Início » Comportamento » Evolução e frustração: nem sempre os smartphones se tornam o que esperávamos

Evolução e frustração: nem sempre os smartphones se tornam o que esperávamos

Avatar Por

É da natureza do ser humano estar insatisfeito. Foca-se numa meta, luta-se para alcançá-la, e mesmo diante da conquista, em pouco tempo o infeliz ser queda-se outra vez insatisfeito. E cresce os olhos para outra coisa qualquer, recomeçando o ciclo.

Agora imagine uma pessoa muito mais infeliz e instisfeita que a média, crescendo os olhos para toda e qualquer novidade que apareça a cada minuto. Somos nós, fãs de tecnologia. Mais especificamente, os loucos por celular.

O cidadão sua a camisa para adquirir seu primeiro smartphone, um Android baratinho ou um messagephone com Facebook. Quando consegue, sua cobiça se volta para o smartphone do vizinho, que tem uma tela enorme. Outros almejam um iPhone. Mesmo que seu aparelho atual já seja um iPhone, só que do longínquo ano de 2011. E que parece da idade da pedra.

Também sofro desse mal. Só que comigo a angústia é muito mais cruel, porque sempre desejo coisas que não existem. Já era assim nos tempos dos Palms.

Quando surgiram os primeiros comandos de voz em dispositivos móveis, há quase 10 anos, a finalidade era pedir para seu celular telefonar para alguém. Tinha que fazer malabarismo para vê-lo obedecer. Falar no tom certo. Usar sotaque norte-americano. Não ter ruído no ambiente. Ou seja, impossível usá-lo numa situação urgente, em que realmente se estivesse com as duas mãos impossibilitadas de uso. A tecnologia evoluiu, os comandos ficaram sofisticados, mas nenhum dispositivo faz ainda o que eu queria lá em 2003: que ele abrisse meu aplicativo de banco de dados e me dissesse que medicamento prescrevi na última consulta ao paciente que estava em minhas mãos naquele momento.

Eu tenho uma lista enorme de coisas que gostaria que estivessem nos smartphones. A cada nova geração de uma plataforma, a lista aumenta ao invés de diminuir! Nem Steve Jobs a fez diminuir. Pior: ele nos fazia criar novas necessidades! Na minha lista constam ferramentas como aprimoramento de escrita cursiva, universalização de cabos e conectores, melhorias nas anotações em e-books e monitoramento de saúde. Nesse último quesito é onde tenho as maiores esperanças.

Já no fundo do poço da frustração, nada supera as baterias. Principalmente porque há 5 anos prometiam que logo teríamos baterias para smartphones durando um mês. O tempo passou e elas ainda não sobrevivem sequer a 24 horas!

Bateria externa e bombinha para asma: não saio de casa sem elas!

Bateria externa e bombinha para asma: não saio de casa sem elas!

O que mais vejo por aí são pessoas com o celular num bolso e um carregador no outro. Mas para o heavy-user isso não basta: é preciso apelar para as baterias portáteis, ou cases especiais que se acoplam ao dispositivo fornecendo algumas horas extras de energia. HORAS!

Se você é louco por tecnologia e dependente da mobilidade, pense comigo: você baba naquele super smartphone lindo, com uma tela grande, leve e fininho. Que adianta cobiçar 20 gramas a menos, se você terá que carregar de qualquer jeito um trambolho para garantir autonomia extra? Paradoxal, não?

Isso sem contar as mudanças que propositadamente são feitas para complicar nossa vida, com a desculpa da evolução. Serviços descontinuados mesmo sendo populares (oi, Google!), novos padrões de conectores e SIM cards menores (né, Apple?).

Para fechar esse post, gostaria de dizer que não sou ingrata. A tecnologia móvel ajudou muito minha vida nos últimos anos. Mas os progressos poderiam ser mais velozes se não tivesse tanta gente querendo faturar em cima do caos. O melhor exemplo é o novo padrão de tomadas brasileiro, não acham?

Mais sobre: , ,

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rômulo Soraggi
Por isto gosto do symbian, agora WP
Pedro Machado de Paula
Oi Bia. Gostei bastante de seu texto me identifico um pouco contigo, um pouco menos frustado talvez. hehehe Um detalhe apenas para sua última frase em relação ao padrão de tomadas brasileiro. E antes de continuar só quero dizer que não sou engenheiro elétrico e não tenho nada a ver com essas mudanças e nem conheço ninguém que tenha tido a ver. Acho que o nosso padrão é um dos melhores que tem no mundo hoje. Sei que a mudança gerará complicações durante alguns anos, temos que comprar adaptadores caros (um pedaço de plástico com um metal dentro não deveria custar R$ 10,00) para tentar conectar nossos novos aparelhos a tomadas antigas. É péssimo, mas vendo pelo lado da segurança, facilidade de uso e também da padronização. É bom ter um padrão e não deixar que qualquer um faça o que quiser. Compare nosso modelo com o dos EUA, com o da Europa. O nosso é menor precisa de menos espaço e faz exatamente o mesmo que o deles fazem. Isto é, ao meu ver o nosso padrão é um dos melhores que tem por ai.
Vagner Alexandre Abreu
(uso de péssimo argumento) noto um monte de gente que provavelmente ganha dinheiro trocando ou fabricando tomada... ¬¬
Edmilson Junior
Eu saio de casa sempre com duas baterias, minha bateria externa de míseros 2600mAh está a caminho. Se ela for por dentro como eu espero poderei aumentar sua capacidade para 11200. Quero poder ir estudar ouvindo podcast e jogando pokemon sem medo de chegar lá sem bateria.
Rodrigo Fante
Exatamente, temos um padrão global excelente, a mudança dói, mas nesse caso vai ser sentida positividamente por décadas.
Josiel Hen
Até aqui esta tudo certo, daqui a dez anos estaremos frustados com o quão pouco a realidade 3D nos é útil, daqui a 50 anos, com o quão demorado é uma viajem até nossa casa, na lua. Isso se chama, ciclo da vida, ou os detalhes dela. Otimo texto :D
Vagner Alexandre Abreu
Darlan Alves e outros: Não nego a segurança do novo padrão, porém há um porém: já vi muitos fabricantes usando o "novo padrão", porém sem o trecho de proteção do pino elétrico, sendo o pino completamente metálico. Isso é um ponto. Outro ponto é que noto que com este novo padrão, ficou difícil fazer certas coisas já costumeiras, como usar extensões (as novas, ao meu ver, me transmitem mais insegurança que as antigas). Por coincidência, o novo padrão veio junto com novos aparelhos que fazem parte da realidade brasileira, como televisões e computadores, mas para quem tem equipamentos antigos, é uma tortura. Não sou muito a favor de burrocracias tecnológicas.
Darlan Alves
Vagner Alexandre Abreu Na verdade, há uma pequena melhoria. O novo encaixe torna as tomadas mais firmes e melhora o aproveitamento de espaço. As tomadas de 3 pinos, típicas de computadores, usam um plugue bem mais espaçoso e sempre tomaram conta da tomada inteira. O novo padrão também tem seus problemas, mas considero melhor que os outros padrões anteriores (dois pinos ou dois pinos chatos)
Fer
O foda é ver um mercado com tantos players e ao mesmo tempo com nenhuma diversidade...
vinimaz
Adorei o post...pior que eu concordo contigo! E eu também ando com meu carregador extra sempre hahahaha
Arthur Novello
Para mim, foi muito bem vinda essa mudança. Mudei de apartamento na epoca em que o padrão entrou em vigencia, o que significou adaptadores para todos os lados, mas com o tempo isso foi sumindo e hoje são poucos aparelhos que precisam de adaptadores. E para quem fala que a gente não estamos usando um padrão ja existente, o nosso é muito familiar com o europeu, a unica diferença é que la as tomadas deles não são "rebaixadas".
Arthur Novello
Para mim, foi muito bem vinda essa mudança. Mudei de apartamento na epoca em que o padrão entrou em vigencia, o que significou adaptadores para todos os lados, mas com o tempo isso foi sumindo e hoje são poucos aparelhos que precisam de adaptadores. E para quem fala que a gente não estamos usando um padrão ja existente, o nosso é muito familiar com o europeu, a unica diferença é que la as tomadas deles não são "rebaixadas".
Christian Oliveira
A Apple ficou nove anos com o mesmo conector, quando troca para um padrão buscando melhorar o antigo, surgem vários comentários negativos, isso pq ainda existem acessórios para o antigo e muitos novos acessórios para os novos, se é tão importante manter o acessório antigo, não migre para um celular novo, simples.
Juliano Backer
A primeira onda era fazer celulares menores em com baterias com vida mais longa. Chegamos a tamanhos muito agradáveis e bateiras durando uma semana. Tenho um dos primeiros celulares toutch, o Omnia, e a bateria dura uns 4 ou 5 dias. Parece bom levando em conta os recursos. Pensei em comprar um novo, mas agora todo mundo comenta que os celulares novos a bateria não dura 24h... parece passo para trás.
Arch
Não tenho nenhum motivo para trocar meu Nokia X3-02, cuja bateria dura uma semana, a partir de uma carga completa.
Guilherme Tecchio
uma pena que o android razr maxx não conseguiu fazer as baterias enormes entrarem na moda :/
Leonardo Domingues
Outra coisa que foi citada no post e precisa melhorar, é o sistema de reconhecimento de voz. Falta realmente você "falar" com naturalidade com o Smartphone, hoje ainda é muito mecanico. No Moto X parece que isso vai melhorar um pouco, mas ainda temos um longo caminho pela frente.
Leonardo Domingues
Você por aqui, rs. Fato, Razr é uma aula basica sobre como deveria ser as baterias atuais.
Leonardo Domingues
Isso é um grande problema de programação também, enquanto o sistema e os app tá rodando, tem muita sujeira rodando que o sistema não fecha, mas fica lá consumindo recursos.
Leonardo Domingues
Muito bom o post. Agora que a tecnologia deu uma estagnada (ou seja, não teremos grande evoluções ano que vem), seria bom investir onde hoje está precário, como seria o caso da bateria. Se vamos fazer uma viagem grande, esquece deixar o celular direto no 3G/4G e/ou ficar usando ele a todo momento para olhar redes sociais, antes de você parar ele vai parar. Eu queria muito uma bateria que me permitisse ficar no 3G e dia todo, acessar as funções do celular a todo momento, e só me preocupar com a bateria quando chegar em casa e conecta-lo pra carregar pro dia seguinte. Hoje se tento fazer isso, antes das 18h já tenho que desligar o 3G pra ver se o smartphone chega vivo em casa.
Leonardo Domingues
Praticamente todas as tomadas da sala e do quarto de casa tem um adaptador de tomada. Se é preciso fazer isso, temos um grande problema.
Matheus B. Felini
Padrão e segurança. Agora fica praticamente impossível levar choque. Não se tem acesso aos pinos condutores até que eles estejam completamente desconectados! :)
Thiago Abrahao
Podiam ter padronizado para um padrão já existente. Mas tiveram que criar um novo pra enfiar dinheiro no bolso de alguém. Essas tomadas novas não são muito práticas por exemplo se você ligar aparelhos já adaptados em tomadas antigas, eles acabam tomando o espaço de mais de uma entrada aí você não consegue usar duas tomadas de um estabilizador de padrão americano. Aí lá vai grana, com adaptador, com estabilizador com tomada de parede, instalação elétrica... Podiam muito bem ter padronizado tudo no padrão americano como já era a maioria.
Junior Mendes
Vagner Alexandre Abreu pra começar "antigos"... o padrão não veio substituir as tomadas antigas, veio para padronizar as novas. "daqui pra frente" "sucessor". Para isso existem adaptadores. O padrão mais bem vindo até agora no Brasil foi o de tomadas na minha opinião.
Rafael Machado de Souza
e faz tempo que a industria nacional já sabia dessa mudança. se alguem tem que usar adaptador é pq o aparelho nao foi fabricado aqui.
Matheus Oliveira
App aberto comendo bateria não é problema para o iOS e pro WP, pois eles não usam multitasking real em todos aplicativos, só alguns que funcionam em segundo plano.
Gabriel
Eu concordo que as bateria são ruins, mas duvido que as empresas não invistam em pesquisas para tentar melhorar isso. Acredito que seja mais complicado evoluir nesse aspecto que nos outros, até porque é uma tecnologia bem antiga. Desconfio que precisa de uma mudança radical nas baterias para melhorar de forma substancial. Processamento é algo que dá para pensar em bastante coisa ainda, então o retorno da pesquisa é mais rápido. Suposição claro, mas acho que as empresas tem consciência de que se fizerem uma bateria boa podem ganhar uma dianteira absurda. Em 2010, eu comprei um MacBook basicamente pela bateria...imagine se dessem um upgrade bom nos smartphones de hoje. Seria um grande diferencial.
alexoliveirata
Concordo contigo. E independente do padrão escolhido uma hora ou outra seria necessário o uso de adaptador pra algum eletrônico, isso é fato. E como vc disse, vão se trocando tomadas e a longo prazo todos estão no padrão.
trovalds
O problema é que no hardware tudo de uma forma geral evolui, menos a forma de manter ele funcionando. Quem acompanhou a corrida do hardware nos últimos anos viu que as preocupações com consumo de energia só tomaram forma recentemente. Isso em se falando do mercado de PCs. Como não se focou pesado em pesquisa nesse sentido em canto nenhum, os gadgets sofrem com a falta de tecnologias que de fato consumam menos energia e mesmo baterias mais duráveis. Tudo o que se tem nesse sentido atualmente é defasado e baseado em algo já feito anos atrás e "encolhido". Não existe nada de fato revolucionário. Nesse quesito, a minha única aposta atualmente é na Intel, que apesar de ser uma da turma do "encolhimento", pelo menos investe pesado em tecnologia e já tem know-how em hardware há tempos. De resto, praticamente todo o resto é ARM, licenciado e adaptado pelos fabricantes.
Claudio Castro
Seu texto foi perfeito !
Marcus Pessoa
O benefício é exatamente o aterramento. Se as pessoas preferem ficar pegando choque, não é culpa do padrão.
Marcus Pessoa
Discordo. O padrão atual minimiza sim a utilização de adaptadores. Um plug antigo funciona numa tomada nova. O contrário não, porque os novos plugs têm aterramento -- o que estava mais do que na hora. Era preciso um novo padrão, e esse eu achei o melhor possível. Aos poucos as pessoas vão colocando tomadas novas em suas casas e os problemas com adaptadores vão desaparecer.
Vagner Alexandre Abreu
Discordo. Com o padrão de tomadas, agora equipamentos antigos ou que são importados pioram a situação, já que são obrigados a usar adaptadores, além do fato que encareceu totalmente o mercado de instalação elétrica. As tomadas novas são mais caras que as antigas. E não vi nenhum benefício, já que pessoas comuns continuam tirando o pino de aterramento, e as ligações elétricas brasileiras ainda não estão nos conformes dos tecnocratas...
André Noia
Ele se encaixa sim na maioria das tomadas de equipamentos que estão em produção no Brasil há séculos. Como explicar então o porquê a tomada do video cassete lá de casa encaixa perfeitamente no novo padrão? Realmente não havia padrão algum. E as novas tomadas são muito mais seguras do que as que tínhamos. Padrão ruim é o americano. Tenho um notebook Dell e todas as vezes que eu conecto o carregador à tomada sai uma faísca bem estranha. Eu me sinto mais seguro utilizando um adaptador do que ligando aquele negócio direto à tomada.
Jr Janz
Lendo seu 6o parágrafo, percebo que você quer um s4. Claro que não estou ajudando com a cobiça por um novo smartphone…=D Mas o artigo já valeu por saber que não sou o único que deseja o que ainda não existe, na mesma linha!
Ariane Soraggi
hahaha... aqui em casa virou cemitério de celulares kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Thiago Shariban Nunes
Concordo com você Thomaz. Como TST eu tenho que proteger o padrão brasileiro de tomadas, pois ele é mais seguro para o consumidor do que o NÃO padrão que tínhamos antes. Eu não me importo dos figurões encherem o c* de grana com isso, pois independente deles o padrão trouxe benefícios, simplizmente inéditos à população. No mais concordo com o texto.
bcayres
Alexandre, o novo padrão brasileiro de tomadas não faz sentido! Ao invés de adotarmos algo que minimize a utilização de adaptadores, criamos um padrão que não se encaixava em NENHUMA tomada existente e tivemos que comprar dezenas de adaptadores. Somente à longo prazo, quando formos trocando as tomadas da casa, nos livraremos dessa quinquilharia. E ainda gerará lixo. Não, o padrão brasileiro foi burro, mas tão burro, que me faz crer que existe algum político fabricando adaptadores por aí.
Antonio Veras
Taí dois males que não me afligem. A cobiça, tenho um N8 até hoje e a bombinha (hahaha) que não uso às uns 12 anos. Mas com relação ao celular, vou trocar, pois os apps se atualizam e o hardware não. :( Triste.
Aléxis Brasileiro
eu tenho um desses e não me arrependo! já durou uma semana sem 3g!
Vagner Alexandre Abreu
A questão é: por que não correr atrás e "nós mesmos" ir atrás das melhorias que almejamos? Bem, já sei parte da resposta: "eu tenho outras coisas a fazer, não sou programador ou desenvolvedor e nem tenho tempo para tal". Tendo a concordar, discordando. Muitas vezes esperamos as pessoas "lerem nossas mentes", e aí "plim!", aparece algo que imaginamos tempos atrás feito por algum desenvolvedor de fundo de quintal, ou até mesmo das grandes. No caso de comando de voz, por exemplo. Por que não ir atrás de desenvolvedores que trabalham com isso para criar o que você necessita? Sim, também sei a resposta: "Os caras vão "enfiar a faca na carteira" para poder fazer este trabalho", e isso volta a primeira pergunta e a primeira resposta. Temos um loop aí. Por que um grupo de pessoas não se juntam para financiar desenvolvedores para colocar uma função melhorada que muitos buscam, como a busca por voz para bancos de dados por exemplo? Ei, ah é, temos o crowdfunding! Alguns bons projetos estão por lá. No caso de baterias, imagino que há um problema duplo aí: grande parte dos usuários comuns só atendem ou jogam joguinhos. A bateria acaba durando o suficiente para eles. E os designers, excecutivos e desenvolvedores ficam brigando entre si para tentar achar um ponto de equilibrio entre funcionalidade e conforto ao usuário. Botar 20 gramas a mais no bolso ou na bolsa pode no final afetar alguns, já que hoje as pessoas estão sensíveis a mínimas diferenças, e os 20 g a mais já vira piada nas redes sociais: "ah, é tijolão". Enfim. Acho que isso cabe em psicologia, mas acho que as frustrações veem pois também não pensamos em como se adequar ao que temos no meio. Como hoje esperamos que as coisas se adequem a nós, tudo fica ruim. Talvez por isso os hackers / desenvolvedores do passado não sejam tão frustrados quanto nós usuários, afinal, eles que adequaram a tecnologia ao meio. Perdão qualquer coisa, Bia :)
Rômulo Soraggi
O problema também esta no sistema operacional que consome muita bateria, são vários e vários aplicativos abertos "comendo" bateria sem necessidade, dá para dar um aliviada nisto, verificando quais sãos os aplicativos abertos que não tem necessidade de funcionamento. Apesar de estar usando Android hoje, adoro o Symbian (Agora WindowsPhone), não sei se vai continuar mas é bem melhor e tem tudo que o Android tem e não força muito o consumo das baterias dos Smartphones.
Thomaz Scheider
O padrão brasileiro de tomadas é muito bom na minha opinião. Agora realmente existe um padrão, antes era uma bagunça.
Felipe Almeida
Muito bom, parabéns
Aderbal Oliveira Jota
Realmente, aumenta-se o processamento porem a bateria não aguenta sequer 1 dia. É lamentável!
Alexandre
Muito bom o post, mas pecou no encerramento. O "novo padrão" de tomadas não foi um bom exemplo. O Brasil nunca teve verdadeiramente um padrão de tomadas. O agora adotado é excelente! Muito melhor que qualquer outro utilizado anteriormente, sem contar na segurança (para levar um choque o cidadão tem que se esforçar). Mas tenho que concordar que nada supera as baterias quando fala-se de frustração.