Início » Negócios » Google compra suite de escritório Quickoffice

Google compra suite de escritório Quickoffice

Quickoffice tem versões para Android, iOS e Symbian e será integrado ao Apps.

Por
6 anos e meio atrás

O Google nem acabou de comprar o serviço de bate-papo Meebo e já foi fazer a feira novamente. Dessa vez, a gigante de Mountain View anunciou a aquisição da empresa que desenvolve a suite de aplicativos Quickoffice. O valor da transação não foi divulgado, mas considerando que o Quickoffice Pro para Android possui entre 100 mil e 500 mil instalações e uma licença custa entre R$ 30 e R$ 40, podemos dizer que vários milhões de dólares saíram dos cofres da empresa comandada por Larry Page.

O anúncio foi feito por Alan Warren, diretor de engenharia do Google. Alan afirma que a suite será mais integrada com os produtos da empresa: “Hoje, usuários, empresas e escolas utilizam o Google Apps para fazer seus trabalhos de qualquer lugar, com qualquer pessoa e em qualquer dispositivo. O Quickoffice tem um bom histórico em permitir a interoperabilidade com os principais formatos de arquivos, e nós estaremos trabalhando para trazer sua poderosa tecnologia para a nossa suite de produtos Apps”.

Quickoffice: agora powered by Google.

O Google é conhecido por comprar empresas e disponibilizar gratuitamente produtos que antes eram pagos. Foi assim com o Analytics, derivado do caro Urchin, e com a tecnologia por trás do freemium Picnik, que foi implementada no Picasa. Apesar disso, ainda não há indícios de que os US$ 14,99 cobrado pelo Quickoffice para smartphones ou os US$ 19,99 na versão para tablets sejam zerados tão cedo.

Ainda não sabemos exatamente como o Quickoffice ajudará o Google, mas a enorme base de usuários da suite (são mais de 300 milhões de instalações) deve contribuir bastante com novos clientes, especialmente corporativos, no Google Drive. Além disso, com rumores sobre um possível Microsoft Office para iOS chegando no fim do ano, o Google ganha um produto para entrar na briga de suites de escritório mobile. Quais são suas apostas?