João Brunelli Moreno

É jornalista, publicitário e usa a internet desde mil-novecentos-e-monitor-de-fósforo-verde. Não está certo se gosta de gadgets por eles serem poderosas ferramentas de comunicação que têm papel fundamental na difusão de conhecimento ou porque eles têm luzinhas brilhantes que piscam toda hora.

A Zynga, empresa web que tem feito fama e fortuna transformando pacatos usuários do Facebook em agricultores ou mafiosos anunciou nesta quarta-feira que conseguiu levantar US$ 1,5 milhões em cinco dias para serem doados às vitimas do terremoto no Haiti.

A startup afirma que jogadores de 47 países entraram nas lojas dos games FarmVille, FishVille, Mafia Wars e Zynga Poker, que normalmente negociam atualizações e outras frivolidades, e compraram bônus especiais destinados a ajudar às vitimas do acidente natural. A quantia será encaminhada para o Programa de Combate à Fome das Nações Unidas.

As ajudas ao país da América Central começaram menos de 24 horas depois do terremoto e a estimativa é que nas próximas semanas cerca de 2 milhões de refeições deverão ser distribuídas diariamente no país.

Fundada em 2007, a Zynga é uma produtora especializada em jogos para redes sociais como o Facebook e o MySpace, que atualmente contam com cerca de 230 milhões de usuários ativos em todo mundo. Estima-se que a empresa tenha faturado US$ 200 milhões em 2009. [Business Insider]

Jobs e Gates, juntos até na TV

Rivais de longa data, a história da Apple e da Microsoft já se cruzaram diversas vezes, e, aparentemente, o mesmo deve acontecer mais uma vez em breve.

Businessweek reporta que a próxima versão do iPhone OS – que, quem sabe, pode ser uma das novidades a serem apresentadas no misterioso evento do próximo dia 27 – poderá contar com o Bing como sistema de busca padrão no lugar do Google, mudança convenientemente promovida depois que a gigante da web começou a ampliar suas fronteiras de atuação.

Antiga aliada da empresa da maçã, o Google começou a ser visto como uma possível ameaça lá para os lados de Cupertino quando lançou a plataforma Android para bater de frente com o iPhone, e começou a incomodar a Microsoft depois do anúncio do Chrome OS, um teórico rival para o Windows no rentável mercado dos computadores de baixo custo.

Na prática, a mudança pouco mudará a vida do usuário do aparelho, já que, se ele quiser, poderá selecionar o Google como buscador padrão novamente. Em todo caso, nenhuma palavra foi dita a respeito da integração do smartphone com o Google Maps.

Aqui está o Wally

Quando ainda era apenas mais um mecanismo de busca na internet, o Google conquistou uma grande legião de fãs por conta de sua capacidade de vasculhar a web à procura de qualquer informação. E agora, com seu serviço Street View, a empresa acabou de solucionar um dos maiores mistérios da humanidade ao encontrar o personagem Wally, da célebre série Onde está Wally, parado numa rua da cidade de Wandsworth, no Reino Unido.

Para quem quiser conferir sua localização, é só acessar este link do serviço de mapas.

Apesar de haver uma grande enorme probabilidade da imagem ser uma tentativa de viral por conta do gigante da web, impossível negar que ela é tremendamente divertida e vale ser noticiada. Bom lembrar que no ano passado as lentes do Google – que é chegado num easter egg – também flagraram naves espaciais sobrevoando uma esquina das terras da rainha, revelação bombástica que convenientemente veio a público no dia 1º de abril.

Agora só resta sabermos onde no mundo está Carmem Sandiego. [World´s Strangest]

A Microsoft Brasil acabou de soltar um comunicado à imprensa falando a respeito das recentes falhas de segurança apresntadas por seu navegador Internet Explorer. Nele, afirma que os problemas foram apresentados apenas no IE 6 e, apesar de não terem sido identificadas invasões semelhantes na América Latina, que o nível de proteção do browser seja configurado como “Alto”.

Leia mais:

Confira. Os grifos foram feitos pela equipe Tecnoblog:

Nos últimos dias, a Microsoft confirmou a ocorrência de uma série de tentativas de roubo de informações online e controle não-autorizado de computadores, em sua maioria, contra empresas que utilizam a versão do Internet Explorer 6. Trata-se da versão do browser lançada há 10 anos que não está preparada para o tipo de ameaça que existe hoje.
 
Sabemos que nenhum browser atualmente é 100% seguro, pois os ataques a navegadores são constantemente renovados e aprimorados. Por isso, a Microsoft recomenda que todos os clientes migrem as versões utilizadas para a última versão do browser, o Internet Explorer 8, sendo esta a forma mais efetiva de evitar esse tipo de problema. Os casos de falha constatados nesta última semana não foram identificados no Internet Explorer 8.

(…) Ainda que, na América Latina, não haja ocorrências como os incidentes reportados anteontem (17/01), como um cuidado adicional, a Microsoft recomenda aos internautas que já utilizam o IE8 que definam como padrão o Nível Máximo de Segurança do browser, selecionando a opção “Ferramentas / Opções” do menu “Internet / Segurança”.  Estas precauções contribuem para uma proteção efetiva contra as vulnerabilidades de segurança noticiadas em 17/01 no boletim de segurança em inglês, “Security Advisory 979352”, ou citadas como “Cyber-ataque Chinês” e “Google attack”.
 
Em paralelo, a Microsoft está desenvolvendo uma atualização de segurança que proteja todas as versões do Internet Explorer, desde a versão 6 do browser. A empresa recomenda a todos os clientes que tiverem algum indício ou considerarem que sofreram um ataque, que entrem em contato com o centro de atendimento ao cliente, via
http://support.microsoft.com/contactus.

Vai chegar, chegou.

Mais uma vez sem fazer muito alarde, no último domingo a Mozilla liberou a segunda versão Release Candidate do navegador Firefox 3.6.

Apesar de não divulgar maiores detalhes a respeito das novidades implantadas, a Fundação informa que “mais de um milhão” de usuários estão testando o browser, que deverá ter sua versão final liberada antes do fim do mês, depois de uma série de atrasos.

Somadas, todas as versões do Firefox contam com 300 milhões de usuários em todo mundo, apontam seus desenvolvedores.

O Firefox 3.6 deverá ser a última evolução do programa antes da chegada de sua nova geração. O desenvolvimento do Firefox 3.7, que deveria chegar no terceiro trimestre deste ano trazendo como grande novidade uma interface redesenhada, foi cancelado na semana passada depois da Fundação Mozilla anunciar uma “mudança de planos” e afirmar que concentrará suas forças na próxima geração do navegador, que deverá ser conhecida como Firefox 4 e deverá desembarcar – de acordo com as previsões otimistas – na rede no começo de 2011.

Para fazer o download do Firefox 3.6 RC2, visite a página da Mozilla.

Android: por enquanto, perdendo a batalha

Recente relatório da empresa Gartner indica que a venda e o desenvolvimento de apps para smartphones é um excelente negócio para qualquer empresa, desde que ela seja a Apple.

Os dados mostram que em 2009 o mercado de programas para telefones celulares inteligentes movimentou a bagatela de US$ 4,2 bilhões, sendo que 99,4% foram gastos em programinhas para o iPhone.

O 0,6% restante por hora é dividido entre o Google, Nokia e Palm, mas a própria Gartner aponta que, nas previsões mais otimistas, mesmo que seus rivais (leia-se Android) tenham um crescimento “notável” em 2010 a empresa da maçã ainda deverá ter pelo menos 66% do mercado no final deste ano.

Lançada em junho de 2008, a iTunes App Store chegou ao mercado junto do iPhone 3G e do iPhone OS 2.0, e só no último mês de dezembro, entre opções pagas e gratuitas, distribuiu 300 milhões de aplicativos.

Já dados da ComScore mostram que as apps mais populares são as gratuitas. Nos EUA, por exemplo, o programa mais presente na dupla iPhone/iPod Touch é o Facebook, que permite que seus usuários possam atualizar seus perfis na rede social. Na Europa a liderança fica com a app de reconhecimento musical Shazan, e, na Inglaterra, os proprietários do todo-poderoso smartphone usam toda sua tecnologia e recursos de conectividade com o… iPint, que simula um copo de cerveja. [Ars Technica]

A foto que ilustra é um Nexus One que teve sua tela acidentalmente quebrada por um leitor, publicada hoje pelo site Gizmodo.

Computadores: ataque oriental?

A falta de capacidade das empresas norte-americanas em produzir computadores de baixo custo fará com que elas sejam extintas em 20 anos, afirmou Stan Shih, fundador da taiwanesa Acer, a rede de notícias AFP.

De acordo com o executivo, uma tendência por máquinas mais baratas surgiu nos últimos anos, mas “as marcas dos EUA simplesmente não sabem como colocar esse tipo de produto no mercado. Os computadores made in USA deverão desaparecer em 20 anos, assim como aconteceu com suas marcas que produziam televisores”, talvez citando as falecidas (ou quase) GE ou Emerson, por exemplo.

De fato, nos EUA fabricantes como a Apple, HP e até mesmo Dell têm preferido mirar em nichos considerados “Premium”, deixando o mercado de máquinas mais e conta nas mãos de concorrentes orientais.

Esse fato, somado à última crise mundial, fizeram com que no ano passado a Acer superasse a Dell no posto de segunda maior produtora de computadores do mundo, e, animado, Shih promete que sua empresa ultrapassará a HP – tradicional líder deste ranking – já em 2011. [Foto]

Dados levantados por uma empresa de consultoria mostram que o Windows 7 é a primeira versão do sistema operacional da Microsoft a se popularizar antes de receber os ajustes de um Service Pack.

Resultados preliminares de uma pesquisa feita com 923 empresas do Reino Unido e Estados Unidos que usam máquinas Windows, feita pela companhia de gerenciamento Kace Networks, mostram que 43% dos entrevistados pretendem migrar para o Windows 7 ainda em 2010, e, do montante, 42% não pretendem esperar pela chegada de seu primeiro Service Pack, programado para acontecer no meio do ano. Segundo a Kace Networks, “esse é o maio nível de interesse num novo Windows registrado nos últimos 10 anos”.

No passado, a empresa de análise Gartner chegou a alertar a Microsoft que os constantes problemas apresentados pelo Windows nos primeiros meses depois de seu lançamento desestimulariam os usuários a migrarem para a nova versão antes de um Service Pack.

Mas um dos grandes vencedores no processo de renovação dos sistemas operacionais de empresas deverá ser o OSX. Atualmente 32% dos entrevistados pela Kace têm mostrado interesse em adquirir equipamentos não-Windows, e a estimativa dos especialistas é que os computadores da maçã ampliem sua participação neste mercado dos atuais 5.11% para mais de 10% no final do ano. [The Register]

Figura fácil nos memes saudosistas a respeito dos primórdios da internet, o ICQ pode não desfrutar da popularidade de outros tempos, mas pelo menos parece estar vivo e saudável. Tanto que sua mais nova versão, que atende apenas pelo nome de ICQ 7 (alguma coincidência com o Windows 7 aqui?) acabou de ser lançada, com uma série de novas funcionalidades.

Além de se comunicar com os contatos de sua própria rede (e com o Aol Instant Messenger, o que na prática não conta), o programa ficou mais “sociável” e também permite que seu usuário o utilize para fazer suas atualizações no Twitter, Facebook, Youtube ou Flickr, além de contar com seu próprio (e antiqüíssimo) cadastro de perfis que faziam vezes de rede social há mais de 10 anos sem que ninguém notasse.

O download para sua versão para Windows tem 11,5 MB e o programa está rápido e funcionando muito bem. O único – unzinho só – problema é que há anos ninguém da minha lista deve ficar online. Quase uma re-encenação online da série O mundo sem ninguém, do History Channel.

Aos que se arriscarem a fazer um test drive, o download pode ser feito na página oficial do programa (uia, eles tem site!).

Alguns rumores do mercado financeiro indicam que as operadoras Telefônica e a Telecom Itália, conhecida por aqui por conta de seu braço móvel Tim, deverão decidir nos próximos três meses se irão se fundir definitivamente ou separar, conforme reporta o jornal O Estado de S.Paulo.

Desde 2007 as duas empresas são associadas, com a companhia espanhola detendo 46,18% da Telecom Itália, que por sua vez é proprietária de 22,5% das ações da Telefônica. No Brasil o único efeito perceptível da união aconteceu em 2007, quando a Anatel aprovou que a Telefônica fizesse parte do grupo de acionistas da Tim e exigiu que ela e a Vivo – sua divisão móvel “oficial” até então – continuassem sendo concorrentes.

De acordo com a publicação brasileira, a Telefônica estaria descontente com o desempenho das ações da Telecom Itália especialmente na América Latina, onde elas enfrentam questões antitruste.

Leia mais:

A notícia surge exatamente dois meses depois da Telefônica anunciar seu plano de reestruturação que prevê, entre outras medidas, a adoção do nome Movistar em diversos mercados em substituição ao seu nome atual. Na ocasião, a empresa espanhola não confirmou a mudança no Brasil.