O que eu temo é que o PNBL segure o preço e a qualidade da banda larga por mais alguns anos, já que, na lógica, não compensaria oferecer uma internet melhor a um preço abaixo da PNBL (ou então revisariam os preços da PNBL, o que acho muito pouco provável).

    Também não concordo com algo que não foi colocado no texto por você, mas parece ter sido interpretado por alguns: o usuário casual, que acessará poucas vezes na semana, possui a opção de ir a uma lan house para isso, gastando bem mais barato do que uma mensalidade. E a vantagem é poder utilizar sem se preocupar com o temido limite de 300 MB.

    Quanto à questão da mensalidade, concordo: esse PNBL deveria ser mais barato para assinatura mensal e talvez 35 reais para usuários “pré-pagos” (pois até seria uma ótima forma do povo realmente testar e aprovar, ou não, a tal internet), mas aí cairíamos na questão de custo de instalação (que não me atreverei a dizer quanto custa em média, mas sei que tem).

    Para finalizar, sei que a internet não será cortada ao atingir 300 MB, mas temo que as operadoras diminuam tanto a banda que chegue a atingir um patamar inavegável hoje em dia, numa tentativa cruel de levar aquele cliente para um plano mais caro. Aí a impressão que fica é que o PNBL será uma “versão demo” de uma verdadeira internet.

    • Guilherme macedo
      876c

      Concordo em gênero, número, grau e espécie :D com tudo que você falou. Você não podia ter dado uma explicação melhor sobre esse plano. É uma demo para “forçar” o usuário da PNBL, a migrar para um plano ilimitado.
      Eu afirmo com toda a certeza do mundo:
      300MB DE TRÁFEGO É ABSURDO DESCARADO E SEM NEXO COM OS PADRÕES ATUAIS DA INTERNET.
      Pra mim esse é o principal, senão for o único e grande erro desse PNBL.

  • Augusto Marreiros

    Foi divulgada uma pesquisa da Telebrasil, nesta semana, a qual revela que nós já pagamos 320 bilhões de reais em tributos nos últimos 11 anos! Só em 2010, nós pagamos 4 milhões, por hora, em impostos!!!

    Para onde foi esse dinheiro todo?! Por que não foi investido na ampliação e melhora das telecomunicações, especialmente, a banda larga?!

  • Kowalski
    197c

    O preço, a velocidade, franquia e condições do Plano de Banda Larga deixam o consumidor em situação desvantajosa em relação aos planos atuais. Exemplos: A Embratel vende o “combo” básico (internet, TV e telefone) por R$ 29,80. Se o cliente optar apenas pela internet, pagará R$ 39,90 por 1 Mbps, com franquia de 20 GB e redução da velocidade para 300 Kbps após ultrapssar a franquia.

    A Oi está ofertando o Velox de 1 Mbps, com telefone, por valores que vão de R$ 39,90 a R$ 54,90 na maioria dos estados em que atua, sem franquia (em decorrência de uma decisão da justiça de Sergipe, que proibiu a imposição das franquias de dados).

    Portanto, vê-se que esse Plano Nacional de Banda Larga sairá mais caro para o futuro assinante, quando se comparam as ofertas existentes no mercado.

  • Edmar Moretti

    Pobre só se ferra mesmo.
    Absurdo a limitação de 500MB. Aposto que isso está sendo colocado apenas para não comprometer a infra de Internet e não prejudicar quem pode pagar mais.
    E vamos parar com essa bobagem de ficar achando que o governo deveria se preocupar com outras coisas em relação as faixas de renda mais baixas. Tudo é importante para esse nosso povo, e dinheiro tem, é só acabar com a roubalheira e a concentração absurda de renda.
    PNBL: Plano Nacional de Banda Lenta.

  • Darox

    Se a pessoa conseguir usar o plano o mês todo , R$35,00 é um preço baixo, mas não justo.

  • Isso é uma verdade…e como toda a verdade , muitas vezes ela é dolorida. Nós Brasileiros, vivemos nesse imenso caldeirão de interesses, ou estamos a mercê dos cartéis ou a mercê de um governo nada sério.
    Moro em uma cidade da RMSP, e estamos testando um internet livre, com 1 mb de velocidade..GRÁTIS.
    Qual é a sacada mestre, de um governo sério…com essa conexão vc pode ficar até 3 horas diárias conectado, não acessa certos “sites” e nem downloads muito grande…isso para não sobrecarregar o acesso.
    Ainda dispomos dela apenas em plano piloto,mas o projeto está andando em passos largos.
    Mesmo assim me perguntaram…mas porque só wi-fi…bom com o wi-fi o custo de cabeamento não existiu..sem contar que vi várias pessoas, inclusive alunos da rede pública..com netbooks de custo acessível…fazendo o primeiro acesso.
    É um pequeno passo ainda para se falar em inclusão digital…mas é um grande passo, quando se faz uma politica séria. E quem sabe, com a popularização dos net, note..tos não estaremos no wi-fi.

  • Christiano
    10c

    Não tem explicação, 300MB é RIDÍCULO!!! Nem reclamo do custo, mas essa limitação não tem cabimento. Internet assim deveria ser 5 reais no mês!

    • Kowalski
      197c

      Essas franquias vergonhosas são as mesmas que a Vivo está impondo aos novos assinantes de 3G. Vejam o absurdo no site: http://bit.ly/jq8KNV

  • Augusto Marreiros

    Faz 4 anos que solicito o Velox, mas a resposta é igual: “Não há portas disponíveis na sua região”.

    Para espanto meu, na última sexta-feira, apareceu uma equipe de vendas da Oi Velox em minha casa. A vendedora me garantiu que, agora, a Oi tinha aberto novas portas na minha região. Pedi que ela me garantisse a informação, pois consulto a disponibilidade do Velox há muito, seja por telefone ou pelo site. Ela continuou afirmando que já estava disponível o serviço aqui. Levou todas as informações necessárias e disse que a Oi entraria em contato dentro de cinco dias.

    Liguei novamente para o televendas da Velox e relatei o caso. Todos os atendentes me disseram que não há disponibilidade do serviço em meu endereço nem foi encontrado pedido algum de Velox para minha linha.

    Resultado: Continuo usando internet via rádio, que não chega a 200 Kbps e pagando R$ 50,00 por mês!

    Esta é a situação da maioria das pessoas que vivem na periferia das Capitais e cidades médias do Brasil…

  • Bem… Deixando um pouco de lado o assunto dos 300MB, vou tratar primeiro do valor, conforme pedido no artigo.

    Como já apontaram antes, R$ 35 equivale a 7% de um Salário Mínimo. A meu ver isso é abusivamente alto considerando-se um ‘produto’ voltado para alguém nesta faixa econômica na intenção de . O mais coerente seria que: ou isso deveria ser fornecido DE GRAÇA, ou – pelo menos – num preço mais baixo que a melhor oferta encontrada em TODO o mercado (falando a nível nacional).
    Do contrário os caminhos são óbvios: ou se procura logo de cara o plano de valor imediatamente mais próximo à disposição (donde as vantagens se encontrariam infinitamente melhores), ou continuaria-se abrindo mão de tal recurso. Salvo casos onde o “novo usuário” fosse REALMENTE leigo, porém o serviço seria abandonado tão breve possível (mesmo que para voltar a uma situação de “abstinência”).

    Se quisessem mesmo promover uma inclusão digital , teriam pensado nestes aspectos.

    Agora (finalmente) quanto ao limite de 300MB:

    Vi você, Bia, respondendo vários comentários dizendo que “acima deste consumo não seria voltado para tal público”, e que “quando a pessoa se adequasse neste padrão já teria condições de optar por uma alternativa de melhor qualidade”.

    Será mesmo?

    Vamos ao exemplo da família de quatro integrantes: Pai (a fonte de renda da casa), Mãe (a administradora doméstica), e dois filhos (os principais consumidores de recursos da família).*¹
    Já que nossa “mãe” não produz renda e tampouco precisa consumir maiores recursos – seu “interesse maior” seria apenas cuidar da casa, sem necessidade de aprimoramento ou qualquer outra coisa que requeresse internet – seu consumo seria praticamente nulo. Talvez seus filhos instalassem uma suíte escritorial para que ela tivesse ferramentas melhores para administrar o lar, mas apenas causaria um impacto no(s) primeiro(s) mês(es) – impacto este que beneficiaria à toda a família (um “SeiLáOffice”, atualizações para o mesmo, atualizações do S.O., e um antivírus). Logo, poderíamos dividir o consumo médio por integrante na casa de 100MB/morador.

    Aliás, pequeno e oportuno aparte: as principais ferramentas e atualizações utilizadas no PNBL causariam impacto apenas NO INÍCIO (algo que muitos estão esquecendo, aliás). E ainda poderia-se ‘burlar’ tal problema, facilmente pedindo para um técnico (o gordinho nerd da esquina) fazer essa preparação inicial do equipamento; após isto, o impacto seria reduzido.

    Pois bem. Vamos ao uso mais básico: o pai certamente usará a internet para verificar e-mails, ler algumas notícias regionais, procurar empregos melhores e solicitar/verificar suas documentações pendentes.
    Verificar e-mails, com um cliente Outlook-Like, fica fácil de se enquadrar nos 100MB “propostos” para ele deixando “boa folga” para os demais usos. Bloqueia-se o download automático de anexos (talvez até de imagens) e teremos um consumo que não ultrapassaria sequer 10MB mensais – um décimo da “cota” à qual ele “tem direito”.
    O porém surge quando falamos dos demais interesses: sites de notícias, governamentais e de agências de emprego são ABSURDAMENTE PESADOS hoje.
    Pombas! Estamos na era da tão falada “Web 2.0″, com sites dinâmicos auto atualizando a cada 5 SEGUNDOS e empesteados de propagandas pesadas ao redor do assunto de interesse! Mesmo um site qualquer do governo – seja estadual ou federal – já consome, tranquilamente, de 5 a 10MB. Dúvidas? Entre em um e experimente salvá-lo como “Arquivo Web (Único)” para verificar o tamanho final resultante… (Sinceramente, Bia: pareceu até que você nunca entrou num site destes)

    Mas o pior ainda está por vir: o nosso pai ilustrativo NÃO É o maior consumidor do produto! Logo, supõe-se que sua cota seja menor – entre 50 e 60MB – dentro dos limites estabelecidos… E isso com o cache do computador configurado para ocupar cerca de METADE DO DISCO, para evitar redundâncias de downloads.

    Então vamos aos VERDADEIROS consumidores: os filhos, que precisam além de ver e-mails, notícias, e (sim! ou vocês pensam que o Estatuto do Adolescente é miraculoso?), ainda precisam de um acesso IMENSO à informação?
    Quanto pesa um PDF médio de livro para estudo escolar? 5MB? 10? Um de Biologia poderia chegar facilmente aos 25MB, dada sua de conter inúmeras imagens para melhor compreensão do assunto! E vídeos então?
    Não tô falando de IúTóba não – mesmo que subentenda-se! Mas Física, por exemplo, só consegue uma assimilação PLENA dos seus ensinamentos mediante a demonstração VISUAL de experimentos!

    WikiPedia? Esqueçam! Por ser – como o próprio slogan diz – uma ‘enciclopédia colaborativa sem instrumentos de controle’, NÃO É considerada uma fonte de estudos CEM POR CENTO VÁLIDA! E mesmo lá o consumo de banda pode ser exorbitante, com imagens que passam facilmente dos 10MB (exibidas em pequena resolução, mas ainda com o mesmo volume de dados).
    Pior: no caso dos nossos pimpolhos, NÃO HAVERÁ redundância de dados muitas vezes. Pois a cada trabalho escolar terão que acessar sites TOTALMENTE NOVOS!

    Aí, me responda: 125MB dá para um uso desses?

    Acredito que, sozinho, UM dos filhos já estouraria os 300MB da franquia…
    E… Veja só! Consegui escapar TOTALMENTE da “armadilha” do pensamento comum de Orkut/YouTube/MSN!

    Então não dá pra esquecer o limite sendo realista. Quiçá sendo utópico. Ainda mais por esse valor – o qual existe alternativas mais baratas (e com maiores vantagens, mesmo sendo mais barato) – pelo qual a PNBL está sendo oferecida.

    Como o Lucas Agnatos tanto tem dito nos comentários, essa é realmente uma luta por causa errada, gerando um resultado que apenas serve para melhorar a imagem do Governo.

    • NOTA (*¹) – Posso ter parecido preconceituoso ou discriminatório no meu estudo da “família exemplo”. Peço para que compreendam que a intenção foi apenas essa mesma: usar como EXEMPLO!
      Claro que uma mãe de família, hoje, também trabalha e usa a internet – seja para se atualizar ou até mesmo pesquisar receitas mais econômicas e nutritivas para sua casa; mas a intenção era de ilustrar uma família com o menor consumo possível de rede.

      PS: “Comi” um trecho do texto enquanto digitava…
      Onde se lê “alguém nesta faixa econômica na intenção de .” – terceira linha do segundo parágrafo – a frase deveria terminar com “alguém nesta faixa econômica na intenção de incentivar a inclusão digital via banda larga.” (Mas acho que dá pra entender mesmo com o erro)

      PPS: Espero que as tags HTML mais simples estejam ativas, especialmente para esta réplica! >_<'

    • Kowalski
      197c

      Muito bom seu exemplo, Amigo.

      Já está provado e comprovado que essa franquia vergonhosa é inaceitável.

      A Vivo está fazendo o mesmo nos planos 3G:

      - 150 MB por R$ 29,90 (com redução da “velocidade” para 32 Kbps após o consumo dos dados);
      - 250 MB por R$ 49,90 (com redução para 64 Kbps).

      Esses dois planos são os iniciais, mais baratos. Os mais caros vão de R$ 89,90 (2 GB) a R$ 199,90 (8 GB)!

      Parece que a Vivo, com seus planos extorsivos e franquias absurdas, serviram de inspiração para o Plano Nacional de Banda Larga…

  • Excelente post.

  • Augusto
    200c

    Otimo texto.
    Vim a trabalho para a Alemanha por um mes, chegando aqui logo fui atras de um jeito de acessar a Internet, encontrei diversos planos interessantes mas o que mais me chamou a atencao foi que o governo nao tem nada diretamente relacionado com essas propostas, a propria concorrencia e os orgaos reguladores acabaram neste resultado.
    O texto logo me remeteu a isso pois justamente o plano que assinei funciona nesses moldes. €0,99 por dia, trafico ilimitado a 1Mbps. Vc tambem deve adquirir um SIM por €10 para poder utiliza-lo no celular ou €30 SIM + Modem 3G.
    Se formos converter os valores, ainda seria maior que os R$35 mensais, no entanto, se eu for checar meus e-mails uma vez por semana, como creio que muitos dos que atualmente nao tem acesso a internet fariam, gastariam alem do investimento inicial por volta de €5 ao mes, sem o compromisso de uma mensalidade.

    Obs: Desculpem pela falta de acentuacao, teclado alemao…

  • rafaelverolla
    106c

    Tem lan house pra que meu povo. 2 real você acessa banda larga ilimitada por 1 hora, hahaha…AIAIAI, a pior pobreza é a de espirito.

  • Rafael

    O problema maior, na minha opinião, não é velocidade muito menos quantidade de dados que as pessoas terão no PNBL.
    O que mais me preocupa é colocar pessoas com pouco conhecimento sobre a grande rede e assim disponibilizar milhões de pessoas para serem vítimas de “crackers”, “spammers” e afins… Mais brasileiros para aumentar as redes zumbis…

  • Tux
    327c

    Ahhh, descobri o porque esses 300MB são suficientes, o pessoal vai acessar via lynks no linux. Hahahah, não vão estourar a quota nunca, agora entendi.

Deixar comentário:

Leia | Política de Comentários.