Início » Comportamento » Tirar fotos de tudo pode acabar com a sua memória do evento (e da viagem, da festa…)

Tirar fotos de tudo pode acabar com a sua memória do evento (e da viagem, da festa…)

Por
5 anos atrás

Tirar fotos de tudo durante uma viagem para lembrar de cada detalhezinho, ainda mais com milhares de cliques disponíveis nas câmeras e smartphones atuais, pode não ser uma ideia muito boa, apesar de tentadora. Aliás, pode surtir o efeito contrário, segundo uma pesquisa feita em uma universidade americana.

A doutora Linda Henkel, da Universidade de Fairfield, em Connecticut, realizou um experimento em um museu para ver como as pessoas se relacionavam com as memórias que registravam. Foi pedido ao grupo de voluntários que tirasse fotos dos objetos da exposição ou tentasse se lembrar deles.

No dia seguinte, foi pedido que eles falassem dos objetos vistos. O resultado foi que a maioria das pessoas conseguia dar menos detalhes dos objetos fotografados que dos que foram apenas observados.

Lembrar dos turistas fazendo a mesma pose vale mais a pena que tirar uma foto igual à de todo mundo?

Lembrar dos turistas fazendo a mesma pose vale mais a pena que tirar uma foto igual à de todo mundo?

“Quando as pessoas confiam na tecnologia para lembrar das coisas para eles – confiando na câmera para gravar o evento e não precisar estar nele completamente – pode ter um impacto negativo em quão bem elas se lembram das experiências”, explica Henkel. O nome dado à descoberta é “photo-taking impairment effect”, algo como “efeito de perda ao tirar fotos”. É a justificativa apresentada por alguns músicos, como Beyoncé, Prince e Björk, para pedir que fotos não sejam tiradas em seus shows.

A equipe de Henkel identificou, ainda, um outro “fenômeno”: quando um detalhe é fotografado, a mente se lembra do objeto inteiro, e não apenas do que foi enquadrado.

Os próximos passos da pesquisa são analisar elementos: descobrir se fotografar-se no lugar altera a memória da situação e se ativamente escolher o que fotografar pode fazer com que se preste mais atenção – na pesquisa feita, foi direcionado aos participantes o que poderia ser fotografado, resultando num ambiente controlado, que nem sempre corresponde à vida real.

Com informações: Telegraph

Mais sobre: ,