Início » Aplicativos e Software » Pesquisa constata o óbvio: quase todo mundo ignora bloatwares, ao menos nos aparelhos da Samsung

Pesquisa constata o óbvio: quase todo mundo ignora bloatwares, ao menos nos aparelhos da Samsung

Por
5 anos atrás

Você compra um smartphone com tela fantástica, uma câmera mais incrível ainda e sensores que tornam o aparelho quase mágico. Mas, no meio de tanta sofisticação, lá estão eles, os bloatwares, um exército de aplicativos pré-instalados que você provavelmente nunca irá usar. Nunca mesmo: uma pesquisa recente da Strategy Analytics mostra que a prática de distribuir software desta maneira traz resultados quase nulos em termos de engajamento.

O alvo do levantamento foram os aparelhos Galaxy S3 e Galaxy S4, da Samsung. De fato, a companhia coreana está entre as que mais distribuem softwares em seus dispositivos móveis, boa parte deles referente a ferramentas próprias, como o serviço de mensagens ChatON, o app de lembretes S Memo e o assistente de voz S Voice.

Para estimar o impacto de aplicativos como estes, a Strategy Analytics monitorou as atividades de 250 usuários dos mencionados smartphones durante um mês inteiro nos Estados Unidos. A conclusão é a de que, tal como você deve saber por experiência própria, estes softwares são sumariamente ignorados pela maioria das pessoas.

A média de uso do ChatON, por exemplo, foi de apenas seis segundos durante todo o mês de avaliação. Em contraste, o app do Facebook teve média de uso de 11 horas; o Instagram, de aproximadamente duas horas.

Bloatwares - Samsung

De modo geral, os aplicativos pré-instalados da Samsung tiveram, juntos, uma média de uso de apenas sete minutos. Em relação aos apps nativos do Google, este número aumentou para consideráveis 149 minutos.

O recado é claro, talvez óbvio: não é porque o aplicativo está lá que as pessoas irão utilizá-lo, por mais eficiente que o software se mostre. Há sempre outra motivação por trás da decisão de uso. No caso dos apps do Google, provavelmente os usuários já conheciam os correspondentes serviços antes de adquirir o aparelho.

A visão que se tem dos bloatwares talvez não seria tão negativa se estes softwares pudessem ao menos ser desinstalados – a maioria deles só pode ser removida quando o usuário faz acesso em modo “root” ao sistema, procedimento que exige conhecimentos técnicos mais apurados e que, portanto, é executado por uma minoria.

Apesar dos aspectos negativos, ainda estamos longe do dia em que não encontraremos mais dispositivos móveis recheados de bloatwares. A exceção fica para um fabricante ou outro, mas, para muitos deles, há acordos comerciais que justificam o incômodo que estes softwares podem causar aos usuários.

Além disso, pode haver razões mais obscuras para estes programas serem mantidos. A própria Samsung, por exemplo, declarou no ano passado que o ChatON ultrapassou a marca de 100 milhões de usuários no mundo todo. Claro, o app está presente em quase todos os aparelhos da marca. Agora, por que a companhia não revela a média de mensagens que são efetivamente trocadas pelo serviço diariamente?

Com informações: WSJ.com

Mais sobre: ,
Participe das conversas do Tecnoblog

Leia o post inteiro antes de comentar
e seja legal com seus amiguinhos.

Carregar Comentários Conheça nossa política de comentários aqui.