Como esperado, o Google apresentou hoje durante o evento para desenvolvedores Google I/O a próxima versão do seu sistema móvel Android. Ele é mesmo chamado Jelly Bean e tem o número de versão 4.1, como mostraram os vazamentos anteriores. O Nexus 7 tablet, que foi anunciado hoje, já vem com o sistema instalado. E ele vem com uma leva de novidades em relação ao Android Ice Cream Sandwich.

Para melhorar experiência do usuário no Android, o Google criou o chamado Project Butter para deixar ela “rápida, fluída e suave”. Uma das ações que foram tomdas nesse projeto é criar um chamado Buffering triplo, que permite que a GPU, CPU e demais componentes acessem os componentes de maneira única, dentre outros. E aliado a isso, o suporte à telas sensíveis ao toque agora conta com um sistema que prevê onde o dedo vai tocar para tornar. O vídeo abaixo mostra as principais melhorias nessa área.


(Vídeo no YouTube)

O gerenciamento de widgets recebeu novidades. Agora quando uma widget é alterada de tamanho, ela automaticamente se encaixa ao redor dos ícones numa determinada tela. E para excluí-la da tela, basta fazer o gesto de jogar para cima que ela automaticamente some. E quando você acha que a notória barra de notificações do Android não poderia ficar melhor, no Jelly Bean ela ganha ações estendidas. Desenvolvedores vão poder implementar ações nos avisos dos seus aplicativos, como por exemplo, expandir um email para lê-lo por inteiro sem abrir o aplicativo.

O Jelly Bean também vem com um teclado virtual mais preciso, com um algorítimo de previsão de texto capaz de adivinhar melhor qual palavra o usuário quis digitar. Essa área também ganhou uma novidade no reconhecimento de voz, que passou a ter suporte offline. Ele reconhece e escreve palavras (por enquanto apenas em inglês) sem a necessidade de uma conexão de dados. Outra novidade no campo de teclados (tanto o virtual como os conectados por Bluetooth) é o suporte a outros padrões como Dvorak.

Embaixo do capô as melhorias continuam. O Android 4.1 recebe um Android Beam melhorado, que agora tira proveito não só do WiFi Direct e NFC como bluetooth também. O acesso a codecs no sistema também fica mais fácil agora que aplicativos podem descobrir quais estão disponíveis em um aparelho específico e tirar proveito melhor delas. E por último mas não menos importante, o navegador do Android Jelly Bean tem melhorias de HTML 5, renderização mais rápida e melhor suporte à engine V8 de JavaScript.

Uma ótima novidade aos desenvolvedores são os Smart App Updates, ou “atualizações inteligentes de aplicativos”. Quando um aplicativo for atualizado, o Google vai enviar a um dispositivo apenas os bits que mudaram nesse aplicativo, o que deixa a atualização incrivelmente mais leve (segundo o Google, isso pode reduzir o tamanho de atualizações, em média, para 1/3 do total). E isso vai também economizar bastante de banda para quem adora atualizar seus aplicativos via 3G.

Os primeiros a receberem o update para o Android 4.1 Jelly Bean serão, obviamente, os aparelhos vendidos com a experiência pura do Android: Galaxy Nexus, Motorola Xoom e Nexus S. Essa atualização vai ser disponibilizada via OTA a partir da metade de julho, segundo um post do grupo oficial do Android no Google+.

Outras novidades, voltadas para o consumidor final, estão disponíveis nessa página. Já algumas voltadas apenas para desenvolvedores, estão disponíveis nessa outra página.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Thayane Gomes
o meu celular também já abre antes de eu tocar na tela ,mais isso só de vez em quando ,eu achava que era virus ou algo do gênero ,Bom saber que faz parte dele
@
a diferença e que antes que você toque na tela ele ja abre!
Julio Riva
Se eu atualizar meu tablet para essa versão vou perder o reconhecimento de voz em português?
Ronnie
Só eu que não consigo "mover" os ícones dos aplicativos dentro da área onde eles ficam?? Outra... não consigo fazer vídeo chamada!! alguém consegue??
Till
Enquanto isso, a (extinta) Sony Ericsson segura o 4.0 pros aparelhos da linha 2011. Meu Live Walkman aguarda ansiosamente...
@eubrunno
Meu deus.. o que esse comentário quis dizer??
Ramon Melo
Não sei, tem muita coisa simples no Android que as fabricantes estragam.
@mundodcr
Se lançarem o update de ICS pro meu S2 Lite eu pulo de alegria \o/ JB só nos Cyanogens da vida...
Kessler
Pesquisando aqui rapidamente é consenso que funciona, só tem que formatar ele pra FAT32. A diferença do SIII é que ele suporta exFAT, que é o sistema de arquivos padrão dos cartões SDXC.
Ramon Melo
Aí não sei, prefiro não arriscar. Me parece que, se o aparelho suportasse nativamente e sem gambiarra, a própria fabricante teria um certo orgulho de mostrar isso. Fora que a diferença de preço entre o de 32GB e o de 64GB está bem grande, por enquanto. Não está valendo a pena hoje em dia, junho de 2012. Talvez a coisa mude até o fim do ano.
Ramon Melo
Sim, assisto. Sim, escuto. Se a tecnologia existe e me é acessível, por que não usá-la? Se você soubesse quanto tempo demora para transferir 10GB do computador para o celular via USB, entenderia a falta que um cartão de memória faz. Fora que esse discurso parece que veio da Apple: "você não precisa disso", "16GB é suficiente" (sic), "você está segurando o aparelho errado"...
Kessler
Só a Gameloft roubou uns 5GB do meu cartão, aqueles bandidos!
Kessler
Se não me engano qualquer aparelho que suporta os de 32GB suporta os de 64GB. Pelo menos há diversos relatos de aparelhos mais antigos funcionando com os de 64GB.
Forbidden_404
Você assiste 8 episódios em sequência? Você escuta 100 músicas no mesmo dia? É esse o problema, se você quer um dispositivo de armazenamento, aí sim... Mas um celular? 16gb é suficiente. E tipo, no ICS, os 16gb são contados, então você sabe quanto ele tem realmente de espaço, mas é claro que tem a parte do sistema, só que essa parte não deve gastar nem 2gb
Ramon Melo
Não entendi. Ele vem com 16GB só para o usuário, é isso? Eu continuo achando pouco. Cada episódio de seriado em 720p chega a 1,5GB, cada música em FLAC chega a 50MB. Fora os apps, que são leves mas são muitos, as fotos, os vídeos da câmera, os downloads. E ainda tem que deixar 1GB livre para evitar a lentidão do Android. No meu Galaxy Player, estou com 24GB (8GB internos mais 16GB do cartão de memória) e me sinto limitado. O cartão é pequeno porque era o que eu utilizava no PSP em 2009, na época não existia nada maior. 8 episódios de CSI e o espaço do cartão foi para a cucuia. É desperdício ter um dual-core de quase 5" na mão e não usá-lo para consumir conteúdo de alta definição. Aí, quando lembro que o SIII aguenta 128GB dentro de si, o Nexus fica parecendo mau negócio.
Exibir mais comentários