Início » Internet » O primeiro a noticiar o terremoto em Los Angeles foi um robô

O primeiro a noticiar o terremoto em Los Angeles foi um robô

Avatar Por
6 anos atrás

Na segunda-feira, um terremoto de 4,7 graus na escala Richter atingiu Los Angeles. O primeiro veículo a dar a notícia foi o site do jornal Los Angeles Times, que, cerca de três minutos após o tremor, já estava com a matéria no ar. Não era matéria de gaveta - e nem tinha como ser, afinal, estamos falando de um terremoto. Quem deu o furo foi um robô.

O tal robô se chama Quakebot e é, na verdade, um algoritmo criado pelo jornalista Ken Schwencke que integra informações do Serviço Geológico dos Estados Unidos e um modelo de artigo já pronto. Quando há um terremoto, as informações são enviadas para o Quakebot, ele as arruma no texto e deixa o artigo pendente.

los angeles times

Então, quando Schwencke acordou, assustado com o tremor, foi só dar uma lida rápida e publicar a matéria. O bot "escreveu" os três parágrafos a seguir (mantivemos em inglês para não perder detalhes gramaticais na tradução):

A shallow magnitude 4.7 earthquake was reported Monday morning five miles from Westwood, California, according to the U.S. Geological Survey. The temblor occurred at 6:25 a.m. Pacific time at a depth of 5.0 miles.
According to the USGS, the epicenter was six miles from Beverly Hills, California, seven miles from Universal City, California, seven miles from Santa Monica, California and 348 miles from Sacramento, California. In the past ten days, there have been no earthquakes magnitude 3.0 and greater centered nearby.
This information comes from the USGS Earthquake Notification Service and this post was created by an algorithm written by the author.

Bem simples e direto ao ponto, como costumam ser as notícias urgentes escritas por jornalistas, né? Só que ficou pronto em muito menos tempo.

Ainda assim, o criador do algoritmo não acredita que ele ameace a profissão do jornalista ou as redações: além de não ter o lado humano (prova disso é que o post foi atualizado 71 vezes nas horas seguintes por jornalistas que tinham novas informações), o Quakebot é um complemento, algo que "economiza muito tempo" na profissão: enquanto o robô se preocupa com as partes mais, digamos, técnicas, o jornalista pode ir atrás de outras histórias relacionadas ao ocorrido.

Com informações: Slate

Mais sobre: