Início » Jogos » EA paga – e muito bem – para youtubers promoverem seus jogos

EA paga – e muito bem – para youtubers promoverem seus jogos

Por
6 anos atrás

Ontem falamos da ação da Machinima que pagava youtubers que falassem bem do Xbox One e todas as implicações éticas e legais que isso traz. Hoje, outra empresa de games é acusada de fazer o mesmo: a EA, por meio do programa Ronku.

O Ronku, segundo é dito no site, existe para “conectar grandes gamers do YouTube com as pessoas que fazem os jogos que eles adoram jogar”. Na prática, é uma plataforma de remuneração de youtubers para que eles promovam jogos da EA.

A denúncia veio do fórum NeoGAF, junto com screenshots dos “briefings” das campanhas de Battlefield 4 e Need For Speed: Rivals, detalhando o que deveria ser mostrado e enfatizado – como os efeitos do Levolution no BF4 e cruzar a linha de chegada em N4S – e o que deveria ficar de fora – basicamente, os bugs dos jogos.

K524Kmz

3xBYPm9

Segundo o fórum, os youtubers que aderirem às campanhas também não podem mencionar que estão sendo pagos. O usuário que fez a postagem diz que, no documento ao qual teve acesso, o youtuber é orientado a manter todos os assuntos e detalhes relacionados à ação confidenciais, inclusive a remuneração oferecida. Que, aliás, é bem generosa: a EA oferece, normalmente, 10 dólares a cada mil visualizações dos vídeos.

r8tXTYd

O problema é que, ao fazer uma publicidade e não sinalizá-la como publicidade, o youtuber está infringindo a lei: a Comissão Federal do Comércio dos EUA (FTC) diz que é necessário deixar claro que se trata de uma propaganda. A mesma coisa acontece no Brasil, aliás: a CONAR exige que toda publicidade seja sinalizada como tal.

Já ser pago para falar bem de algo é ferir os princípios da ética e desrespeitar sua própria audiência – aquela que vê os vídeos e é responsável pelo youtuber conseguir contratos comerciais e dinheiro no bolso.

Ninguém encontrou, por enquanto, provas de que o tal documento no qual a EA supostamente pede que fique tudo na surdina é verdadeiro. Mas, em nota, a empresa o contradiz, dizendo que “o programa exige que os participantes obedeçam as orientações da FTC e identifiquem quando um conteúdo é patrocinado” – nesse caso, não há nada de errado nos vídeos patrocinados, de acordo com a lei.

Com informações: Gamespot