Início » Telecom » Facebook quer ampliar o acesso à internet no mundo usando drones, satélites e laser

Facebook quer ampliar o acesso à internet no mundo usando drones, satélites e laser

Por
3 anos e meio atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Quando o Facebook anunciou o Internet.org, projeto filantrópico que visa levar internet para o mundo inteiro, a empresa justificou a sua iniciativa dizendo que duas de cada três pessoas não têm como ficar online. Cerca de seis meses depois, a organização parece ter progredido: Mark Zuckerberg anunciou recentemente um plano para levar internet a lugares remotos utilizando uma combinação de drones, satélites e até raios laser.

Mais precisamente, o fundador do Facebook apresentou um projeto que está a cargo da Connectivity Lab, uma divisão dentro do Internet.org que tem a missão de trabalhar com as mencionadas tecnologias para criar formas de acesso à internet capazes de cobrir regiões que hoje são precariamente ou pouco atendidas, seja por desinteresse de operadoras, seja por falta de investimentos de governos, seja por condições geográficas complexas, enfim.

O grupo já está desenvolvendo a ideia há alguns meses, na verdade, e conta com a participação de integrantes talentosos de várias instituições, com destaque para NASA e National Optical Astronomy Observatory.

Drone - Internet.org

A colaboração mais relevante, no entanto, vem da Ascenta, uma companhia britânica que tem entre seus membros pesquisadores que ajudaram a criar o drone Zephyr, que é alimentado via energia solar. Isso significa que o equipamento pode passar vários dias seguidos no ar. Para você ter uma ideia, o Zephyr é, até o momento, o drone que ficou mais tempo voando de maneira ininterrupta: 336 horas e 22 minutos – mais de 14 dias.

Assim como o Project Loon, do Google, e o projeto brasileiro que vem sendo desenvolvido pelo INPE e pela empresa Altave, a ideia se baseia em tecnologias já bem desenvolvidas, embora ainda em vias de aperfeiçoamento. A combinação delas para o fim proposto – oferecer acesso à internet – é que é inédita. Em outras palavras, estamos diante de uma proposta ousada e deveras complexa, mas não necessariamente impossível.

O trabalho da Connectivity Lab ainda está em fase inicial, portanto, não há detalhes sobre o projeto. A intenção ao menos pode ser explicada de maneira simplificada: desenvolver um equipamento de comunicação óptica que, uma vez instalado em satélites (mais apropriado para áreas menos densas) e drones, pode transmitir sinal via laser infravermelho a receptores no solo.

É tudo muito futurista, talvez megalomaníaco, e nem o fato de o Connectivity Lab contar com um time de peso é capaz de garantir o sucesso da iniciativa. Mas, mesmo que o projeto não saia como o planejado, pode ser que dali surja alguma tecnologia notoriamente relevante.

De todo modo, não custa ressaltar que o Connectivity Lab é apenas um dos projetos do Internet.org. O próprio Zuckerberg ressaltou que, no ano passado, a organização conseguiu levar internet a 3 milhões de pessoas nas Filipinas e no Paraguai de maneira mais “palpável”: parcerias com operadoras móveis.

Possíveis interesses obscuros à parte, é no mínimo interessante ver grandes nomes da internet se comprometendo com o desafio de ampliar o acesso enfrentando uma série de adversidades.

  • qgustavor

    Enquanto isso estou atrasado em relação a programar minhas peças para o primeiro de abril.