Início » Mobile » Ubuntu Phone – Por que a plataforma móvel da Canonical merece sua consideração e respeito

Ubuntu Phone – Por que a plataforma móvel da Canonical merece sua consideração e respeito

Por
6 anos atrás

Anunciado logo no segundo dia do ano, o Ubuntu para smartphones chamou a atenção não apenas por ser um sistema operacional Linux, mas também por possuir conceitos a princípio interessantes e por ser a primeira solução envolvendo uma integração muito maior entre celulares e computadores. Mas será que o Ubuntu para smartphones consegue fazer algum sucesso, ou será apenas mais um a figurar entre os sistemas para celulares a morrer esquecido e sem usuários?

phone-photo-hero-561x323

Este artigo se propõe a analisar a questão levando em conta as vantagens do sistema e as dificuldades que ele vai encarar se quiser competir com os gigantes do mercado – o Android do Google e o iOS da Apple, entre outros.

Enfrentando o andróide e a maçã

Antes de mais nada, é preciso entender o mercado atual de sistemas operacionais para celulares. De um lado temos a Apple, que se reinventou a partir do iPod e foi deixando o mercado de PCs de lado, preferindo investir (e tendo mais lucro) com dispositivos móveis, como o iPhone e o iPad. Com design elegante e sistema que foca na simplicidade, os poucos dispositivos com iOS existentes no mercado ganharam um status social entre os usuários de celular. É chique ter um iPhone ou um iPad – lucro certo para a empresa.

Do outro lado temos o Google, gigante das buscas que percebeu o potencial do mercado móvel e partiu pra cima com o Android, um sistema operacional livre e disponível para qualquer empresa usar. Ao contrário do iOS, disponível apenas para o hardware que a Apple produz, o Android pode ser usado por qualquer fabricante, em qualquer hardware e é facilmente customizável. Essa facilidade de produção, aliada aos diversos modelos do mercado e principalmente às diversas opções de preço, tornou o Android um sistema operacional que funciona tanto para o mercado desenvolvido quanto para o mercado emergente. Com isso, o Google se tornou líder em dispositivos móveis. O buscador espera, um dia, ver seu sistema operacional se tornar lucrativo quando as pessoas passarem a usar apenas os serviços da empresa para pesquisas, compras e etc.

Por fim, temos as outras iniciativas que não fazem sequer cócegas nos dois sistemas citados acima. Microsoft e RIM tentam ano após ano emplacar seus sistemas, mas a verdade é que, no momento, todas brigam pelo terceiro lugar. E é nesse cenário, com o Android sendo o sistema operacional móvel mais popular e o iOS como o mais lucrativo, que o Ubuntu chega.

É muito difícil imaginarmos um cenário em que o Ubuntu consiga tomar o mercado tanto do Android quanto do iOS. Mas, como já dissemos, a não ser que algo abale os pilares do mercado de dispositivos móveis, ainda teremos a Apple e o Google como os gigantes do mercado por mais alguns anos. A briga é pelo terceiro lugar.

Para tudo e todos

Por mais que Android e iOS possuam usuários fanáticos, aqueles que dificilmente trocariam seus sistemas, a verdade é que o mercado no geral é mais volátil. Parcela dos consumidores com certeza deseja um aparelho que seja personalizável, com a cara do dono. Outros querem um sistema hackeável. Ainda tem quem queira: aparelhos baratos; aparelhos diferentes; aparelhos que resolvam problemas existentes nas duas plataformas mais utilizadas. E tem ainda o grupo de jovens que ainda não se identificou com nenhum sistema ou simplesmente deseja algo diferente do que a maioria vem usando.

O Ubuntu, ao que tudo indica, consegue atender a maioria desses usuários. Pode ser que sua força esteja neste quesito.

De começo, o Ubuntu é um sistema para celulares que roda Linux (assim como o Android) mas, ao contrário deste, ele não depende de uma máquina virtual Java. Isso garante uma experiência muito mais fluida e rápida mesmo em aparelhos mais simples. Ao remover a camada do Java, a Canonical conseguiu um sistema que deve rodar bem tanto em aparelhos de baixo custo quanto em aparelhos topo de linha. Países em desenvolvimento têm muito a ganhar com isso.

Por ser um sistema operacional Linux e por já possuir por padrão várias opções de customização (das quais falaremos adiante), o Ubuntu permitirá ao usuário modificar o aparelho das formas mais diferentes. Não se trata apenas da troca do papel de parede ou da música quando alguém liga; estamos falando da organização das informações e da maneira de utilizar o aparelho.

Desenvolvedores e usuários avançados podem cogitar a aposentadoria do notebook ou do PC. Um simples dock plugado no celular e num monitor transformam a plataforma no bom e velho Ubuntu de sempre, com o Unity rodando. Carregue sempre com você um teclado e um mouse com conexão Bluetooth e pronto, você consegue trabalhar de qualquer lugar.

ubuntu-dock

Seu PC, no seu bolso (bom, quase, o monitor não cabe no bolso e tal…)

Essa junção entre a experiência do usuário de smartphones e desktop é outra possível vantagem do Ubuntu. Vejam, hoje quando pensamos em Apple temos o OS X, o iOS e o sistema da Apple TV, que, embora estejam se tornando mais parecidos, ainda exigem uma curva de aprendizado diferente para cada aparelho. O mesmo acontece com o Google, que possui o Android para celulares e tablets, o Chrome OS para PCs e a Google TV. A mais próxima de conseguir uma experiência parecida é a Microsoft, com o Windows Phone e o Windows 8 seguindo padrões parecidos (mas ainda assim com diferenças importantes).

A Canonical com o seu Unity está conseguindo criar um ambiente que funciona tanto no smartphone, no PC e na TV da sala. A curva de aprendizado de quem decidir por usar o sistema em lugares diferentes será mínima. Usuários mais velhos que vivem ser perdendo em sistemas diferentes agradecem.

Desliza para lá, desliza para cá

Para ser diferente e chamar a atenção dos possíveis novos usuários, a Canonical resolveu criar um sistema operacional em que as bordas da tela têm funções específicas. Assim, você controla melhor o aparelho sem depender de botões. Quer ver uma lista dos programas que você mais usa? Deslize o dedo da esquerda para a direita e uma lista (muito parecida com o lançador do Unity, aliás) de aplicativos aparece. Você pode customizar essa lista como quiser, e assim ter um aparelho em que seus aplicativos prediletos estão a menos de dois cliques/toques de distância. Deslize o dedo da direita para a esquerda e você acessará rapidamente o último aplicativo que você abriu. Deslize mais uma vez e você acessará o segundo, e assim por diante.

Os menus dos programas ficam escondidos na parte de baixo, aparecendo apenas quando você desliza o dedo (famoso movimento de swipe) de baixo para cima. Isso permite usar melhor a tela, sem sacrificar pixels importantes para exibir botões o tempo inteiro. A mesma coisa acontece na barra de status logo acima: é possível ocultá-la e fazer aparecer com um movimento de cima para baixo. Aliás, a barra de status no topo tem um detalhe especial: cada ícone (como Wi-Fi, hora, Bluetooth etc.) é um menu a parte, que pode ser acessado passando o dedo em cima do ícone de cima para baixo. Cada detalhe do seu celular pode ser customizado direto da barra de status, sem precisar entrar no menu de configurações.

Screen Shot 2013-01-04 at 11.43.43 AM

A tela de bloqueio no Ubuntu se chama “tela de boas vindas” e foi desenvolvida para trazer informações personalizadas. Sabe esse círculo no meio da tela? Ela vai mostrando atualizações, notificações e informações importantes. Emails não-lidos, mensagens do Facebook, ligações não atendidas, e muito mais pode ser colocado ali. Além do mais, mesmo que você insira alguma senha na tela de boas vindas, o menu de programas do lado esquerdo continua permitindo fácil acesso aos programas mais utilizados.

O sistema de busca do Ubuntu para smartphones também merece nota. Assim como acontece no Unity, uma busca vai tentar mostrar aplicativos, músicas, filmes, arquivos no celular e na nuvem, qualquer coisa que bata com a busca. Assim, usuários podem encontrar muito mais rapidamente aquilo que desejam.

No vídeo abaixo feito pelo Verge é possível ver uma versão ainda em desenvolvimento do sistema mas que já traz todos esses recursos

Legal, mas vai ter aplicativo?

Assim como o Firefox OS da Mozilla, o Ubuntu para smartphones permitirá aplicativos em HTML5. Ou seja, a vida dos desenvolvedores promete ser muito mais fácil, garantindo uma rápida adesão ao sistema. Além disso, o Ubuntu também permitirá aplicativos nativos para desktop, e com modificações rápidas no código-fonte o desenvolvedor conseguirá deixar o mesmo aplicativo com funções próprias para a visão em celular e no desktop.

No geral, ainda é cedo para dizer se teremos muitos aplicativos no Ubuntu. Desenvolvedores só vão se interessar se houver um número mínimo de usuários, e se isso vai ou não acontecer depende de muitos outros fatores. Mas a facilidade de desenvolvimento garante a todos que queiram investir no Ubuntu um retorno sem muito esforço.

O que a Canonical ganha com isso?

Usuários, oras! A Canonical já possui um sistema de armazenamento de arquivos (o Ubuntu One), um sistema de venda de músicas (o Ubuntu Music) e mais um sem mundo de serviços que geram algum valor, como suporte a empresas e usuários. Ao ampliar sua área de negócios para o mercado móvel a Canonical garante abocanhar mais um tanto de usuários e com isso garantir que mais e mais pessoas usem seus outros serviços.

O mercado móvel vem crescendo cada vez mais e é comum vermos tablets e smartphones gigantes substituindo notebooks e PCs. Esse é um mercado do qual todo mundo quer uma fatia. A Canonical já tem uma boa base de serviços agregados para oferecer.

Almejado sucesso

Sinceramente, é dificil dizer se fará sucesso. Como já disse logo no começo do texto, a briga não é pelo primeiro ou segundo lugar, mas pelo terceiro. O Ubuntu mostrou ter vantagens para os fabricantes e para os desenvolvedores, além dos usuários. Por rodar de forma parecida com o Android, o Ubuntu pode ser instalado nos mesmos aparelhos, e com isso os fabricantes podem aderir rapidamente, até mesmo pela facilidade de customização, sem falar que alguns requisitos de hardware são anulados graças à ausência do Java.

Desenvolvedores não terão problemas para adaptar seus aplicativos para o sistema e os usuários poderão ter um sistema rápido, simples e de fácil customização, além de provavelmente pagar muito menos do que pagariam num iPhone ou num Android topo de linha.

O fato do Ubuntu para smartphones só ser lançado oficialmente em 2014 também é um problema. Até lá, ainda teremos o Firefox OS entrando na competição e com certeza Apple e Google não ficarão parados, trazendo novas versões dos seus sistemas com recursos diversos. A história provavelmente seria outra se a Canonical anunciasse o Ubuntu Phone e smartphones rodando o sistema ao mesmo tempo. Claro, logo será possível instalar o Ubuntu em diversos aparelhos com Android, mas convenhamos, isso não é tarefa para o usuário comum.

De qualquer forma, a Canonical tem grandes chances de ser mais um player no mercado de dispositivos móveis. O que foi visto até agora do Ubuntu para smartphones mostra um sistema estável e cheio de recursos interessantes. Só nos resta esperar e ver como os usuários reagem.

(Texto atualizado às 15h03)