Início » Legislação » Microsoft acusou Embraer de usar software pirata

Microsoft acusou Embraer de usar software pirata

Embraer pagou US$ 10 milhões para encerrar o caso.
Fabricante brasileira de aviões nega ter usado cópias irregulares do Windows.

Por
5 anos e meio atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora
embraer-195-aviao

Você provavelmente não sofrerá consequências graves se usar softwares piratas no Brasil, mas no caso das empresas a fiscalização é bem mais rígida. Em maio de 2012, a Microsoft acusou a brasileira Embraer de usar cópias irregulares do Windows e denunciou a fabricante de aviões à Procuradoria Geral de Washington, nos EUA.

No estado de Washington, onde fica a sede da Microsoft, há uma lei que pune as empresas que usam softwares piratas ou não licenciados: elas ficam proibidas de fazer negócios no local. Para que a denúncia não se tornasse um processo judicial, a Microsoft pediu à Embraer uma quantia em dinheiro para encerrar o caso. De acordo com a Folha, o valor pago ficou na casa dos US$ 10 milhões.

A Folha, que afirma ter tido acesso a documentos enviados ao CEO da Embraer no ano passado, diz que foi feita uma auditoria da PricewaterhouseCoopers a pedido da Microsoft, que encontrou “cópias irregulares de pacotes Windows e mais de um computador usando a mesma cópia legal de um programa”.

Entretanto, mesmo após o acordo milionário, a Embraer continua negando que tenha usado software pirata: “A Embraer repudia veementemente qualquer sugestão de que possa ter pirateado ou se apropriado indevidamente de software da Microsoft, sua parceira comercial de longa data”.

Tudo foi resolvido no dia 6 de abril, quando a Embraer pagou os 10 milhões de dólares. Se a Microsoft resolvesse seguir adiante com a denúncia, a fabricante brasileira ficaria numa situação ainda pior: ela poderia ser proibida de vender aviões em Washington e outros 37 estados americanos.

Com informações: Folha, Gizmodo Brasil.

Mais sobre: ,