Início » Comportamento » Aaron Swartz, ativista da internet livre e programador, comete suicídio aos 26 anos

Aaron Swartz, ativista da internet livre e programador, comete suicídio aos 26 anos

Jovem era acusado de furtar artigos acadêmicos do MIT

Por
7 anos atrás

foto_aaron-swartz

O universo da computação ficou mais triste na sexta-feira (11). Aaron Swartz, um reconhecido programador e ativista da internet livre, cometeu suicídio em Nova York, nos Estados Unidos, de acordo com informações reveladas pelo tio no sábado. Swartz tinha 26 anos. Seu currículo de serviços prestados à rede mundial de computadores inclui participação na criação do RSS e fundação do Reddit por meio de uma startup adquirida pelo site.

Swartz respondia a um processo criminal na justiça estadunidense depois de ser indiciado por furtar artigos acadêmicos do sistema eletrônico do renomado MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts na sigla em inglês). Ele modificou IP e MAC Address do computador para baixar “milhões” de documentos do sistema acadêmico do MIT. Caso condenado, poderia ficar até 35 anos cumprindo pena na cadeia.

O hacker (daqueles que fazem coisas boas) teve participação importante para a criação de especificações do RSS, formato de distribuição de conteúdo na rede disponível até hoje. Nós usamos a tecnologia aqui no site. Aaron tinha 14 anos quando participou desse desafio. Também auxiliou na concepção do Creative Commons, formato de licenciamento de conteúdo pela rede, e esteve na fundação da empresa que mais tarde viria a se tornar o Reddit, espécie de fórum no qual os usuários publicam links para votação dos demais internautas.

“Esse é um trágico fim para uma vida breve e extraordinária”, disse Peter Eckersley, da instituição para defesa dos internautas Electronic Frountier Foundation (EFF). O diretor de projetos tecnológicos conta que Aaron tinha dificuldade de lidar com o ambiente social em torno dele, ainda que o achasse fascinante. Também diz que certa vez o hacker confessou ficar mais confortável lendo livros do que conversando com outras pessoas. Tenho certeza de que alguns leitores do TB se verão nessa declaração.

Aaron sofria de depressão e chegou a abordar o assunto no blog dele. Descreveu da seguinte forma: “Sair de casa e respirar algum ar fresco ou ganhar o afago de alguém querido e não se sentir nada melhor, apenas mais triste em não poder sentir a alegria que todo mundo sente.” Ao fim do texto, ele pede desculpas por não produzir mais coisas e ainda brinca dizendo que “pelo menos” tem um bom plano de saúde.

Larry Lessig, um dos fundadores do Creative Commons, considera que as autoridades americanas exageraram nas investigações e no bullying (palavra dele) contra Aaron. Professor Lessig mostrou-se contrário à invasão e download dos arquivos do MIT.

Com informações da Wired.com. Atualizado em 13/01/2013 00h28.