Início » Brasil Web » Canal no YouTube monta acervo (ilegal) de filmes brasileiros completos e raros

Canal no YouTube monta acervo (ilegal) de filmes brasileiros completos e raros

Por
5 anos e meio atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Um canal no YouTube vem causando polêmica. Lá há mais de 150 filmes brasileiros completos. Obras raras, como “Cabra marcado para morrer”, que, de acordo com O Globo, sequer foi lançado em DVD. Um verdadeiro acervo de conteúdo genuinamente nacional concentrado em um só canal. Há apenas um problema: os conteúdos ali não foram devidamente licenciados para exibição na internet. São ilegais.

Há mais de 229 horas de produção nacional escolhida por um filósofo e jornalista que escreve sobre cinema no blog A Casa de Vidro. Eduardo Carli, o autor, disse ao jornal carioca que não sabe até que ponto a pirataria interfere na vendagem de grandes produções como “Avatar” ou “Batman – O Cavaleiro das Trevas”. No canal dele também tem “Tropa de Elite 2”, um filme muito antecipado depois que o primeiro da franquia pipocou nos camelôs antes de chegar às salas de cinema. Ainda assim, foi um sucesso.

“Amarelo Manga”, “Carlota Joaquina: Princesa do Brasil” e “VIPs” entre os filmes listados

Outro ponto curioso do canal diz respeito à ausência de uploads. Sim, é isso mesmo: Carli não enviou nenhum dos vídeos para o site, propriedade do gigante Google. O canal “Filmes Brasileiros Completos” funciona como uma lista de reprodução. O autor garimpou e encontrou as produções completas no próprio YouTube. Fez a lista e publicou. Entretanto, ele diz que não foi responsável por qualquer dos conteúdos. Já estavam ali.

O Google respondeu o seguinte em nota, ainda segundo o jornal:

“O YouTube não é o responsável pelos vídeos publicados na internet, oferecendo apenas uma plataforma tecnológica sobre a qual milhões de pessoas criam e compartilham seus próprios conteúdos. O Google acredita que essa liberdade de expressão é um dos fatores que tornam a Internet tão rica e útil para a sociedade. Os casos de uso indevido dessa liberdade, como material com copyright, são punidos com a remoção dos conteúdos ilegais identificados e sinalizados pelo dono de seus direitos, mas o Google não exerce controle prévio sobre os conteúdos criados pelos usuários nem fará o papel de polícia ou de juiz em relação a eles.”

De fato, o site de vídeos não é responsável pelos vídeos publicados na internet. Entretanto, até onde a nossa legislação vai, parece que existe a dúvida sobre a responsabilidade do Google para conteúdos publicados em plataforma própria, o YouTube. A situação difere daquela em que a apresentadora Xuxa pedia para o buscador remover imagens do resultado de busca – ela perdeu e o Google não controla o que é publicado na internet; já no YouTube sim.

Content ID, uma tecnologia criada pelo YouTube, faz as vezes de “controle prévio” do conteúdo publicado. Identifica áudio e vídeo e os transforma numa espécie de impressão digital única que é checada a cada novo upload. Conteúdos de terceiros são rapidamente identificados, desde que a empresa detentora dos direitos autorais mantenha contato com o site de vídeos e seja adepta do Content ID.

Content ID detecta conteúdo de terceiros

Content ID detecta conteúdo de terceiros

Por exemplo, um simples vídeo de divulgação de Mists of Pandaria, a continuação de World of Warcraft, rendeu um aviso no canal do Tecnoblog no YouTube: “Corresponde ao conteúdo de terceiros”. Só não sabem que temos autorização da Blizzard para reproduzir o vídeo. Diferentemente, ao que tudo indica, daqueles filmes nacionais – e alguns internacionais, organizados em outro canal – que Carli agrupa no YouTube.

Vejamos o que acontece a partir de agora. Alguns vídeos foram excluídos da playlist.

Mais sobre: ,