Ir para o conteúdo.

Início » Negócios » Apple quer garantir mais direitos para trabalhadores na China

A Apple anunciou na segunda-feira (13/02) que iniciou uma auditoria “sem precedentes” sobre as condições de trabalho encontradas nas principais empresas que fazem parte de sua cadeia de fornecedores. Mais de 170 empresas instaladas no sudeste asiático – sobretudo na China – serão avaliadas pela Fair Labour Association, organização sem fins lucrativos que promove o respeito às leis internacionais do trabalho em diversos países.

“As inspeções já estão em andamento e não têm precedentes na indústria da tecnologia, seja em escada ou escopo”, afirmou o CEO Tim Cook em um comunicado oficial. De acordo com a empresa da maçã, o grupo destacado irá entrevistar “milhares” de trabalhadores, inspecionará áreas de produção, dormitórios, refeitórios e investigará documentos que possam comprovar irregularidades como jornadas de trabalho excessivamente longas, salários demasiadamente baixos ou uso de mão de obra infantil.

Em janeiro, em uma atitude inédita, a Apple divulgou um documento em que listava 156 companhias que representavam 97% de seu gasto total com manufatura. Na ocasião, afirmou que em 2011 fez “80% mais inspeções” em seus fornecedores do que em relação a 2010.

Seus números indicavam que foram feitas auditorias em 229 empresas, e que, dessas, 108 não faziam pagamento de horas extra, 93 excediam jornadas semanais de 60 horas em 6 dias de trabalho regulamentadas pela Apple (!!), 42 atrasavam salários e cinco faziam uso de mão de obra infantil. A divulgação desses números deram início a protestos contra as condições de trabalho na China nos EUA e Europa, principais mercados da companhia da maçã.

A primeira empresa a ser analisada pela Fair Labour Association é a Foxconn, famosa pelos casos de suicídio em sua planta em Shangzen e pela explosão que matou três pessoas na cidade de Chengdu. Outras gigantes como Quanta e Pegatron também serão auditadas. Até o momento, a Apple não afirmou quais serão as medidas adotadas para sanar eventuais irregularidades que sejam encontradas.

Com informações IBI Times, Guardian

14 Comentários (Deixe o seu!)

  • Yangm
    1c

    Quando li o título eu pensei, a Foxconn vai deixar de proibir os suicídios?

    • A Apple garantiu patente sobre o suicídio.

      • Yangm
        1c

        E começou a processar os defuntos também por quebra de patente.

  • Turdin
    3346c

    Éééé, Tim cook mostrando mudança.

    Acho que isso vai levar a uma forte desvalorização e percas financeiras na marca, mas por outro lado é ótimo pelo ponto de vista humanista, na qual melhora a condições de trabalho.

    • Tio Z

      Muita hora nessa calma. Ele vai auditar, mas como diz a matéria, não foi dito o que será feito com a informação. Pode ser só golpe publicitário (pelo bem daqueles coitados, espero que não mas…).

      • Gaba
        1912c

        Seria muita safadisse eim…

  • Bla bla bla… uma empresa que quer garantir o mínimo de garantias de trabalhadores faz o seguinte: Ela não vai botar sua linha de produção na China. Quem vai pra lá está em busca de outra coisa…

    • Gabriel
      923c

      Recomendo ler um artigo do New York Times sobre isso, não sei até que ponto é consistente mas a China possui mão de obra semi-qualificada (algo que não existe muito nos EUA), infra-estrutura invejável, escala e flexibilidade que não existe em lugar nenhum do mundo.

      De qualquer forma, não é motivo, afinal os lucros dela são bem altos e acho que poderiam abrir mão disso para oferecer melhores condições aos funcionários.

      • Também não se esqueça da cultura asiatica, que varias vezes prega o sacrificio proprio!

        Sério, na Italia os pequenos comerciantes estão sofrendo um bocado por não acompanhar a carga horario dos chineses!

      • Gabriel, o pacote de atrativos da China que você lista cheio de nomes pomposos é visto por alguns como precarização da mão de obra.

        “afinal os lucros dela são bem altos e acho que poderiam abrir mão…” Cara, se você realmente tem alguma esperança de que algo similar a isso ocorra no mercado atual você vive num universo paralelo.

        • Gabriel
          923c

          Abrir mão dos lucros sobre a construção de iPhones/MacBooks que é bem maior que da concorrência para limpar a imagem e não por dó dos chineses. A Apple vende outras coisas e sua imagem é MUITO importante, não chega a ser uma Red Bull ou Nike que vivem de marketing praticamente, mas é fundamental não arranhar a imagem deles em troca de lucros menores em cima da venda de hardware que é apenas um segmento dela.

          Aliás, falei de abrir mão de lucro, porque segundo o NYT o custo de mão de obra humana para a construção desses aparelhos não é tão relevante:

          “However, various academics and manufacturing analysts estimate that because labor is such a small part of technology manufacturing, paying American wages would add up to $65 to each iPhone’s expense”

          Eles estão falando de funcionários norte-americanos que é um país de primeiro mundo, ou seja, muuuuito mais caros que chineses. Teoricamente, o aumento de custo seria mínimo ao dar condições mínimas para aquele pessoal. Recomendo que leia, com todo o direito de discordar, mas acho que simplificar a questão inteira em “f*der com os trabalhadores” é um pouco simplista demais.

          Não sei como linkar aqui no Tecnoblog, mas é fácil achar na internet essa reportagem.

  • Marcos
    327c

    tem que botar pressão mesmo pra que a Apple passe a enxergar as injustiças trabalhistas cometidas na China.

  • Nunca ligaram pra isso. Qdo há possibilidade de prejudicar os negócios daí sim vem a “preocupação”.

  • Apple quer ou foi pressionada a fazer isso?

    A Apple está sofrendo pressão de todos os lados, usuários e Governo norte-americano, por isso ela está fazendo isso.

    Se quisesse mesmo já tinha feito desde à época do primeiro Mac/iPhone.

Deixar comentário:

Leia | Política de Comentários.