App Store

A App Store é uma loja de aplicativos da Apple para dispositivos com sistema operacional iOS, como iPhone, iPod Touch e iPad. Foi lançada em julho de 2008 por meio de uma atualização no iTunes, o software responsável por sincronizar dados entre computadores e gadgets da Apple. Em fevereiro de 2012, a loja possuía mais de 700 mil aplicativos, somando 25 bilhões de downloads. Para que um aplicativo esteja disponível na loja, é necessário passar por um processo manual de aprovação.

appstore-google-nao-entraPrimeiro a Apple proibiu a entrada do aplicativo do Google Voices na App Store, alegando que ele reproduzia funcionalidades nativas do iPhone. Quando o Google veio a público para anunciar a proibição, a FCC (equivalente à Anatel) logo iniciou uma investigação sobre o caso. A operadora AT&T, que comercializa o iPhone de forma exclusiva nos Estados Unidos, negou que tivesse algo a ver com a história, enquanto que a Apple deu a desculpa de que o aplicativo ainda aguardava avaliação dos revisores da App Store.

Hoje o Google colocou mais lenha nessa fogueira. Há algumas semanas atrás, também respondendo à FCC, a companhia negou a história contada pela Apple. Na carta o Google afirma que o aplicativo do Google Voice foi sim rejeitado pela App Store. Teria sido o próprio Phil Schiller, vice-presidente global de marketing da Apple, quem informou o Google da decisão.

“Representantes da Apple informaram ao Google que o aplicativo do Google Voice foi rejeitado porque a Apple acreditava que o aplicativo duplicava a função principal de discagem do iPhone”, escreveu Google em carta à FCC.

A investigação da FCC vai continuar em andamento. Logo, são grandes as chances de sabermos em breve quem conta a verdade. [CNET]

[Atualização às 16:00] Respondendo ao Ars Technica, a Apple disse que “não rejeitou o aplicativo do Google Voice e continua a discutir isso com o Google”.

ChyngleImagine a seguinte situação: você está no estádio assistindo um emocionante jogo do seu time do coração quando, subitamente, lhe vem uma vontade incontrolável de ir ao banheiro. Ou uma repentina e inadiável fome… Agora vá além e imagine que, para resolver os seus problemas basta usar o seu iPhone. É isso que propõe a Chyngle, uma das empresas vencedoras do Demopit do TechCrunch50.

O aplicativo, desenvolvido para a Universidade de Michigan, apresentaria para o usuário a lista de todos os banheiros mais próximos, lanchonetes (com menu e a possibilidade de fazer o pedido sem sair de seu lugar), um botão para chamar ajuda médica e a possibilidade de encontrar ainda uma carona para a volta!

O app se beneficia das capacidades de localização do iPhone  para encontrar serviços e pessoas por perto, mostradas como um ponto vermelho no mapa de assentos do estádio. Se quisesse comprar um lanche, bastaria mandar um SMS ao vendedor mais próximo que ele viria ao seu assento te entregar. É o que o diretor-executivo  da Chyngle, Todd Sullivan, chama de “comércio dentro do bolso”.

É tudo muito bonito no projeto e a aplicação certamente tornaria mais prática a vida de quem freqüenta estádios. Mas vai pra um estádio de futebol e fica com seu iPhone pra lá e pra cá a todo momento… Depois nos conte o que aconteceu… [TechCrunch]

Depois que Steve Jobs mostrou as novas funcionalidades do iTunes 9, foi a vez de Phil Schiller, vice-presidente de marketing da Apple, assumir o keynote. Schiller já começou sua apresentação com números incríveis do iPhone sem phone: as vendas cumulativas já chegam a 20 milhões de unidades vendidas. Fica atrás do iPhone, com 30 milhões de unidades vendidas, mas não deixa de ser um número interessante.

Talvez em resposta a quem diga que a Apple está planejando lançar um tablet, Phil Schiller afirmou categoricamente: “Consumidores descobriram uma outra coisa: [o iPod Touch] é um excelente computador de bolso”. De acordo com o executivo, o iPod Touch pode ser chamado de computador porque permite acesso à internet através de Wi-Fi e também conta com uma experiência de uso semelhante à de um computador convencional (semelhante a Macs, alguns Apple fanfoys vão dizer).

Apple alfineta Dell Mini, que definitivamente não cabe no bolso. (Engadget)

Apple alfineta Dell Mini, que definitivamente não cabe no bolso. (Engadget)

Phil Schiller ressaltou o caráter gamer do iPod Touch. Atualmente, o “console” possui mais de 21 mil títulos, enquanto que os possíveis concorrentes Sony PSP e Nintendo DS, juntos, não têm mais que 4 mil títulos à venda. Alguns representantes de empresas que desenvolvem jogos para iPhone OS se apresentaram para os convidados do evento e demonstraram jogos que estão para ser lançados (ou já foram lançados, há pouco tempo).

A grande surpresa ficou por conta de novos preços para os iPods Touch (e um novo armazenamento!). O iPod Touch de 8GB  será vendido por US$ 199, o de 32GB será vendido por US$ 299 e o novíssimo iPod Touch de 64GB custará US$ 399. Aparentemente a Apple vai parar de vender o iPod Touch com 16GB de armazenamento.

Novos preços e capacidades de armazenamento do iPod Touch. (Gizmodo)

Novos preços e capacidades de armazenamento do iPod Touch. (Gizmodo)

As novidades não param por aí. Phil Schiller disse que as edições de 32GB e de 64GB do aparelho portátil serão 50% mais rápidos e contarão com OpenGL ES 2.0, tecnologia de processamento de gráficos semelhante à presente no iPhone 3GS.

A empresa manterá os anúncios de televisão que chamam o iPod Touch de “o iPod mais divertido de todos os tempos”.

[Atualização às 22:00] Duas características interessantes do iPhone OS 3.1 acabaram não entrando na primeira vez que esse post foi publicado. Ambas são relacionadas ao Genius.

Na área de música do iPhone/iPod Touch, donos do aparelho poderão acessar Genius Mixes sem necessidade de estar no iTunes. O iPhone OS funcionará como um DJ, que colocará músicas que combinam de forma infinita. A outra característica interessante é o Genius para apps. É isso mesmo: a App Store fará recomendações de aplicativos, baseando-se naqueles já instalados no iPhone OS.

Não foi dessa vez que os donos de aparelhos com iPhone OS puderam desfrutar um aplicativo nativo para gerenciamento remoto dos downloads que estejam sendo feitos no computador. Depois de uma peregrinação durante quatro meses pela revisão da App Store, o desenvolvedor do aplicativo finalmente teve uma resposta: o uMonitor não foi autorizado porque o torrent “comumente é usado para o propósito de infringir direitos de terceiros”.

O aplicativo serviria para funcionamento em conjunto com o uTorrent instalado no computador (não temos informações sobre com quais sistemas operacionais o uMonitor seria compatível).

uMonitor em funcionamento (só testes). (Reprodução/Pocket-Lint)

uMonitor em funcionamento (só testes). (Reprodução/Pocket-Lint)

Em sua resposta, a equipe de revisão de apps da Apple escreveu:

Nós revisamos uMonitor e determinamos que não podemos publicar essa versão do seu aplicativo na App Store nesse momento porque essa categoria de aplicativos é comumente usada para o propósito de infringir direitos de terceiros. Nós optamos por não publicar esse tipo de aplicativo na App Store”.

Claro que a Apple não vai dizer que, além de muitos deles serem ilegais na maioria dos países, os downloads em torrent poderiam concorrer com a iTunes Store nos segmentos de música, séries e filmes.

Enquanto isso, já existe aplicativo para Android, o sistema de código aberto do Google, que não só baixa arquivos a partir de sites de compartilhamento (o que o iPhone OS não permite), como também usa a câmera do aparelho para ler o código de barras de embalagens para descobrir o nome do filme, CD ou DVD em questão e iniciar o download automagicamente. [Pocket-Lint]

A Microsoft planeja lançar uma loja de aplicativos para o Zune HD. E isso foi descoberto da pior maneira possível: durante uma demonstração do aparelho nesse fim de semana em uma loja da Best Buy, nos Estados Unidos.

Uma funcionária da loja demonstrava as novas funcionalidades do Zune HD, com tudo aquilo que a gente já conhece. Em dado momento, ela entregou o mp3 player para que o próprio consumidor, que filmava tudo, fizesse uma experimentação mais “intimista”. Assim que ele colocou os dedos na tela touchscreen do Zune HD, acessou direto o Marketplace e pôde conferir que apps estariam disponíveis.

App no Marketplace do Zune HD.

App no Marketplace do Zune HD.

Ao perguntar para a funcionária sobre a venda de aplicativos, ela confirma dizendo que realmente serão vendidos através do Marketplace. Essa funcionalidade já era esperada mas até então não havia sido confirmada pela Microsoft. Agora sim, com certeza, sabemos que a empresa está tramando uma concorrente da App Store, da Apple (ou quase isso). [Electronista]

Tanto a Apple quanto a operadora AT&T fizeram declarações hoje acerca da investigação da FCC, agência norte-americana que regula e fiscaliza o setor de telecomunicações, sobre a proibição da entrada do Google Voice na App Store. A AT&T, vendedora exclusiva do iPhone nos Estados Unidos, negou ter qualquer envolvimento com a proibição do aplicativo.

Um dos vice-presidentes da empresa afirmou, em carta à FCC, que a AT&T não foi consultada pela Apple em nenhum momento nem tomou posição com relação ao Google Voice.

“Qualquer consumidor da AT&T pode acessar e usar o Google Voice em qualquer aparelho com acesso à web conectado à rede da AT&T, inclusive o iPhone, ao iniciar a aplicação através do navegador, sem necessidade de usar a App Store da Apple.” – Disse o vice-presidente.

Enquanto isso, a Apple negou que tivesse proibido o Google Voice de entrar na App Store. Segundo a empresa, o aplicativo ainda estaria sob revisão, pois altera a “distinta” experiência de usuário ao modificar a função de telefonia do aparelho e também a interface desenvolvida pela Apple para exibição de chamadas, mensagens de texto e caixa postal.

A empresa aproveitou para confirmar que a AT&T não teve nada a ver com a decisão de proibir (ou de estender o tempo de revisão, segundo eles) do Google Voice na App Store. [Gizmodo]

Na noite dessa quarta-feira (19) a equipe de revisores da Apple liberou o aplicativo do Descolagem para download. Quem quiser poderá baixá-lo gratuitamente através da iTunes Store.

O aplicativo está recheado de informações sobre o evento. Na tela inicial é possível descobrir qual é a proposta do Descolagem e como os encontros acontecem, além de encontrar um resumo do que já aconteceu nos três primeiros Descolagem. Um repositório de fotos oficiais do evento também está disponível.

App do Descolagem para iPhone OS.

App do Descolagem para iPhone OS.

A força do aplicativo, no entanto, está no rastreamento que ele faz na internet em busca da tag #descolagem. Qualquer foto, vídeo ou post com essa tag aparecerá nos índices do aplicativo.

Últimos twits com a tag #descolagem.

Últimos twits com a tag #descolagem.

Para os twitteiros de plantão, o índice do Twitter vai ser uma mão na roda. O próprio aplicativo vai indexar o que é falado no site de microblogging sobre o evento. Se a organização do evento estimula os participantes a tuitar, oferecendo internet sem fio no local, não há porquê não aceitar o convite. O único ponto negativo da funcionalidade de Twitter do aplicativo é que não tem como tuitar a partir dele, então será preciso alternar entre a app do Descolagem e o Tweetie, TweetDeck ou outro cliente do Twitter de preferência do usuário. Uma pena, mas a falta de multitarefa do iPhone OS obriga seus donos a isso.

Flickr, YouTube e blogs com tag #descolagem. (Clique para ampliar)

Flickr, YouTube e blogs com tag #descolagem. (Clique para ampliar)

Os outros índices do aplicativo do Descolagem são de fotos que estejam no Flickr e de vídeos que estejam no YouTube. Como de costume, as fotos e vídeos deverão ter a tag #descolagem para serem localizados. Por último, uma área só com posts publicados em blogs sobre o Descolagem: o usuário clica no título e já é levado diretamente para o post, sem precisar sair do aplicativo e ir para o Safari Mobile.

O Descolagem acontece em 22 de agosto, próximo sábado, no Rio de Janeiro. Pessoas de outras cidades poderão acompanhá-lo através de streaming ao vivo via web e participar principalmente através do Twitter. [via @largman]

palm_pre-menorDesenvolvedores de aplicativos para WebOS podem começar a enviar seus programas para a Palm. A empresa, através de seu blog, convocou na última terça-feira (18) os desenvolvedores para que enviassem seus apps para o assim chamado “programa beta de e-commerce da Palm App Catalog” (os critérios para seleção constam no blog da empresa). A loja online começará a funcionar como beta em meados de setembro para os desenvolvedores selecionados e será aberta a todos desenvolvedores ainda esse ano, afirma a Palm. Inicialmente o uso da loja estará restrita aos consumidores residentes nos Estados Unidos apenas.

Os desenvolvedores poderão enviar aplicativos gratuitos ou pagos, sendo que no caso do último será permitida uma única cobrança por app, a ser paga pelo usuário via cartão de crédito, sendo que 70% da renda será encaminhada ao desenvolvedor e os 30% restantes ficarão com a Palm (de maneira idêntica à App Store da Apple). Para o caso dos aplicativos pagos, a Palm estipulou um preço mínimo de US$0,99. [Palm Developer Network Blog]

É isso mesmo, prezado leitor, cem dólares! Para quem está acostumado a ver aplicativos para iPhone serem taxados de “abusivamente caros” por custar dez ou vinte dólares, esse app da TomTom é praticamente um I Am Rich. Mas deixemos o preço de lado por hora e observemos o produto em si.

Esse aplicativo para iPhone foi lançado na última segunda-feira (17) após uma longa espera. Ele não é o primeiro app a oferecer navegação “curva-a-curva” para iPhone, mas a relevância da empresa no mercado de navegação por GPS fez com que a chegada desse app fosse muito esperada desde seu anúncio em junho, na última WWDC (avance para 1h22min para ver a apresentação do app).

O novo app da TomTom: Nada de Brasil ainda...

O novo app da TomTom: nada de Brasil ainda...

Em termos de funcionalidades, o aplicativo se assemelha bastante a qualquer outro aparelho de navegação automotiva por GPS. Uma das funcionalidades mais interessantes, porém, é a chamada IQ Route, que consiste em estimativas de tempo de chegada baseada em dados coletados anonimamente dos próprios usuários do TomTom, para um resultado mais próximo da realidade.

A empresa pretende lançar um kit que incluiria uma base para anexar o iPhone ao pára-brisa (com alto falante, GPS próprio e carregador para o iPhone embutidos) bem como o próprio aplicativo. O rumor é de que o kit custará cerca de US$200.

O aplicativo pode ser encontrado na iTunes App Store por valores que vão de US$80 (mapas da Austrália) até US$140 (mapas da Europa Ocidental), sendo US$100 o valor dos mapas para EUA mais Canadá. Apesar do português ser um dos idiomas disponíveis para esses apps, ainda não houve menção a qualquer versão do app feita para as ruas brasileiras. [PCWorld]

As quatro versões disponíveis do aplicativo

As quatro versões disponíveis do aplicativo

Na última segunda-feira (17) foi anunciado pela Research In Motion o lançamento de sua loja de aplicativos para BlackBerry, a BlackBerry App World, no Brasil.  A loja também foi lançada na Argentina, Chile, México e Venezuela.

A loja de aplicativos da RIM é inaugurada no Brasil

A loja de aplicativos da RIM é inaugurada no Brasil

A nova loja funciona em moldes similares à bem sucedida iTunes App Store (para iPhone e iPod Touch). Está organizada em categorias (negócios, entretenimento, jogos, notícias, etc); apps em destaque; apps mais populares gratuitos; apps mais populares pagos; e as novidades da loja. Os aplicativos baixados ficam armazenados tanto na memória interna do aparelho quanto em cartões removíveis, sendo facilmente encontrados através da pasta dedicada “My World“.

A loja iniciará com programas gratuitos apenas, mas futuramente deve passar a vender aplicativos pagos. “Estamos lançando a BlackBerry App World com uma sólida seleção e esperamos trabalhar com nossos parceiros para oferecer aplicativos que se adaptem às necessidades dos nossos clientes”, disse Jim Balsillie, co-CEO da RIM.

A loja pode ser utilizada por BlackBerrys com trackball, touchpad ou touchscreen, observando-se o uso da versão 4.2 ou mais recente do sistema. Acesse a partir dos endereços www.blackberry.com/appworld ou mobile.blackberry.com. Por enquanto, a loja está disponível apenas em inglês e espanhol, mas até o final do ano a versão em português deve ficar pronta. É importante verificar também a disponibilidade de idiomas de cada aplicativo individualmente. [IDG Now!]