Início » Hardware e acessórios » ARM mostra chip para a “internet das coisas”

ARM mostra chip para a “internet das coisas”

Por
2 anos atrás

A ARM Holdings, consórcio britânico responsável pelo desenvolvimento da plataforma ARM, mostrou nesta terça-feira o Cortex -M0+, primeiro membro de uma família de processadores construídos a partir de uma arquitetura chamada Flycatcher. A grande novidade do modelo é sua arquitetura 32 bits — contra os 8 bits e 16 bits de seus antecessores — e por ter o título de “chip com menor consumo de todos os tempos”.

Destinado a equipamentos médicos, geladeiras, torradeiras, sistemas de iluminação e até mesmo alguns dispositivos móveis, o novo controlador chega para “pavimentar o caminho para a internet das coisas”.

“Ele abre caminho para que todos os dispositivos possam estar conectados a todo momento”, explica à rede BBC Geoff Lees, CEO da Freescale, uma das companhias que produzirá o chip. “Ele nos permitirá oferecer conectividade em todo lugar. E em qualquer coisa, como equipamentos de consumo, MP3 players, docks de áudio aparelhos de cozinha ou até aparelhos médicos – área em que a alta vida útil de bateria, performance e segurança é cada vez mais importante”, completou Lees.

Medindo 1 mm de cada lado, o novo chip é compatível com conexões Bluetooth, rádio ou WiFi, e não consome nenhuma eletricidade enquanto está em modo de espera. Esta característica permite que as baterias dos equipamentos em que está instalado durem “anos”, além de permitir que diversos sistemas de uma casa ou empresa sejam unificados.

Pode, por exemplo, desligar automaticamente equipamentos ociosos. “Todos países desenvolvidos têm gráficos de consumo de eletricidade que mostram que a demanda irá superar a oferta em 20 anos, a menos que façamos alguma coisa diferete. Se uma rede elétrica está sendo fortemente usada, e um elemento inteligente de uma máquina sabe que ela pode se desligar por um período para poupar energia, isso pode fazer toda diferença”, afirmou Gary Atkinson, diretor da ARM, enquanto explicava os usos potenciais da nova criação.

Com informações BBC

Tecnocast

|

Faça seu login no Tecnoblog

Crie a sua conta

Esqueci minha senha