Início » Web » Como o FBI encontrou e prendeu o dono do Silk Road

Como o FBI encontrou e prendeu o dono do Silk Road

Por
5 anos atrás

Por muito tempo, ninguém sabia quem era (ou eram, já que poderia ser um único nome utilizado por mais de uma pessoa) Dread Pirate Roberts. Apenas que ele era o dono do Silk Road, um site de venda (obviamente ilegal) de drogas que opera na deep web e faz transações utilizando Bitcoins, para garantir o anonimato tanto de quem vende como de quem compra. Mas, hoje, DPR teve sua identidade revelada pelo FBI: Dread Pirate Roberts era o pseudônimo utilizado por Ross Ulbricht para manter-se anônimo na internet. E, claro, foi preso.

O anonimato deu certo por dois anos; o Silk Road, maior site do tipo, foi inaugurado em 2011. Estima-se que tenha movimentado mais de 1,3 bilhão de dólares em Bitcoins.

Ulbricht tem 29 anos e, segundo seu perfil no LinkedIn, é formado em Física e trabalhou com pesquisa pro cinco anos. Então, mudou de área e focou em economia: “Quero usar teoria econômica como um meio de abolir o uso de coerção e agressão entre a humanidade”, afirma na página.

ross-ulbricht-linkedin

Para descobrir a localização de DPR, foi feita uma investigação bem profunda sobre nas atividades de Ulbricht.

Ela começou com uma pesquisa de quando o Silk Road se tornou popular, que levou a uma postagem bastante suspeita num fórum em janeiro de 2011 feita por um usuário que só fez esse único post, no qual perguntava se alguém já havia comprado no Silk Road. Dois dias depois, um outro post foi feito num fórum sobre Bitcoins por um usuário que utilizava o mesmo username que o do outro fórum, também falando da “loja virtual”. A conclusão foi que ambas as postagens foram criadas para gerar interesse pelo Silk Road – uma estratégia de marketing online bastante comum.

Continuando a pesquisa, foi encontrada uma postagem de cerca de oito meses depois, em que o mesmo usuário (“altoid”) procurava um especialista em TI na comunidade de usuários de Bitcoin e os interessados poderiam enviar um email para [email protected]gmail.com. Mas gente??

A partir daí, a investigação tomou como rumo o perfil de Ulbricht no Google+, no qual foram encontradas referências para sites que o DPR citava com frequência em seus posts no Silk Road, como o Mises Institute, especializado na teoria de Escola Austríaca de economia. Também foi descoberto que ele mora em San Francisco, na Califórnia, cujo fuso horário bate com o utilizado por DPR.

Outra evidência veio do código do Silk Road, que só permitia o login se este fosse feito a partir de um IP específico. O último login ao qual o FBI teve acesso é de um café próximo à casa onde Ulbricht morava.

Há uma série de erros evidências listadas no mandato de prisão, que pode ser visto na íntegra logo abaixo, incluindo o pedido de envio de documentos falsos à sua residência em San Francisco. Mas gente??[2]

Ulbricht Criminal Complaint

O texto acusa Ulbricht de tráfico de narcóticos, invasão de computadores e lavagem de dinheiro. Além disso, há registros de uma troca de mensagens com um assassino de aluguel para matar um usuário que estava chantageando DPR para liberar dados de usuários do Silk Road em troca de 500 mil dólares.

O site foi tirado do ar pelo FBI e, obviamente, não deverá nunca mais ver a luz da deep web. Quanto às Bitcoins que estavam no Silk Road, estão agora nas mãos do FBI: quase 3,6 milhões de dólares, na cotação atual, sendo a segunda maior apreensão de dinheiro que se tem notícia.

silk road seized

A título de curiosidade, há alguns dias, o maior concorrente do Silk Road, Atlantis, anunciou que estava encerrando suas atividades por motivos de segurança. Será que eles já sabiam de alguma coisa?

Em todo caso, fica – mais uma vez – a prova: ninguém é anônimo para sempre na internet.

Com informações: INFO, Gizmodo

Mais sobre: ,