Início » Telecomunicações » Google quer testar projeto de acesso à internet via balões no Brasil

Google quer testar projeto de acesso à internet via balões no Brasil

Por
6 anos atrás

Lembra do Project Loon, aquela iniciativa do Google que visa disponibilizar acesso à internet em localidades remotas a partir de balões (e que foi criticada por Bill Gates)? Em breve, poderemos nos deparar com uma rede destas bem perto de nós: é que está nos planos da empresa trazer o projeto para o Brasil.

Balão do Project Loon na Nova Zelândia, onde foram realizados os primeiros testes

Balão do Project Loon na Nova Zelândia, onde foram realizados os primeiros testes

A ideia do Project Loon consiste, basicamente, em posicionar balões especiais em uma distância de cerca de 20 quilômetros do solo para fazê-los fornecer acesso sem fio à internet em locais com infraestrutura de telecomunicações deficiente. Estima-se que cada balão possa realizar transmissões para uma área com diâmetro de até 40 quilômetros, sendo possível ampliar a cobertura fazendo os globos trabalharem de maneira conjunta.

De acordo com a Folha de S.Paulo, o ministro das Comunicações Paulo Bernardo se reunirá nesta quarta-feira (09) com Mohammad Gawdat, vice-presidente de inovação do Google X (o laboratório da empresa que cuida destes projetos inusitados) para conhecer melhor o Project Loon e discutir a sua implementação no Brasil.

Uma vez aprovados pelo governo, a intenção é implementar os balões em áreas rurais mais afastadas dos grandes centros – que no Brasil não são poucas, como você deve saber – e, quando conveniente, em localidades afetadas por desastres naturais.

O interesse do Google se justifica porque, tendo imensa extensão territorial, o Brasil apresenta variados aspectos geográficos que dão margem para testes mais abrangentes por parte da equipe responsável pelo Project Loon. Na América Latina, também há planos de testar os balões no Chile, na Argentina e no Uruguai.

Só que muito vento ainda irá soprar para que possamos encontrar estes balões por aqui, uma vez que várias circunstâncias precisam ser consideradas, especialmente burocráticas, como autorização de uso do espaço aéreo, cumprimento de leis sobre o meio ambiente e aval da Anatel.

Penso eu que inclusive parcerias com operadoras locais é uma ideia a ser considerada, até para evitar divergências com estas companhias, sabe como é.

Mais sobre: , ,