Início » Celular » Produção de dispositivos móveis pode ser afetada se não forem encontrados substitutos para metais raros

Produção de dispositivos móveis pode ser afetada se não forem encontrados substitutos para metais raros

Emerson Alecrim Por

Não é novidade para ninguém que muitos objetos do nosso cotidiano têm em sua composição materiais que são escassos e não renováveis, mas um estudo conduzido pela Universidade de Yale, nos Estados Unidos, mostra que este problema é tão crítico em dispositivos móveis que pode até afetar a produção destes aparelhos em um futuro relativamente próximo.

A constatação foi feita pela equipe do professor Thomas Graedel, que estuda o assunto há anos. O grupo se limitou a investigar somente o uso de metais nos produtos eletrônicos, uma vez que estes elementos são os mais difíceis de serem encontrados e extraídos da natureza.

As descobertas são perturbadoras. Quase todos os tipos de metal são utilizados pela indústria atualmente – 62, para ser mais exato. A maioria deles até pode ser substituída, mesmo que por metais mais abundantes, mas nenhum substituto consegue oferecer níveis de eficiência equivalente. Além disso, doze tipos de metais simplesmente não podem ser trocados por nenhum outro material.

Tabela periódica que destaca quais metais podem ser substituídos mais ou menos facilmente

Tabela periódica que destaca quais metais podem ser substituídos mais ou menos facilmente

Como se não bastasse, há chances de estes números serem piores porque, para entender exatamente como e em quais quantidades todos os elementos são utilizados, os pesquisadores teriam que ter acesso amplo aos laboratórios dos fabricantes, que obviamente resistem à ideia para evitar vazamento de segredos.

É claro que os elementos em questão são empregados em qualquer tipo de aparelho (sem contar aqueles que não são elétricos ou eletrônicos), mas o problema afeta sobremaneira telefones celulares e afins porque a indústria utiliza muitos metais raros nestes dispositivos.

A criação de programas robustos de reciclagem é uma maneira de combater o problema, mas provavelmente não será suficiente. A indústria precisa encontrar alternativas, e rápido: embora Graedel e equipe tentem não parecer tão alarmantes assim, eles não escondem que as reservas de alguns metais entrarão em estado crítico de disponibilidade a partir de 2020.

E olha que nem estamos considerando o impacto ambiental de tudo isso.

Com informações: Ars Technica

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Mauricio Bandeira Candido Martins
a longo prazo irão substituir o uso de aço por silicio negro, mas dizem que o metal com mais condutividade eletrica é a prata e hoje em dia utilizam cobre em fiações, mas é o wi-fi?
Carlos Alex
Nos EUA isto é muito forte, ouvi dizer que dificilmente alguem manda concertar algo. Aqui ainda mandam arrumar porque é tudo muito caro.
Carlos Alex
Clica que melhora.
danimaiochi
praticamente um poeta. mas tenho que concordar
Eliézer José Lonczynski
Algumas empresas já aceitam telefones antigos na troca, agora só não sabemos se o aparelho é revendido ou reaproveitado. Tem muito telefone sendo descartado apenas por telas trincadas, permanecendo os componentes internos em perfeito estado e com longa vida útil ainda.
Marco Inclusão
Desejo conhecer o metal usado para fabricar os dois discos de metal presentes no interior do HD.
Vagner Alexandre Abreu
O problema é como dito pelo Tales: consumimos demais para o que produzimos de menos. Produtos em geral, ao meu ver, deveriam ter uma previsão de durabilidade alta e possibilidade de reciclagem futura. Nem um nem outro: para reciclar eletrônicos, tem que se ter uma capacidade alta para aproveitar o máximo que puder, e os aparelhos duram menos devido a ciclos de desenvolvimento menores, até porque isso ajuda a girar a economia mundial. Deveríamos é pensar nos gadgets que temos, no que eles realmente são úteis a nós e no final se o que precisamos é mais de durabilidade e menos de comprar. Talvez por isso somos as vezes nostálgicos: muitas coisas antigas eram feitas para durar, até sentimentos, podemos dizer :) Hoje, tudo é imediato: consumido e descartado, desde computadores até amores.
Douglas Araújo
2020 esta em cima já. Reciclagem é uma alternativa. Insuficiente, mais pelo menos amortiza. Caso não haja outro solução. Lá vamos nós. Voltar a briga para que os preços não decolem.
Geraldo Lopes
. Mineração espacial... será a solução para o futuro!!! .
Pedro Borges da Silva
bla bla bla, todo mercado de produtos minerais é igual, o mercado avança, o recurso fácil acaba, o recurso fica mais caro, jasidas com concentração menores, mais difícieis de serem exploradas começam a ser viáveis, o recurso se mantém útil. O fato é que a china quebrou a maior parte das empresas que produziam esse metal e pelo que vi até uns anos atrás ela queria parar de exportar esses metas e apenas produzir aparelhos completos com eles, isso ferra até produção de gasolina pois alguns deles são usados como catalizador de algumas etapas da produção
Emerson Alecrim
Infelizmente, a imagem original, extraída de um PDF, não está muito boa. De qualquer forma, coloquei uma imagem levemente melhorada.
luis.antonio.almeida
Deixa eu ir ali comprar as ações da SpaceX porque naturalmente no futuro eles dominarão o mercado da mineração espacial.
Fábio Toniolo Vieira Junior
A imagem da tabela periódica está ilegível