Início » Telecomunicações » AT&T quer que algumas empresas paguem a conta de internet no lugar do usuário

AT&T quer que algumas empresas paguem a conta de internet no lugar do usuário

Avatar Por

A maior operadora de telefonia dos Estados Unidos percebeu que está na hora dos gigantes da internet ajudarem a pagar a conta no fim do mês. Por esse motivo, a AT&T inaugurou um novo serviço chamado Sponsored Data (Dados Patrocinados) que será oferecido ao mercado e qualquer empresa terá a chance de subsidiar parte do tráfego de dados dos assinantes. Obviamente, esse subsídio valerá para os conteúdos que os patrocinadores acharem relevantes. A AT&T está de olho no Google, segundo uma reportagem do Wall Street Journal.

O plano é muito simples: o assinante recebe gratuitamente uma parte dos dados que utiliza ao longo do dia, desde que seja promovido por alguma empresa. No exemplo do WSJ, o Netflix poderia liberar o acesso a uma nova série com direito tanto ao conteúdo gratuito quanto à infraestrutura de rede necessária para assistir àquele episódio. O Google poderia fazer o mesmo para o acesso ao Google+.

Já pensou: a Netflix paga o custo de internet pra você assistir a uma nova série?

Já pensou: a Netflix paga o custo de internet pra você assistir a uma nova série?

Essa não é exatamente uma novidade aqui no Brasil, embora a aplicação seja um pouco diferente. Algumas operadoras locais liberaram o acesso às redes sociais sem custos – desde que o assinante não saia dos limites estabelecidos. Por exemplo, a Claro e a TIM permitem usar o Twitter sem pagar em alguns cenários. Se não me engano, a empresa de origem italiana possui acordo similar com o Facebook.

As operadoras americanas reclamam faz tempo de que a conta principal para manter a internet fica com elas, enquanto os grandes serviços online simplesmente usam a estrutura sem pagar nada – ou quase nada – por isso. Não chega a ser uma verdade absoluta: o Google mesmo participa de várias frentes de investimento no setor. Também aplica recursos em CDN, uma forma de manter o conteúdo fisicamente mais próximo dos internautas. Sim, traz vantagens para o buscador, mas também é uma forma de desafogar o tráfego em outras partes do mundo.

No caso da AT&T, três empresas já resolveram participar do Sponsored Data: a seguradora UnitedHealth, a empresa de marketing Aquto e uma fornecedora de serviços de nuvem Kony. A seguradora vai liberar o acesso a alguns sites e apps relacionados com saúde. Já a Aquto permitirá aos clientes usarem a tecnologia para exibir anúncios. Por fim, a Kony tem parceiros comerciais interessados em subsidiar especificamente o acesso dos empregados à internet. É uma forma curiosa de usar o serviço.

O WSJ lembra que a Amazon paga uma quantia mensal à AT&T para a conectividade do Kindle nos Estados Unidos. É graças a essa magia que o consumidor faz a compra de um novo título e, segundos depois, o conteúdo aparece no leitor de e-books. Tudo de graça.

Já a ESPN está em conversas com "pelo menos uma grande operadora" para subsidiar o acesso aos conteúdos da rede esportiva (uma empresa da Disney, por sinal).

IMG_20140109_094059

Imagina se a moda pega? Aqui no Brasil, consigo visualizar a Rede Globo fechando parcerias para transmitir os telejornais em tempo real, com acesso pago pelos anunciantes do canal. Ou então a entrega de revistas digitais da Abril diretamente nos tablets, com o tráfego de dados já incluso na assinatura. Melhor ainda se fosse sem limite de velocidade, vamos combinar.

Falta saber como um modelo de negócios assim poderia afetar a neutralidade da rede prevista no Marco Civil da Internet – aquele que ainda não foi votado.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Matthews Barbosa
Na verdade essa ideia é uma reciclagem de uma outra estúpida ideia que queria que serviços/sites pagassem contas devido ao acesso feito por usuários sendo que eles já gastam com servidores, domínios e muitas outras coisas, só que dessa vez a ideia ta sendo proposta pro usuário final que é pra ver se ganha adesão da massa e isso forma uma espécie de pressão para que os sites/serviços acabem se comprometendo a pagar a conta... O próprio TB noticiou sobre isso: http://tecnoblog.net/112106/operadoras-youtube-video/ Pra mim, tal qual a ideia original, ela é bem, mas BEM idiota, afinal (por exemplo): um serviço de streaming pagar pra ser assistido pra poder gerar renda pra pagar o acesso. (oi?) Simplesmente é ilógico.
Vagner Alexandre Abreu
No "marco civíl da internet", há a consideração de que dados entre cliente e operadora deve ser livre e neutro, sem distinção de tipos de dados. Este tipo de atitude fere o principio de neutralidade. Por isso se o marco civil for aprovado, não duvide que este tipo de atitude não será tolerada no país.
WisleyMoreira
Ridículo querer cobrar das empresas por algo que elas já pagam e pagam CARO. Todo mundo sabe que todo datacenter paga muito dinheiro para ter um link dedicado de alta velocidade para os servidores serem acessados pelos usuários através da internet, geralmente eles utilizam serviços de link dedicado de até 4 operadoras diferentes para manter a disponibilidade garantida. Ou seja: o consumidor paga para acessar a internet, a empresa paga para seus servidores serem acessados na internet. A única que não ta pagando nada é a operadora.
Rodrigo Fante
Eu como usuário pago pelo acesso a internet. Sites pagam pelo link para operadora. Se a conta não fecha é problema de gestão deles, agora gerar uma cobrança duplicada?
Bruno Pena
Penso que isso nao é uma novidade,mas sim uma aplicacao mais específica de revenue share, concordam? Obrigado
Thássius Veloso
Acho que você não entendeu muito bem o texto, Edmilson. Os sites não "têm" que pagar para serem acessados. Na realidade, os serviços ficam livres para fazer uma divulgação sem depender do consumo de dados do usuário. Vamos combinar que, no celular, qualquer coisa que alivie um pouco a franquia mensal de dados pode ser bem-vinda para muita gente.
Edmilson Junior
O usuário paga pelo acesso, a operadora está sendo bem paga por isso. Os sites terem de pagar para serem acessados seria o mesmo de eu ter ed pagar para receber cartas.