O anúncio de que o Google deixaria de oferecer de vez suporte para o velhote navegador Internet Explorer 6 fez com que a pequena agência de publicidade norte-americana Aten aproveitasse a “morte” do programa para organizar um funeral virtual para o browser.

IE6: rest in pieces (sic). Clique para ampliar.

“O Internet Explorer 6, residente na internet há oito anos, morreu na manhã do dia 1º de março de 2010 em Montain View, Califórnia, por conta de um acidente de trabalho ocorrido na sede do Google“, diz o “epitáfio”, que lembra que o programa deixa “um filho, o Internet Explorer 7, e um neto, o Internet Explorer 8″.

A cerimônia deve acontecer na sede da agência de publicidade às 7 da manhã (horário local) do próximo dia 4, com “com direito à comida e bebidas”, além de um jogo de dardos com o logotipo do programa fazendo vezes de alvo. Aqueles que infelizmente não conseguirem aparecer a tempo nos EUA poderão marcar sua presença enviando flores para o evento.

Mensagens de condolências e outros dados a respeito da morte do programa podem ser vistos no site ie6funeral.com.

Bem que poderia acontecer alguma coisa parecida por aqui, não?

Envolvido numa briga com o governo chinês desde o começo do ano, quando identificou que algumas contas de e-mail de defensores do direitos humanos haviam sido invadidas, o Google anunciou que retomará as conversas com o governo local para decidir o futuro de seus negócios no país.

Na ocasião o gigante da web anunciou que deixaria de respeitar os bloqueios do Grande Firewall da China e que começaria a exibir páginas censuradas pelo governo em seu sistema de buscas, o que gerou certa comoção entre a população local. Apesar de todo falatório, durante todo esse período a página de buscas continuou respeitando as leis locais e a filtrar os resultados.

As negociações foram interrompidas por conta do recesso do ano novo chinês, que aconteceu na última semana. Em sua volta ao trabalho, o governo local aproveitou a oportunidade e resolveu aumentar ainda mais o controle sobre a rede no país, agora exigindo documentos e um registro especial para qualquer pessoa que queria produzir ou fazer manutenção em um site hospedado por lá. [Register]

Vários produtos e serviços do Google, como o Orkut e o YouTube, já anunciaram que estarão desabilitando o suporte ao navegador Internet Explorer 6 num futuro próximo, mas nunca deram uma data mais definitiva do que ‘em breve’. Hoje, no entanto, esse panorama mudou. Segundo um item na sessão de ajuda do YouTube, o último dia de suporte ao antigo navegador da Microsoft será 13 de Março.

Isso não quer dizer, necessariamente, que daqui a duas semanas e 4 dias haverá um aumento enorme de produtividade mundial em empresas que não permitem o uso de outros navegadores ou que ainda não atualizaram para uma versão menos defeituosa do Internet Explorer. Os empregados dessas companhias poderão continuar assistindo aos vídeos do YouTube tranquila e disfarçadamente dentro dos seus cubículos. Porém, a cada 2 semanas, a seguinte tela será exibida antes do vídeo:

Usuários que insistirem em não atualizar, segundo o Google, não poderão tirar vantagem de todas as novas melhorias e características que serão disponibilizadas no futuro, pois elas funcionarão apenas em navegadores mais modernos, como o Safari, Internet Explorer 7 ou 8, Firefox e Chrome.

No caso do Orkut, um bom incentivo que provocaria um upgrade em massa de navegadores seria desabilitar o aplicativo Colheita Feliz no IE6. Você pode achar graça, mas eu falo sério. [ArsTechnica]

[Atualização às 15:05]: Como bem aponta o Mashable, esse não é o primeiro produto do Google a ter uma data certa para deixar de oferecer suporte ao IE6. No dia 1º de março, o Google Docs e Google Sites deixarão de oferecer suporte ao navegador. O YouTube só está seguindo o mesmo caminho. Espera-se que o Orkut seja o próximo.

MacBook Pro Limited Smurf Edition

A Microsoft está fazendo uma promoção que inicialmente surpreende: ela está sorteando MacBooks. Mas tudo faz mais sentido quando se sabe que a iniciativa vem da divisão da Microsoft conhecida como Mac Business Unit (MacBU) e que a intenção por trás do sorteio é promover o Office para Mac, que tem o lançamento de sua versão 2011 agendada para o último bimestre de 2010.

A promoção se chama Mac Office Loves You e irá premiar um sorteado com nada menos que um MacBook Pro de 2,53GHZ pintado de azul, roxo, laranja ou verde-limão (Johnny Ive deve estar surtando com isso). Além do MacBook, o vencedor também leva uma cópia do Office 2008 para Mac.

Para concorrer basta seguir o @officeformac no Twitter ou re-tuitar algum tweet desse usuário com a hastag #officeformac. Infelizmente para os brasileiros interessados, só são candidatos válidos a receber os prêmios os residentes dos Estados Unidos e Canadá com mais de 14 anos de idade. A promoção termina dia 25 de fevereiro.

Líder espiritual e político do Tibete, ganhador do prêmio Nobel da Paz e personalidade mundial, o Dalai Lama agora também está dando as caras no Twitter, com direito a selo de autenticidade e tudo mais.

A conta @DalaiLama foi criada ontem, dia 22, e até o momento que este post está sendo escrito conta com pouco mais de 56 mil seguidores e teve apenas sete tweets publicados. Ao contrário de suas tradicionais palavras de sabedoria, por hora os posts se limitam a divulgar links com suas últimas participações em eventos e programas de televisão.

Leia mais:

Coincidentemente, a criação do perfil parece ter acontecido pouco depois que foi anunciado que Hu Jintao, presidente da China, havia ingressado num serviço local de microblog. Como se sabe, desde 1959 a China ocupa o território tibetano, o que provoca certa comoção mundial desde então.

Na semana passada, a Microsoft de Steve Ballmer anunciou o lançamento do Windows Phone para o final do ano. Confesso: minha relação com o Windows portátil, até então, sempre foi inconstante, com altos e baixos (mais baixos, na verdade). Quem sabe esse Windows Phone não me dá uma nova esperança.

Tela inicial do Windows Phone 7 Series. (Reprodução)

Nunca tive um telefone com Windows Mobile ou afins – já testei alguns, entretanto. Tive o iPaq 4700, um dos primeiros PDAs da HP vir com Wi-Fi integrado: em 2005, a ideia de navegar na internet era ótima na teoria, já que, na prática, não funcionava direito (até fiz um upgrade de sistema operacional, para a versão 5 do WinMo, mas não adiantou muito – uma trava minúscula da bateria quebrou e o iPaq ficou sem uso. Achei uma bateria extra, mas aí o aparelho já estava desatualizado demais).

O problema é que a Microsoft errou demais em pensar que o Windows Mobile era uma extensão do Windows para uma tela pequena. Botão Iniciar? Itens pequenos no menu? Quando a HTC resolveu colocar seu bonde na rua, sua melhor ideia foi colocar uma nova interface mais fácil de usar sobre o OS (e o TyTN II foi um excelente exemplo disso). Já aconteceu de eu testar celulares com WinMo (pré 6.5) e nem publicar nada de tão ruinzinhos que eram, coitados. Aí, no ano passado, buum, barulho em cima do Windows Mobile 6.5: muito por nada, na verdade – e nem preciso me justificar por isso (os reviews falam por eles mesmos).

Agora, então, Windows Phone 7.0. Código reescrito do zero, interface inspirada no media player Zune HD (e isso é um elogio) e um caminhão de integrações com outros serviços da Microsoft – Xbox Live, Zune Marketplace etc etc etc. – e a companhia finalmente mostra a que veio no mundo dos celulares. Não me surpreenderia se viesse de Redmond um  aparelho-estilo-”Nexus One“, com marca Microsoft (ei, eles são bons de hardware, vide os teclados e mouses excelentes). Mas aí alguém iria falar que estão copiando o Google e, diz a lenda, o povo não gosta muito disso lá dentro.

O grande defeito do Windows Phone 7, ao meu ver, é a síndrome da inovação que demora a chegar. Um novo sistema operacional anunciado em fevereiro e previsto para chegar às lojas somente no Natal (lá fora, lá fora) causa um pequeno probleminha no sistema operacional atual. Nessas horas, a Apple dá a lição de moral: anunciou, entrega logo (tirando o iPad, claro).

Se o próximo Windows Phone vai ser cool e bacana, por que diabos vou comprar um celular “velho” com sistema da Microsoft agora? Desavisados e caçadores de ofertas podem até aproveitar o momento. Concorrentes com mais atualizações também – quantas novas versões de Android veremos até dezembro? Sem contar um novo iPhone, aparelhos com o novo MeeGo, Symbianˆ3… É, Microsoft, muita água vai rolar até lá. Aguardemos!

A Gartner, empresa americana de pesquisas, liberou hoje os dados acumulados do ano passado sobre o mercado de telefonia celular mundial. Na parte de vendas de aparelhos móveis, a pesquisa constatou que houve pequena queda em relação a 2008, que teve 11 milhões de celulares a mais vendidos. O declínio, segundo a Gartner, pode ser atribuído à crise financeira mundial e afetou principalmente as fabricantes Nokia, Motorola e Sony Ericsson, que viram suas vendas caírem em até 4%.

Já na área de plataformas foi constatado que o iPhone OS, Android e Blackberry OS foram as que mais ganharam participação de mercado, ao custo dos sistemas Windows Mobile e Symbian, pois ambos sofreram uma considerável queda no número de usuários. Em relação à 2008, o iPhone OS aumentou sua base de usuários em 6,2%, o Blackberry OS em 3,4% e o Android em 3,5%. Já o número de aparelhos rodando Symbian OS e Windows Mobile sofreu queda de, respectivamente, 5,5% e 3,1% em relação ao ano de 2008.

Apesar da queda o Symbian OS, usado principalmente em celulares da Nokia, continua na liderança absoluta do mercado com 46,9% da base de usuários mundial, seguido da RIM (Blackberry OS) com 19,9%, Apple com 14,4% e Windows Mobile com 8,7%. E os três fãs da Palm vão gostar de saber que a empresa ainda consta na lista, com tímidos 0,7% do mercado ocupado pelo seu WebOS.

O relatório completo está disponível nesse link, em inglês. [Pocket Lint]

Copa do Mundo 2010: em um iPhone perto de você

A televisão inglesa BBC transmitirá os jogos da Copa do Mundo de 2010 através de um aplicativo para iPhone e iPod Touch que estará gratuitamente disponível na App Store a partir de maio.

O anúncio foi feito durante a apresentação da BBC no Mobile World Congress em Barcelona. Todos os jogos que estejam sendo transmitidos pelo canal de TV da BBC estarão disponíveis ao vivo no iPhone ou iPod Touch e, além disso, clipes de todos os gols do torneio estarão disponíveis sob demanda.

De acordo com a BBC, ao longo do ano mais conteúdo será adicionado ao aplicativo, de acordo com a disponibilidade dos direitos. Os primeiros campeonatos cotados para fazer parte do app da BBC são o campeonato mundial de Fórmula 1 e o campeonato inglês de futebol. [Macworld]

Estudantes coreanos poderão ter aulas com robôs-professores daqui a dois anos, é o que revela o site Etnews.co.kr. O país asiático anunciou um programa de educação no qual planeja ter o R-Learning (aprendizado com robôs) em funcionamento em 400 pré-escolas já em 2012. Uma vez que essa fase do programa esteja implementada, a expansão do R-Learning acontecerá até que todas as 8 mil creches e pré-escolas do país contem com robôs-educadores.

Mas ainda não é do jeito que você imagina. Os robôs não vão assumir totalmente a função de professores responsáveis pela classe. Em vez disso, auxiliarão professores em tarefas mais simples, como recitar histórias para os pequenos (enquanto o professor titular descansa, naturalmente).

Crianças brincam com robô responsável por R-learning. (Etnews)

Crianças brincam com robô responsável por R-learning. (Etnews)

O Korea Institute of Sciente & Technology (Instituto da Coreia do Sul de Ciência e Tecnologia) é o responsável pelos robôs. Dirigentes do instituto esperam que o programa dê certo e seja expandido também para as escolas primárias.

Resta-nos torcer para que os robôs adotados nas creches e pré-escolas não sejam tão feios como o da foto que ilustra esse post.

[Com informações: Etnews.co.kr, Engadget]

Alex

Uma companhia chamada BCC – ou Broadband Computer Company, muito prazer – anunciou o Alex, um notebook feito especialmente para pessoas que não têm qualquer intimidade com computadores.

Seu grande diferencial em relação a todos os outros computadores do mundo é seu sistema operacional, uma distribuição linux “que nunca pedirá para ser atualizada”, de acordo com seus criadores. O Alex chega de fábrica com um navegador, cliente de e-mails, agenda de contatos, media player, editor de imagens e visualizador de fotos, além de uma suíte de escritórios com processador de textos e planilhas “compatível” com os formatos da Microsoft (e quem não é, afinal?). Além disso, a máquina só pode ser ligada com uma “chave de ignição USB”, que uma vez conectada leva o usuário à sua conta, sem pedir senhas, por exemplo.

Baseado num notebook da marca Clevo, o Alex tem tela de 15´4 polegadas, processador Intel Celeron, 1 GB de RAM, 120 GB de HD, webcam de 1.3 megapixel, leitor de DVD e bateria de 6 células, e configuração tão modesta pode fazer que os US$ 400 (R$ 720) pedidos por ele lá fora possam ser classificados como salgados.

Se isso não bastasse, o proprietário do Alex ainda terá que desembolsar US$ 10 (R$ 18) mensais para usar seu computador, ou US$ 25 (R$ 45) caso ele escolha um plano de conexão banda larga própria.

Para qualquer pessoa iniciada, tudo isso pode parecer bobagem. Mas será que são seria uma boa para algumas pais, mães, tios e tias que existem por aí?