Início » Games » Por que a Nintendo não vai se vender às outras companhias (e por que isso pode ser ruim)

Por que a Nintendo não vai se vender às outras companhias (e por que isso pode ser ruim)

Por
5 anos atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

A Nintendo não está nem aí para o que você pensa dela, e a maior prova disso é que continua dando preferência a manter seus valores ao invés de se vender para aumentar seus lucros – com um bom argumento para isso, porém. Em uma entrevista ao site CVG, Satoru Iwata, presidente da empresa, disse que, a fim de manter sua prosperidade a longo prazo, a companhia continua não se interessando em publicar jogos para outros consoles que não seus próprios.

Iwata diz que entregar de bandeja seus “preciosos recursos” para outras plataformas não seria uma atitude visando o sucesso da Nintendo no futuro: “Se eu fosse assumir a responsabilidade pela empresa só pelos próximos um ou dois anos, e se eu não estivesse nem um pouco preocupado com o futuro da Nintendo, faria sentido que nós fornecêssemos nossas franquias importantes para outras plataformas, e aí nós conseguiríamos algum lucro a curto prazo”. O presidente também acredita que o fato da empresa produzir, ao mesmo tempo, hardware e software, a faz “única” e original, o que seria seu grande trunfo, uma vez que isto abre possibilidades para que crie coisas que as outras third-parties não conseguem criar.

Satoru Iwata (Fonte: Wikimedia)

Satoru Iwata

A declaração de Iwata veio em resposta às sugestões de que a empresa deveria seguir os passos da Sega, que, diante da queda de seus consoles, passou a produzir para outras fontes.

Ainda em seu primeiro ano de vendas, o Wii U, comercializado lá fora por US$ 300 e previsto para dar as caras no Brasil até o final do ano, não demonstra lá muita força no mercado e até o momento ainda está em desvantagem em relação ao mesmo período de vendas do Wii. De acordo com uma fonte da Nintendo em declaração ao GamesIndustry, a companhia tem consciência de que perde dinheiro a cada unidade vendida do Wii U – atualmente, após a baixa do preço do 3DS, é o portátil, junto das vendas digitais, que vem segurando as pontas da empresa.

Mas por que o Wii U não decola?

Talvez a Nintendo esteja certa em querer manter seus parâmetros e virtudes intocados, mas talvez estes sejam também seus principais inimigos. Apesar de ter dado um passo a mais em direção aos jogadores “hardcore”, lançando títulos grandes, como Batman: Arkham City Armored Edition e o aguardado Bayonetta 2 para seu novo console, ainda falta um bom prato de arroz e feijão para que a empresa alcance um público mais abrangente. Afinal, sua “nova geração” equivale à geração de consoles que o resto das desenvolvedoras já considera como ultrapassada, e seus lançamentos super inovadores já puderam ser vistos anos atrás no PlayStation 3 e no Xbox 360.

Mas é a Nintendo, a criança prodígio que desde sempre teve seu próprio tempo para lançar novidades e se voltar aos diversos tipos de mercado. Esperamos que ela ainda saiba o certo a fazer.

Com informações: CVG, GamesIndustry.

Mais sobre: ,