Início » Jogos » Microsoft Research faz Kinect reconhecer linguagem de sinais

Microsoft Research faz Kinect reconhecer linguagem de sinais

Emerson Alecrim Por
6 anos atrás

Eis que acabaram de encontrar mais uma aplicação interessante para o Kinect: usá-lo para interpretação em tempo real de linguagem de sinais. Trata-se de mais uma iniciativa da Microsoft Research, só que desta vez em parceria com a Academia Chinesa de Ciências (CAS, na sigla em inglês).

A ideia não é exatamente nova: a Microsoft obteve uma patente para reconhecimento da linguagem de sinais americana no Kinect em agosto de 2010. A diferença é que agora o projeto saiu da prancheta e já está na fase de testes, como mostra o vídeo mais abaixo.

O aplicativo tem, basicamente, dois modos de funcionamento. No primeiro, de tradução, o Kinect detecta os movimentos e exibe na tela a interpretação correspondente, seja ela apenas uma palavra ou uma sentença inteira.

O segundo, o modo de comunicação, é de longe o mais interessante. Nele, uma pessoa digita a sua mensagem e esta é interpretada por um boneco 3D para o indivíduo que se comunica a partir da linguagem de sinais. Os gestos deste, por sua vez, são interpretados e descritos na tela.

Perceba que a ideia pode receber outras aplicações. Por exemplo, o Kinect pode ser usado para fazer com que duas pessoas que se comunicam em linguagens de sinais diferentes possam se entender. Ou, ainda, o aplicativo pode ser utilizado em substituição a comandos de voz, especialmente no Xbox One, que promete usar e abusar desta opção.

A tecnologia ainda está desenvolvimento, mas funciona "surpreendentemente bem", segundo os pesquisadores do CAS, tanto é que foi demonstrada recentemente no evento Faculty Summit 2013. Contribuiu para isso o fato de o projeto ter sido testado desde o início pela parte mais interessada: voluntários com deficiência auditiva.

Por ora, os testes se limitam aos idiomas inglês e chinês, mas nada que impede a adaptação futura da tecnologia para outras linguagens, tecnicamente falando.

Com informações: Microsoft Research.

Mais sobre: ,