Início » Internet » Rumor do dia: Amazon está cada vez mais próxima de oferecer streaming de música

Rumor do dia: Amazon está cada vez mais próxima de oferecer streaming de música

Emerson Alecrim Por

Os rumores de que a Amazon está prestes a disputar espaço no segmento de streaming de áudio estão cada vez mais fortes. De acordo com uma matéria publicada recentemente pelo The Wall Street Journal, a empresa já possui negociações em andamento com grandes players da indústria fonográfica, entre eles, Universal, Sony Music e Warner.

O jornal também deu detalhes de como poderá funcionar o serviço. O modelo tradicional de assinatura mensal não está necessariamente descartado, mas é bastante provável que a companhia opte por direcionar a possível novidade aos assinantes da Amazon Prime, que atualmente oferece streaming de vídeo e outros benefícios ao custo de US$ 79 por ano.

Não termina aí. A Amazon também pode estar considerando limitar o acesso ao acervo, de forma que o usuário possa escutar músicas ou álbuns apenas por um determinado número de vezes. O motivo? Estimular a aquisição de faixas via download, opção que a Amazon oferece há tempos.

Amazon Player - MP3

Pode parecer uma postura "mercenária", mas é possível que a Amazon esteja se baseando nas teorias – uma delas defendida pelo pessoal do Napster, veja só - que apontam que boa parte dos usuários utiliza serviço de streaming para descobrir novos artistas ou canções.

Em outras palavras, estes posicionamentos sugerem que o consumidor é mais propenso a adquirir música depois de descobri-las por streaming. Se esta visão estiver correta, a Amazon tem então um argumento relevante para conseguir acordos mais competitivos com gravadoras e distribuidoras, o que é importante para um momento em que se questiona a viabilidade do modelo de transmissão de áudio.

Uma informação publicada nesta semana pela revista Billboard corrobora com esta estratégia: em sua proposta mais recente, a Amazon teria oferecido um acordo de US$ 30 milhões às gravadoras, sendo US$ 25 milhões para os maiores nomes e o restante para selos independentes. Estes valores seriam renováveis e pagos independentemente da quantidade de vezes que as músicas disponibilizadas forem acessadas.

Procurada, a Amazon não quis tecer qualquer comentário sobre o assunto, o que serve para dar ainda mais força aos rumores.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Josiel Hen
Amazon esta atirando pra todos os lados, parece uma Nintendo da vida, mas bem , já que a desculpa da era é "quanto mais concorrência, melhor", fazer o que?
RamonGonz
Interessante... Eu nem sabia que os serviços de streaming tem baixa receita. Eu sinceramente acho um custo-benefício incrível pelo gigantesco acervo. Pra mim como cliente é um dos poucos negócios realmente vantajosos que já fiz. Espero sinceramente que arrumem outras formas de gerar receita e se firmem de vez no mercado. Concordo com você, acho que todas essas formas de distribuição de música estão no início de um amadurecimento e acho que poderemos ter ainda muitas mudanças pela frente. Como diria o pessoal do Fantástico: "estamos de olho!" :D
Emerson Alecrim
Para ser franco, Ramon, eu acho que estas teorias são uma desculpa dada para a baixa receita obtida pelos serviços de streaming, categoria que o Napster se encaixa atualmente. É um modelo de negócio que precisa ser amadurecido, é verdade, mas menosprezar seu potencial para se esquivar da pressão de investidores ou gravadoras é um tiro no pé, como você bem disse. Enfim, é esperar para ver.
RamonGonz
"A Amazon também pode estar considerando limitar o acesso ao acervo, de forma que o usuário possa escutar músicas ou álbuns apenas por um determinado número de vezes. O motivo? Estimular a aquisição de faixas via download, opção que a Amazon oferece há tempos." (...)"sugerem que o consumidor é mais propenso a adquirir música depois de descobri-las por streaming"(...) Sinceramente não sei de onde Amazon e Napster tiraram essa teoria. Eu uso streaming desde o lançamento do Xbox Music, nunca mais comprei músicas e não pretendo usar outro meio (diferente do streaming) tão cedo. Se for pra limitar execução de músicas tinha que ser um serviço gratuito de "degustação". Estranho a Amazon errar assim, mas isso ai me parece um tiro no pé! Vamos ver...