Início » Computador » Inovação chinesa: computadores com malware de fábrica

Inovação chinesa: computadores com malware de fábrica

Computadores novos vêm com malware que espiona o usuário e faz ataques DDoS.

Paulo Higa Por
7 anos atrás

Não é chato quando você compra um computador novinho e ele chega com um Windows lento e cheio de programas inúteis pré-instalados pelo fabricante? A partir de agora, isso não será tão ruim se você lembrar que criminosos estão instalando malwares em computadores na China antes mesmo das máquinas saírem das fábricas.

Pesquisadores da Microsoft compraram 20 notebooks e desktops novos na China. Após uma análise, descobriram que quatro deles vinham com malware pré-instalado de fábrica. Um dos malwares é o Backdoor.Nitol, um trojan que captura informações sensíveis e utiliza a conexão do usuário para fazer um ataque DDoS. Esses computadores eram controlados por servidores nas Ilhas Cayman.

O diretor de segurança na Europa da FireEye comentou que os usuários podem estar sendo espionados também. "De acordo com a Microsoft, um dos malwares era capaz de ligar remotamente a webcam e o microfone de um computador infectado, o que representa um sério problema de espionagem para consumidores e empresas", disse o executivo.

Como você deve saber, na China a pirataria também rola solta: todas as máquinas estavam com uma instalação pirata do Windows, o que muito provavelmente contribuiu para aumentar a porcentagem de máquinas infectadas. Alguns desses malwares podem nem ter sido instalados por fabricantes, mas por criminosos de fora da empresa.

As descobertas da Microsoft foram reveladas em um documento entregue a um tribunal federal do estado da Virginia, nos EUA. O documento é parte de um processo que a Microsoft está movendo contra um empresário chinês chamado Peng Yong. Segundo a Microsoft, Yong é dono do domínio 3322.org, que hospeda um grande número de vírus. Com mais de 500 tipos de malwares, a Microsoft diz que este é o maior repositório de softwares infectados já encontrado pela empresa.

Com informações: The Guardian.