Início » Games » B9, publisher brasileira, tem foco em jogos mobile e pretende unir profissionais da área

B9, publisher brasileira, tem foco em jogos mobile e pretende unir profissionais da área

Por
5 anos atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Na última sexta-feira, a notícia que mais causou barulho na comunidade de games no território nacional foi o lançamento da B9 Corp, descrita como a primeira publisher de jogos brasileira – informação que não está exatamente certa; a Hoplon, por exemplo, já faz isso há bem mais tempo.

Com nomes como Moacyr Alves Jr., presidente da Acigames, entre rol de apoiadores, a intenção da B9 é “facilitar a vida dos desenvolvedores brasileiros”. Como? Aparentemente, tudo será parte de uma grande rede em que profissionais do ramo poderão se comunicar e montar equipes para seus projetos.

A ideia é que designers encontrem bons programadores, programadores encontrem bons desenvolvedores e assim por diante. Além disso, a empresa é declarada como uma organização de capital aberto, com foco no investimento na área de jogos e aplicativos brasileiros e também para fora do Brasil. Vale mencionar que o carro-chefe da publicadora serão os jogos mobile.

Cada um dos Times de Produção, como é chamada cada equipe, escolhe para si um desafio, produz e desenvolve um jogo, contando com o apoio de um gestor de projetos e da publisher. Então, o projeto é lançado no Brasil e em outros países, por meio da App Store e do Google Play.

O gráfico abaixo explica como o serviço da publisher funcionará:

b9-publicadora

O primeiro passo é ter uma ideia. Então, você a envia para aprovação da banca da B9, que a encaminha posteriormente para a comunidade e, caso o projeto passe em todas as fases, compete com outras “melhores ideias da semana”. A grande vencedora será divulgada em sites de financiamento colaborativo (a parceria da B9 nesse aspecto é a Kickante), para que possa, então, ser publicada.

A verba acarretada na distribuição do jogo passa a ser dividida entre a desenvolvedora e a publicadora, com valores previamente estabelecidos por contrato. A B9 garante que seu dízimo vai todo para a manutenção da empresa e para verbas de marketing de cada projeto.

A B9 garante “Além de receber apoio da International Game Developers Association (IGDA) a publisher oferece outros diferenciais aos seus parceiros como: acordos internacionais de distribuição, incentivo à estúdios e desenvolvedoras independentes, analise de  investimentos, auxílio em na área financeira, administrativa, tecnologia, marketing, jurídica, contábil, recursos humanos, entre outras”.

Ainda não foi revelado nenhum nome de projeto ou de equipe, mas a informação é de que há três projetos encaminhados. Amanhã, às 10h, a B9 será oficialmente apresentada na Campus Party por Mario Aguilar, Moacyr Alves Jr. e Daniel Vekony, e devem ser dados mais detalhes sobre sua forma de atuação e jogos já engatilhados.

Mais sobre: