Início » Comportamento » Nossa Matrix tem céu e inferno: as redes sociais e os portais noticiosos

Nossa Matrix tem céu e inferno: as redes sociais e os portais noticiosos

Por os anônimos raivosos destilam seu ódio, inveja e recalques?

Avatar Por

Escolha a pílula

Estamos habituados a nos referirmos ao mundo virtual como a "Matrix". Muita gente anseia desesperadamente pelo momento do dia em que farão login em seu universo paralelo.

No último fim de semana, cheguei à conclusão que mesmo a Matrix não é uma só. Ela tem duas versões, "Matrix Céu" e "Matrix Inferno".

O céu são as redes sociais. Todos são lindos, inteligentes, espirituosos. São preocupados com causas sociais, engajados e imensos respeitadores do próximo – pelo menos a julgar pelos milhões de frases de auto-ajuda compartilhadas à exaustão diariamente no Facebook.

O inferno são as seções de comentários dos portais noticiosos. Basta pegar notícias de grande repercussão, como ações policiais, sociais e políticas.

Jornalistas ficam confusos quando precisam de um "termômetro virtual" para saber o que a população acha de determinados acontecimentos. Foi assim com a desocupação da cracolândia e com a internação compulsória de viciados. A população de São Paulo é contra ou a favor?

Nas redes sociais as pessoas estavam piedosas, cobrando atitudes do poder público. Nos portais, preconceituosas, reacionárias e até fascistas! Afinal de contas, qual é o mundo real? O que as pessoas realmente pensam?

Vejam bem: não estou querendo aqui pautar o certo e o errado. Você pode considerar correta ou não a internação compulsória de viciados em drogas. Achar que dependentes químicos precisem de ajuda além de sua vontade própria, ou que tal atitude é uma bondade disfarçada, regida pela especulação imobiliária.

Pontos de vista

Presidente Dilma abraça familiares de vítimas da tragédia em Santa Maria (foto: Presidência da República / divulgação)

Presidente Dilma abraça familiares de vítimas da tragédia em Santa Maria

A questão é a virulência das opiniões e os argumentos utilizados para defender pontos de vista.

Até tragédias podem nos surpreender, como o incêndio da boate em Santa Maria. O tema parece unanimidade, não? Quem não se comove com a morte brutal e irresponsável de duas centenas de jovens? Pois bem, houve quem alegasse que morrer ao sair para se divertir numa casa noturna fosse castigo divino. Houve quem achasse que a tragédia poderia ter acontecido em estados pobres, mas não no RS. Houve quem achasse um "desperdício" serem universitários, que gente com grau de escolaridade menor faria menos falta!

Opinião é uma coisa. Incitar o preconceito, a violência, o crime, é outra. Os portais estão atentos a isso para evitar dores-de-cabeça jurídicas. Durante a doença do ex-presidente Lula, a Folha de S. Paulo simplesmente aboliu a seção de comentários. Agora o jornal divulga novas normas na moderação.

Pessoalmente, achei as novas medidas equivocadas. Fora o uso de termos de baixo calão e agressão explícita, que devem mesmo ser banidos, o que mais será levado na hora de escolher quem será barrado?

Se o problema é a sensação de falso poder que ganham os anônimos, bem… basta ter em mãos o IP e o Código Penal e tomar providências legais. Mas talvez eles sejam tantos que os veículos ficam com preguiça de ir atrás de todo mundo. Há comentaristas da Folha com três mil comentários postados. O jeito mais eficiente – e rápido – é podar pra valer se não quiserem o Ministério Público na cola. A celeridade do Jornalismo digital não combina com a morosidade da justiça.

Fofura e perda de tempo

Agora o que eu queria saber mesmo é: por que as pessoas perdem tanto tempo com isso? Por que postar 3 mil comentários num jornal? Enquanto estão no céu, ou seja, nas redes sociais, usando seu próprio nome e mostrando a cara, até compreendo que queiram posar de gente boa, fofa e feliz. Viver em sociedade é batalhar para ser aceito e a fofura é o caminho mais simples. Mas e os anônimos raivosos, que encontram um canal para destilar seu ódio, inveja e recalques? Por que fazem isso, se é sabido que não mudará em nada suas vidas?

Já não sei mais se o mundo é povoado por uma maioria de pessoas boas ou más. Às vezes acho uma coisa, às vezes acho outra. E quando desligo o computador, constantemente me pergunto: afinal, tomei a pílula azul ou a vermelha? Não dá mais para saber.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Sphinx777
Ah, minha querida... gostaria de ter a fluência de um Arnaldo Jabor nesse momento. Por que temos essa dualidade entre um Nietzche e um Santo Agostinho? Por que demonstramos esse sadismo primata (sim, primata... questão de Biologia mesmo, haja visto o que fazem os chimpanzés) em todas as atividades humanas, inclusive a Internet? Sinceramente, o que me faz ainda acreditar no ser humano é a presença rara e eventual de um Chico Xavier, uma Madre Teresa e gente que parece remar contra essa maré. Esses são meus gurus, gostaria de ser como um deles. Não sou trolladora, meu tempo é curto e procuro colaborar para distribuir informação. Agora, no Facebook às vezes vejo algum esforço para (sinceramente) alguma melhora de caráter... por mais tombemos, ainda acredito no ser humano por causa dessa minoria...
Max Denvir
"Pareço legal e amável, mas sou um trollador de portais de notícias."

A internet parece - para alguns - dar um super poder de falar/escrever qualquer besteira que vier à cabeça sem ser julgado no mundo físico.

Não concordo com a proibição de comentários. Acho uma ofensa àqueles que tentam promover um debate decente. A moderação parece justa, mas será que seria uma censura ou uma aula de boas maneiras forçado? Levantem as mãos e respondam um de cada vez.
Guilherme
Achei incrível ver os comentários nas matérias publicadas a respeito do incêndio em Santa Maria. A quantidade de pessoas acusando exclusivamente os proprietários, como se fossem os únicos culpados pela tragédia era nítido.

Porém, um assunto que ao meu ver, acabou não sendo abordado pela mídia, é a respeito dos menores de idade que acabaram se vitimando. Então, onde está a cobrança pela ausência de responsabilidade desses pais? Será mesmo que eles são apenas vítimas?
Rafael Machado de Souza
cara, acessa os portais internacionais de tecnologia. só de ver os comentarios de lá já dá pra ter uma ideia.
o ser humano é o mesmo ser escroto em todo o mundo, hehe
Gabriel
É uma situação bem mais complexa, basta ver a discussão sobre o texto do Jr. Guzzo.
Fabio
Penso que existe uma diferença explícita entre poder dizer tudo o que se pensa e fazer tudo que se quer, não?

O problema que surge é que palavras às vezes levam a ações. Por exemplo, acha conveniente alguém gritar bem alto durante um filme no cinema "Fogo! Fogo! Fogo! Saim todos", quando de fato não há nenhum foco de incêndio no local, e que essa pessoa só fez agiu assim pra causar tumulto?
Thássius Veloso
Essa história de incêndio em Santa Maria me colocou para ler comentários em alguns portais noticiosos americanos. Cada barbaridade dita por lá... Não é exclusividade dos portais brasileiros.
Thássius Veloso
Há quem diga que liberdade de expressão é falar "Não gosto de gay", desde que não diga "Vamos bater nos gays". Ainda não sei o que pensar dessa colocação.
Victor Carvalho de Oliveria
Concordo! Além disso quando estão na internet muitos não tem medo de absolutamente NADA! acham que são invulneráveis!
Guilherme macedo
Concordo com tudo que você falou cara..
Hoje em dia tudo é homofobia e racismo... Isso sem falar no bullyng...Existem casos e casos...
Tudo deve ser analisado... Mas do jeito que ta a coisa, daqui a pouco ninguém poderá chamar um gay de gay, pois irá ser homofobia, ninguém poderá chamar um negro de negro, pois será racismo(Já ta quase assim), e ninguém poderá chamar um gordo de gordo, pois será bullyng e isso poderá fazer com que ele anos depois compre uma metralhadora e mate todo mundo da escola...
Gabriel
Em outros países, o nível dos comentários é parecido em grandes portais? Apesar de ser desagradável ler alguns tipos de comentário, é ali que está a verdadeira opinião. Escrevi uma vez sobre isso no meu blog, prender e recriminar as pessoas por discursos preconceituosos é apenas um analgésico para um problema mais grave.

Inclusive, é muito parecido com a questão do crack no centro de São Paulo. As pessoas querem apenas parar de ver o problema, não resolve-lo. Para mim, inventaram uma falsa ideia de Brasil sem preconceitos baseado na miscigenação.
bawlaw
a internet não é nada menos que o reflexo da sociedade.. por um lado queremos ser justos, santos e desejamos o bem.. por outro queremos ver sangue, sexo e violencia..
E é isso ai. todos somos assim, sem excessão.. o que muda de pessoa para pessoa é o nivel de fofura e de violencia que cada um quer ver.
TaylerPadilha
Esse negócio de constituição, para mim, hoje em dia não vale mais.

Eu posso afirmar que "não gosto de homossexuais do gênero masculino" e posso continuar respeitando os "homossexuais do gênero masculino", é lógico.
Aqui começa o que eu acho absurdo: se algum homossexual do gênero masculino ler meu comentário e se sentir mal, ele pode me processar por homofobia e eu posso acabar preso!!! Cadê a lógica disso?

Liberdade de expressão NÃO EXISTE MAIS. Existe liberdade de expressão comum; o que eu defino como liberdade de expressão comum? Respeitar e ACEITAR os homossexuais, não chamar as pessoas com um pouco mais de melanina na pele de NEGROS, gostar de mendigos, esse tipo de coisa aí... Qualquer um que infrinja essas regras será (E SERÁ MESMO, HEIM!!) rotulado de "preconceituoso-que-não-aceita-as-diferenças-de-jeito-maneira-!!!!" e poderá sofrer as penas da lei.

Conclusão: hipocrisia domina, e sempre dominará.

Pensando bem, se não houver hipocrisia, isto aqui (o planeta Terra) virará uma anarquia.
Diego Macan
Estou parecendo meio puxa saco mas, os seus textos são realmente MUITO bons Bia. Parabéns, sou fã da sua coluna aqui no Tecnoblog!

Rasgação de ceda a parte, eu acredito que um número absurdo de pessoas simplesmente tomou as duas pílulas.
É muito fácil postar as "frases de auto ajuda" no facebook que tem seu nome e rosto estampados, mas as mesmas pessoas que fazem isso também comentam nas notícias. E isso tem nome, que remota desde antes do Facebook ou da nossa Matrix: HIPOCRISIA!

Com uma busca rápida no Google descobri que a palavra "hipocrisia" significa:
"A hipocrisia é o ato de fingir ter crenças, virtudes, ideias e sentimentos que a pessoa na verdade não as possui."
Eu rapidamente poderia apontar pelo menos 10 posts que li no facebook que se encaixariam perfeitamente nessa descrição.
Fábio Emilio Costa
As pessoas sempre vão dizer que a constituição garante a "liberdade de expressão", esse tão querido escudo dos preconceituosos enrustidos, como alguns pastores e pessoas de direita.

Mas...

(1) a liberdade de expressão no Brasil é VEDADA ao anônimo, e;

(2) a liberdade de expresão ao ser exercida, não redime a pessoa de qualquer resultado adverso de sua opinião;

Por exemplo: se uma pessoa me xinga no Twitter como anônima e eu descobrir quem ela é, ela está abusando do direito constitucional e responderá na Justiça por isso. Além disso, se ela não for anônima, ela poderá estar incorrendo em calúnia, injúria e difamação.

Existem cenários ainda piores, onde as pessoas se eximem de culpa por outros meios, como "liberdade de culto" no caso de pastores que falam mal, por exemplo, dos gays. Porém, o estado é LAICO, e a liberdade de culto é parte do foro privado: enquanto a pessoa baseia suas opiniões na sua fé mas as mantem para si, não existe problema. Uma vez, porém, que ele resolva "divulgar" sua opinião ofendendo gays, ele não poderá (ou não poderia) incorrer na liberdade de culto para se esconder. Caso assim fosse, poderia-se cometer assassinatos baseados no Islã ou mesmo no Antigo Testamento.
Fábio Emilio Costa
Isso é apenas uma questão de gente que pensa que é bonito ser feio. Comentários sem necessidade acabam gerando eco.
Fábio Emilio Costa
Em alguns casos, os anônimos dizem o que a maioria de um público gostaria de dizer, mas não tem coragem de falar usando seu próprio nome, ao mesmo tempo que "chama para si" (para o anônimo) a parte de "tomar porrada" pelo comentário obtuso. Esse é o perigo.
Anderson Thiago
Também acho um absurdo. Aqui na minha cidade, tem um site de notícias bem interessante, o CGN, só que a sessão comentários é um absurdo. Tem todo o tipo de incitação ao ódio, ao crime, ao preconceito... tem gente até que sabe sobre os crimes comentando lá... às vezes, dá pra entender a história melhor pelos comentários do que pela matéria, mesmo a fonte não sendo confiável... é catastrófico... não entendo como um portal pode ter uma área de comentários em que você não precisa utilizar nenhum dado real, nem nome, nem email, nada...
TaylerPadilha
Irei parecer ignorante agora, mas:

O que importa PRA TI: o quê teu cliente paga (nro. de leitores) ou como eles usam teu serviço (comentários)?
Fabio
Teve um humorista ai que até comentou em rede nacional que "comeria" uma mulher e o filho dela que ainda nem nasceu... Enfim!
Fabio
O maior problema nos dias de hoje é a liberdade que a internet impõe às pessoas em termos de comunicação. Antes era no boca a boca, o que gerava menos discussões e menos palavrões.

Os haters estão por toda a parte na web tentando derrubar a moral das pessoas...

Claro que qualquer um deve ter o direito de comentar, mas talvez esteja mais do que na hora de quebrar o anonimato online. É fácil você não gostar de um vídeo no Youtube, por exemplo, e não apenas clicar no thumb down, como também fazer um comentário pejorativo que não leva a lugar nenhum.

Não apenas isso... as pessoas são tão ingênuas que veem uma informação falsa na internet e ajudam a mascará-la como uma verdade autentica.

Isso sem falar no cyberbullying...

Outro ponto é a capacidade do brasileiros de brincar e odiar assuntos sérios. Eles encontram todas as formas possíveis para incluir política no meio de temas sem relação alguma com isso.

Estive analisando os comentários da tragédia de Santa Maria em portais de notícias dos EUA... e é incrível como eles são diferentes, realmente pesando e lamentando pelo ocorrido.

Agora nas notícias do furacão Sandy, o que vi de comentários imbecis em portais de notícias do Brasil não é pouco não.

Óbvio que em todos os países há haters e pessoas insensíveis, mas no Brasil, cá pra nós, é um problema de proporções colossais.
Marcelo H Ranolfi
Gostei do artigo e concordo com tudo o que foi dito.

Sobre o comentário do TaylerPadilha: Será que esses leitores realmente fariam falta?
TaylerPadilha
Quando apenas tínhamos jornais impressos para ler, comentávamos as notícias com os vizinhos, família, com o cabeleireiro, barbeiro, com a mãe/pio do colega do filho.
Hoje temos meios de comentar nos artigos que são divulgados virtualmente, como este que agora respondo. O fato de ser possível não mostrarmos nossos nomes, ou apenas não mostrarmos nossos rostos, nesse meio de comentário passa uma sensação de anonimato sim; esse anonimato total existe? Claro que não, mas sentimos/achamos que existe, e ficamos mais confortáveis assim.

O que está por trás de tudo isso é a natureza humana, nada mais que isso. Todos nós TEMOS que comentar o quê vemos, o quê lemos, o quê ouvimos, para os outros de nossa espécie. E se o receptor dos nossos comentários nos der trela, nos sentimos bem, e decidimos continuar a conversa, com desaforada ou não.

Para acabar com esse tipo de reação, só banindo mesmo, ou fechando os comentários PARA TODOS. Mas nenhum portal de notícias está disposto a fazer isso pois acabariam perdendo também muitos leitores, estou errado?