Hoje, 30 de março de 2010, às 8h06 (horário de Brasília), o acelerador de partículas LHC (Large Hadron Collider) atingiu enfim sua meta de potência de 7 TeV (tera elétron-volts), e colidiu partículas sub-atômicas pela primeira vez. Agora físicos em todo o mundo aguardam ansiosamente pelos dados resultantes do experimento, que prometem abrir muitos novos caminhos para a ciência.

“Começa a busca pela matéria escura, novas forças, novas dimensões e o Bóson de Higgs,” disse a porta-voz de um dos núcleos do LHC, Fabiola Gianotti. Rolf Heuer, diretor geral do CERN — a organização de pesquisas responsável pelo LHC — também se mostrou bastante animado com as conquistas científicas desta manhã: “é um ótimo dia para ser um físico de partículas”, disse ele.

O LHC tinha atingido o recorde de 3,5 TeV há cerca de 10 dias atrás. Hoje o LHC inicia um novo ciclo, no qual trabalhará por 18 a 24 meses com a energia de 7 TeV, já se preparando para a seguir colidir partículas com o dobro da energia: 14 TeV.
Veja no vídeo abaixo a reação dos cientistas no CERN ao ver que os feixes de prótons haviam colidido com sucesso pela primeira vez (a partir dos 50 segundos do vídeo):

Quem diria. Pesquisa feita pelo site Milo.com mostra que menos 5% de todas as vendas feitas nos EUA são realizadas via internet, enquanto todo o montante restante é feito de maneira tradicional – aquele mais do que conhecido processo que ir às lojas, comprar o produto e o levar para casa. Entre os setores que mais se destacam nas vendas online estão o automobilístico, com 2,6% (gasto médio de US$ 23,600 ou R$ 42 mil), enquanto o pior desempenho na rede foi o de comprar alimentos, com 0,2% de participação.

Confira o gráfico:

E no Brasil, como será o desempenho das vendas online?

Steve Wozniak: gente boa

Além de andar por aí com quatro smartphones (dois iPhones, um Nexus One e um Motorola Droid) e dois aparelhos de GPS, o dançarino amador, nerd em tempo integral e co-fundador da Apple Steve Wozniak disse para a revista Newsweek que comprou nada menos do que TRÊS iPads durante a pré-venda do aparelho.

Pra quê? Bom, eis a resposta:

“Num primeiro momento, eu pensei que o iPad não era pra mim. Eu tenho o iPhone para usar de maneira móvel e  meu computador para usar em casa. Mas com o iPhone existem certas coisas que são complicadas de fazer, principalmente na navegação, por conta da tela pequena. Então eu encomendei um iPad para um amigo, e dois para mim. Um apenas com Wi-Fi e outro com 3G. E na sexta-feira eu vou a uma loja e esperar na fila, só por diversão.”

Em outras palavras: figuraça.

Tony Fadell

Calma, leitor. Steve Jobs ainda trabalha na Apple.

Quem está deixando os frutíferos campos da empresa da maçã é o engenheiro Tony Fadell, que na década de 90 idealizou um tocador de músicas que substituia as mídias então tradicionais por um disco rígido.

Na época ele chegou a apresentar sua ideia para a Real Networks, mas o negócio não foi para frente depois de um desentendimento com presidente da empresa. Apenas em 2001 Fadell desembarcou na Apple e apesar de Steve Jobs ter ficado (literalmente) com a maior parte do crédito, foi ele um dos personagens-chave no processo de criação do pequeno tocador digital.

Em 2006 chegou a ser nomeado vice-presidente da divisão da iPods, mas foi substituído por Mark Papermaster (ex-IBM) em 2008 depois de perder uma batalha interna por conta do design no iPod Touch. Ainda na Apple, o executivo também foi responsável pelo desenvolvimento das câmeras iSight.

Agora Fadell diz que irá trabalhar junto de empresas que “invistam em tecnologias verdes” – ou seja, todas. [NYT]

A Microsoft anunciou que liberará nesta terça-feira (30) uma atualização de emergência para o Internet Explorer que repara nove vulnerabilidades no navegador.

Esta atualização era para ter saído apenas na próxima Patch Tuesday, no dia 13 de abril. Porém a Microsoft decidiu apressar o lançamento em virtude dos ataques que seu navegador vem sofrendo. Um dos principais deles toma proveito de uma falha conhecida como vulnerabilidade de dia-zero (zero-day), que basicamente é uma vulnerabilidade que já está sendo usadas para ataques antes mesmo que o desenvolvedor tenha ciência de que existe.

Essa falha (entre outras) deverá ser corrigida com a atualização desta terça-feira. O update é essencial especialmente para quem ainda usa as versões 6 ou 7 do Internet Explorer. Segundo informou a Microsoft, usuários do Internet Explorer 8 e Windows 7 não estão vulneráveis a esses ataques.

A partir de hoje, quem utilizar o Orkut para falar com os amigos em tempo real também vai poder fazer compartilhamento de arquivos. É que o Google, a empresa por traz do site de relacionamentos, finalmente implementou uma solução que permite que, por meio do widget do Google Talk para Orkut, o usuário possa fazer upload de documentos.

Essa transferência é feita por meio de protocolo P2P e não há limite para o tamanho do arquivo. No entanto, testes promovidos pela Cnet comprovam que não é possível enviar executáveis para um contato (o que não é nenhuma surpresa; o próprio Gmail não permite anexos em extensão .exe).

Upload de arquivo e status da transferência. (Imagem: Cnet)

Upload de arquivo e status da transferência. (Imagem: Cnet)

Tal recurso já existe há bastante tempo no Google Talk, o cliente de troca de mensagens instantâneas do Google. No entanto, só agora chega ao site de relacionamentos. E o melhor: deverá aparecer no Gmail em breve.

A Apple começará a vender o iPad no próximo sábado (3), e ela o fará com totais direitos sobre o nome do produto. Desde o dia 17 de março os direitos sobre a marca registrada “iPad” — que pertenciam à Fujitsu — passaram a ser propriedade da Apple.

Como mostra o PatentAuthority.com, registro da marca “iPad”, que pertencia a Fujitsu desde 07/03/2003, foi passado nesse dia 17 para a Apple, e a comprovação disso pode ser vista visitando-se o site do Escritório de Patentes e Marcas Registradas americano.

A Apple teve problemas semelhantes quando lançou o iPhone, que descobriu-se ser uma marca registrada pela Cisco. Cerca de um mês depois as duas empresas já haviam chegado a um acordo e tudo se resolveu. Não se sabe qual foi a proposta irrecusável que a Apple fez à Fujitsu, mas pode-se imaginar que a empresa de Steve Jobs não tenha poupado recursos para garantir os direitos de manter o nome de seu produto “mágico e revolucionário” que está para chegar às prateleiras americanas neste fim de semana.

O mercado de celulares com o sistema operacional Android é bem diversificado. Por estar presente em várias fabricantes e operadoras ao redor do mundo, é possível comprar celulares com as mais diferentes versões e características. E isso cria uma fragmentação entre as distribuições, já que nem todas as operadoras de celular e fabricantes enviam seus aparelhos com a mais nova versão do sistema. Existem celulares que hoje em dia ainda são vendidos, por exemplo, com a versão 1.5, liberada em abril de 2009 (Motorola, estou olhando pra você de novo).

De acordo com fontes do blog Engadget, essa fragmentação está destinada a acabar nas próximas versões do Android, que levam o codinome Froyo (Frozen Yorgut, possivelmente versão 3.0) e Gingerbread. As fontes dizem as características disponíveis nas versões mais novas do sistema poderão ser instaladas em versões mais antigas através do Android Market. Dessa forma, quem usa um aparelho com a versão 1.6 do Android poderá, por exemplo, baixar uma atualização apenas para o Google Maps que está disponível só na versão 2.1. Não será necessário esperar o fabricante ou operadora liberar a atualização inteira, como ocorre agora.

Além disso, as fontes também dizem que a distribuição Froyo será o ponto culminante de desenvolvimento do Android. Com isso, o Google deverá mudar o foco do desenvolvimento para as apps que rodarão nele e implementar novas características complementares no sistema. Nenhuma das fontes citou datas das novas versões.

Não é segredo para ninguém que a Oi/Brasil Telecom tem sérias dificuldades de manter sua banda larga funcionando como deveria. Nesse fim de semana, mais uma vez, os clientes da empresa sentiram na pele como é ficar sem o acesso à internet. No caso, o Oi Velox continuava funcionando, mas quem tentava acessar o Twitter o ou Facebook enfrentava problemas.

De acordo com o jornal carioca O Dia, os estados de Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais (no Sudeste) e Ceará (no Nordeste) foram afetados pelo problema, que não se restringiu ao acesso à internet cabeado, por meio da tecnologia ADSL e ADSL2 que a antiga Telemar normalmente utiliza: o Oi 3G, banda larga sem fio e via rede celular, também apresentou dificuldades na hora de usar sites de relacionamentos.

O problema já foi resolvido, mas a Oi ainda não comentou o que causou a falha nem quais medidas estão sendo tomadas para que ela não se repita. O Twitter – siga o do TB! – é o serviço de microblogging que mais cresce no Brasil, enquanto que o Facebook – também estamos lá! – já é a maior rede social do mundo.

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) recebe reclamações de empresas ligadas ao ramo de telefonia e banda larga pelo número de telefone 133. Antes disso, no entanto, é importante telefonar para o atendimento da Oi em 0800 56 56 58 e pedir protocolo referente à dificuldade no acesso.

Falta pouco. No próximo sábado, 3 de abril, a Apple começa a vender em suas lojas (e a distribuir para os clientes que participaram da pré-venda) o tão esperado iPad, o tablet PC da Maçã. O aparelho foi anunciado originalmente em 27 de janeiro, mas somente dois meses depois será disponibilizado para o grande público.

Já no embalo dos preparativos para a distribuição do produto, a Apple colocou hoje no ar uma página especial com demonstrações do funcionamento do iPad. Mais de dez vídeos foram publicados, cobrindo os aspectos mais interessantes que estarão disponíveis no tablet. Confira a lista:

  • Safari;
  • Mail;
  • Photos;
  • Videos;
  • YouTube;
  • iPod;
  • iTunes;
  • iBooks.

Todos esses programas serão nativos do iPad. Ou seja, todo tablet comprado em uma loja da Apple ou pela internet virão, de fábrica, com tocador de música, aplicativo de e-mail, leitor de e-books e por aí vai. Além desses, a Apple publicou vídeos de demonstração da versão da suíte de aplicativos iWork para a plataforma do iPad (também chamada de iPhone OS): Keynote (para apresentações), Pages (editor de texto) e Numbers (para gerenciamento de planilhas). Os programas devem ser comprados separadamente.

Infelizmente ainda não existe versão das “visitas guiadas” em português do Brasil.