Início » Brasil » Justiça dá prazo de 24 horas para Google tirar comercial adulterado do YouTube

Justiça dá prazo de 24 horas para Google tirar comercial adulterado do YouTube

Avatar Por

A Justiça Federal deu prazo de 24 horas para o Google tirar do ar todos os vídeos publicados no YouTube que fazem paródia de uma campanha publicitária da fabricante de motos Dafra. Caso o buscador não cumpra a decisão imediatamente após receber o aviso, deverá pagar multa de R$ 500 por dia de infração.

Você provavelmente já assistiu a esse vídeo. Nele aparece o ator Wagner Moura com uma nova dublagem, usando palavrões para dizer que as motos da Dafra decepcionam o consumidor. Foi o maior sucesso em número de visualizações. Mas, de acordo com a assessoria do Superior Tribunal de Justiça, o material "denigre a marca com termos chulos e palavras de baixo calão".

YouTube - Dafra

A Justiça já deu ganho de causa à Dafra em instâncias inferiores e o Google cumpriu a decisão de apagar o conteúdo. Entretanto, novos uploads foram feitos, pois como sabemos, o que cai na rede é peixe. A fabricante e a agência de publicidade Loducca entraram novamente no Judiciário para que dessa vez o Google apague todos os vídeos que reproduzam aquela primeira paródia.

Além disso, pediram que o YouTube não informe mais o motivo de o conteúdo não estar no ar. Normalmente o site informa que "Este vídeo não está mais disponível devido à reivindicação de direitos autorais por Dafra". A companhia não quer mais que isso acontença.

O Google alegou diante do Judiciário que não existe tecnologia atualmente disponível para filtrar e bloquear a disponibilização de material fraudulento. No TJ de São Paulo, os magistrados reconheceram essa "impossibilidade técnica" de controle prévio, mas mantiveram a determinação de apagar o conteúdo tão logo ele seja postado.

Curiosamente, o Google emprega no YouTube uma ferramenta chamada Content ID que faz a varredura de todos os vídeos enviados ao site para detectar material que infrinja os direitos autorais da indústria do cinema e da música. Aqui no Brasil, a TV Globo usa o mesmo recurso para proteger todo o conteúdo de entretenimento da emissora. Mesmo com essa tecnologia de ponta, o YouTube não consegue usá-la para simplesmente detectar vídeos duplicados. Isso é bastante esquisito.

Há uma enorme discussão a respeito do assunto. O ministro Luis Felipe Salomão, relator do processo no STJ, disse que é preciso debater o limite da responsabilidade dos provedores de internet, uma vez que constantemente nós temos notícias de violações à vida privada de pessoas e empresas. Ele citou "julgamentos sumários e linchamentos públicos de inocentes" que são potencializados pela "natureza disseminadora" da internet.

O Google ainda não recebeu a notificação judicial. Em resposta ao portal G1, a empresa comentou o seguinte: "Vale ressaltar que a empresa não dispõe de filtros para monitorar de maneira prévia o conteúdo colocado no YouTube e consegue remover apenas vídeos cujos URLs tenham sido especificados".

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Felype Potestino Costa
Vagner Alexandre Abreu Assim como tinha comentado a marca não iria ser denegrida se tive um serviço realmente bom. E eu acho que as pessoas tem o direito de criticar da forma que bem entender qualquer serviço ou marca porque critica é uma forma de expressão seja ela rude ou não. Agora criticar pessoas de forma rude é outro ponto pois isso é apenas ofensa. E ao analisar o histórico da dafra contra as concorrente acredito que chega a ser vergonhoso o seu desempenho como marca. Para resumir a dafra errou feio em querer censurar uma critica, e volto a afirmar não quer ser ridicularizado ou criticado em um pais capitalista ao colocar sua marca "a tapa" basta fazer um serviço e/ou um produto de qualidade.
Fer
Porque um consumidor não pode falar mal de uma empresa ou produto... É desleal com a empresa, não com o consumidor que gastou seu dinheiro pra se f*d&r (se o objetivo posse esse, contrataria um prostituto, não compraria uma moto, telefone, etc).
Luciano Oechsler
Vagner Alexandre Abreu, acho que você deveria abrir um pouco mais a mente e visualizar os comentários desta publicação de outras maneiras; Ninguém afirmou que gosta de denegrir os outros... apenas tenho a concepção de que os nativos de nosso país não são os mais evoluídos do mundo a ponto de simplesmente ignorar tal façanha, pois convenhamos, ficou muito bem elaborado.
Vagner Alexandre Abreu
A culpa não é do Youtube, mas ela tem a capacidade de interferir entre o emissor e o público. Provavelmente os criadores da paródia já devem ter levado um processo gigante nas costas. Neste caso, para impedir, só se a Justiça colocar uma multa que seria aplicada aos "uploaders" e não ao Youtube. Nessas horas, precisamos da NSA :p
Vagner Alexandre Abreu
Você é um bos*, um c*z*o e um mer**. Quer dizer que posso xingar, ofende-lo, denegri-lo a vontade e não serei processado? Entenda uma coisa. Mesmo que a marca seja ruim, seja Dafra ou qualquer outra, imagino que muitos não aceitariam que uma empresa chamasse seus clientes de "idiotas", de "mer*" e outros. Seja sincero: você pode gostar de denegrir, mas odeia quando te denigrem, correto? Se a marca é ruim, o "boca a boca" (o Reclame Aqui hoje virou um bom site para isso) e as exposições de problemas da marca já resolvem a questão de "botar a mesma para baixo". Tem gente que pensa que ofensa é humor, que xingar ajuda em algo. Isso tudo são formas de violência (verbal) e no final mais prejudicam do que ajudam a melhorar uma marca. Não adianta uma marca tentar trazer novos produtos bons se infelizmente o preconceito já ficou estabelecido e por mais que a mesma marca tente se revitalizar, já ficou marcada. Imagine isso contigo: falam que seu serviço como analista de informática é porco, nojento, caro e uma porcaria. Você ia gostar? O pessoal reclama da censura mas provavelmente muitos queriam ter o poder de calar a boca de alguns. Admitam.
Mauricio Junior
É cedo pra eles verem isso. Esse vídeo já tem uns 4 anos. Bem atrasadinhos.
EFG
Aka... Streisand effect
Mauricio Bandeira Candido Martins
nao vi esse comercial...
Elton Paes
A google oferece um serviço aos "clientes", e a mesma não é responsável pelo que seus "clientes" postam, quem é responsável é unicamente quem postou, por isso há cadastramento de conta antes de efetuar qualquer upload. Vocês NUNCA conseguirão censurar a internet, aqui não é a terra de vocês LIXOS hipócritas!
Fabio Dovalle
É levando na cabeça que a gente aprende! É censura mesmo! Por isso que hoje em dia não se pode fazer nem uma paródia ou algo parecido que tenha o nome dos políticos, mesmo aqueles compravados na justiça que são ladrões!! Água mole em pedra dura tanto bate até que fura!!
Edipo Gonçalves
Cara, pq em vez de processar o youtube não vão atrás de quem postou? Mete na cadeia logo. Ficar culpando o youtube náo vai resolver nada.
@
Luciano Oechsler Há um tempo atrás, o Google caiu por cerca de 1 e 5 minutos (todos os serviços - de busca até a rede social) e uma rede de notícias britânica calculou que o Google perdeu 500 mil dólares. É um número muito grande. Além disso houve uma queda de 40% do tráfego na web.
Emanuel Araújo
Era piada, cara.
Luciano Oechsler
Desculpa, mas eu achei sensacional. Duvido muito que exista outra maneira de chamar a atenção dos brasileiros para que estes acordem para a realidade a ponto de lutarem também pelo direito de poder adquirir algo de qualidade!
Luciano Oechsler
Não podem não, fica tranquilo.
Exibir mais comentários