Início » Internet » E foi assim que eu viciei no Last.fm

E foi assim que eu viciei no Last.fm

Thiago Mobilon Por
12 anos atrás

Acho que nunca comentei por aqui que sou viciado em estatísticas. É um tal de ficar o dia inteiro vendo visitas, ganhos, somando os dois, dividindo os dois, cruzando dados... Aliás, esse deve ser um mal de todo blogueiro.

Nas últimas semanas, eu estava viciado era em um recurso do iTunes, o "Top 25 Most Played". Como o nome sugere, é uma lista que mostra as 25 músicas mais tocadas de todos os tempos.

Foi aí que uma coisa foi me levando a outra, e eu descobri que um certo site faz algo similar, e usa essas informações para cruzar um monte de dados (gostei desse termo) de dezenas de formas.

Dããã, pega esse Mobilon chegando atrasado na parada.

Pois é, eu nunca tinha usado o tal do Last.fm. Mas aposto que além de mim, muita gente também ainda não o fez.

Voltando ao assunto, digamos que eu expandi meus horizontes, digo, o vício. Se antes eu tinha uma listinha de 25 músicas, agora eu tenho uma tabela que me mostra as músicas e bandas que eu mais ouço. Eu ainda posso visualizar isso por períodos como: última semana, últimos 6 meses, etc.

Qual a utilidade disso? No iTunes nenhuma, mas em uma rede social como o Last.fm é deveras interessante. Por exemplo, quando você acessa o perfil de outra pessoa, ele te dá o grau de compatibilidade musical entre você e ela (ou ele, whatever). E conforme você vai ouvindo mais músicas, seus vizinhos musicais são encontrados dentro da rede, e exibidos na sua sidebar.

Outra coisa bem bacana, são as bandas relacionadas. Ao acessar o perfil de algum artista, o Last.fm lhe mostra uma lista de artistas com um som mais ou menos igual. Por trás deste recurso, não há um robozinho comparando os espectros, é um esquema todo colaborativo, que vai sendo treinado conforme o pessoal ouve mais músicas, e adiciona tags às mesmas.

É claro que assim como em qualquer rede social, nesta você também pode adicionar seus miguxos, entrar em grupos e enviar recados. Aliás, você pode ter até seu próprio blog dentro do Last.fm. Só tente imaginar quanta coisa legal dá pra fazer, quando se junta todos esses recursos com os dados musicais de milhões de usuários.

O Last.fm também funciona como um excelente canal de divulgação para bandas e gravadoras. Isto porque, além de indicar músicas novas aos seus usuários baseando-se no que eles gostam de escutar, o site também dá a oportunidade de conhecer tudo ali mesmo, através de streaming de audio. No momento só é possível escutar um trecho de 30 segundos de cada música, mas muito em breve será possível ouvir as músicas inteiras direto do site. Cool, isn't it?

Tal recurso já está sendo testado nos Estados Unidos e na Inglaterra. E para não infringir nenhum direito autoral, irá remunerar os artistas e gravadoras, de acordo com o número de execuções de cada faixa. Aliás, um belo modelo, já praticado porcamente aqui no Brasil pelo Trama Virtual.

Tenho que dizer, é a melhor forma que encontrei até hoje de conhecer novas bandas, checar as discografias, nome das faixas, etc. Tudo muito bem organizado, com um layout agradável, e o melhor de tudo, se baseia na tal sabedoria das multidões.

Mas como nada é perfeito, tenho que comentar. Esteja preparado para comprar um HD novo, irá precisar. 😀