Início » Celular » Tecnocast 002 – Please Don’t Stop The Music

Tecnocast 002 – Please Don’t Stop The Music

Paulo Higa Por

Como prometido, duas semanas depois, estamos de volta aos microfones! No Tecnocast 002, falamos sobre consumo de música. Como ouvíamos música nos velhos tempos, quando a internet estava longe de ser tão popular quanto hoje? Quais são os meios mais práticos, baratos e vantajosos para se consumir música atualmente? Quando foi a última vez que você comprou um CD?

tecnocast-002

Thiago MobilonGiovana PenattiPaulo HigaLeandro Alonso e Lucas Braga discutem os meios de consumo de música e contam suas historinhas desde quando nós gravávamos fitas cassete, passando pela explosão do Napster e outros softwares de compartilhamento de arquivos, até chegarmos aos dias atuais, com a alta proliferação de músicas digitais. Pause a música que você estiver ouvindo e dê play neste episódio!

Philips TVs e Monitores

Links citados no Tecnocast

Marcações

00h02m50s – Caixa Postal
00h12m53s – Início da conversa
00h29m29s – Napster, eMule, KaZaa e Rádio FM.
00h56m50s – Walkman, Discman, MiniDisc e… pochete? Oo
01h07m24s – Discutindo a enquete
01h19m50s – Now Playing: Unknown Artist Track 1

Caixa Postal

Envie seu comentário, dúvida ou sugestão para [email protected].

Assine o Tecnocast

Edição e Sonorização

Tecnocast é editado por Radiofobia Podcast e Multimídia.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Junior Camargo
O truque pra ouvir youtube no iPhone ainda funciona, é só dar play no vídeo, sair do navegador e deslizar o dedo de baixo pra cima e dar play pela central de controle xD
Marcão sparcos
Saudações Galera do Tecnoblog, Parabéns pelo podcast e pelo assunto escolhido, espero que continuem a fazer mais podcasts dando assim, mas uma opção no leque de excelentes podcasts! Esse podcast foi uma viagem em minha infância e adolescência de várzea quando tinha 11 anos, ganhei de aniversário um Walkman (o da Sony) e adorava ouvir minhas músicas preferidas nele, as vezes dormia com o botão play ligado e minha mãe guardava ele hehehe. Já em minha fase adolescente, quando comecei a ouvir rock e Heavy Metal, comprava muitos Cd's (Originais e piratas) e quem tinha o maior arsenal possível era o cara, tenho 2 porta-cds guardados em casa até hoje, era uma época mágica rsssss. O Kazaa foi uma revolução, lembro que até eu e uns amigos fizemos uma vaquinha pra comprar um gravador de CD pro PC (Que era da irmã de um amigo kkkkk) Foi algo revolucionário na época gravar o próprio CD! Lembro que em meados de 2006 e 2007, parei de utilizar o Kazaa e o LimeWire por causa da excelente comunidade "Discografias" que tinha no quase morto Orkut. O Conteúdo era vasto e tinha de tudo, a vantagem era não baixar faixa por faixa, pena que as gravadoras estragaram tudo (na época). Admito, baixava muitas música e tinha Cd's piratas, mas minhas bandas favoritas, fazia questão de comprar o conteúdo original, mas hoje isso acabou ficando obsoleto por conta dos serviços streaming, (ou fiquei velho e rancoroso e gasto minha grana em outras coisas...) sem contar a facilidade dos pen drives da vida, onde pode se armazenar varias músicas em pouquíssimo espaço. Atualmente utilizo o 8tracks pra ouvir playlists e o Grooveshark, na versão web enquanto estou no trabalho, pretendo testar o tão famoso Spotify pra ver como que é. Hoje tenho uma visão diferente e não consumo (tanto) conteúdo pirata, acho que as gravadoras/empresas tem que se reinventar e esses serviços de streaming é uma boa iniciativa! É isso, abraços! PS: Escuto muito Rádio Fm, por 3 motivos: Música, Notícias e Futebol. PS2: Apesar de curtir Rock e Heavy Metal, gosto de Spice Girls huahuauhahuuhauhauh (são uma das coisas que gosto, e tenho vergonha de admitir kkkkkkk).
ciromessias
Bom saber desse lance do Spotify, porque tenho usado a versão gratuita.Mas só como som ambiente para pegar no sono. Então coloco num volume tão baixo, que não percebo a qualidade da música. O Deezer eu uso a versão paga, e agora eles estão disponibilizando as músicas em alta qualidade. É notória a mudança. Junto com os fones que comprei, não existe grave que passe despercebido. Uso muito o TuneIn para ouvir rádios gringas e conhecer novos artistas. É bem bacana mesmo.
ciromessias
Salve Tecnocasters. Senti muito a falta de vocês nesse hiato, e quando despretensiosamente entrei no feed de vocês lá no Beyondpod e vi que havia um episódio novo vibrei a vera. Confesso que sinto um pouco de falta do formato antigo, mas nada que um acesso ao blog não resolva. E o novo formato está igualmente fantástico! Bem, sobre o episódio, eu uso em 90% do tempo o Deezer há uns 2 anos mais ou menos. Antes eu vivia na base do download ilegal de MP3. Mas perdi a paciência de ficar montando playlists, ficar procurando alguns artistas menos comerciais, e sempre que achava era alguma gravação ao vivo em baixíssima qualidade. O Deezer agora lançou o formato HQ, que ocupa mais espaço na memória. Não sei ao certo em qnts kbps estão os arquivos, mas é notória a diferença. Aliado a isso, tem a troca que fiz dos fones de ouvido. Usava o que acompanhava o próprio celular, que é o Sony Xperia ZQ. Até que ele escorregou do meu pescoço, caiu no chão, eu pisei e arrebentou. =( O meu reserva é um Sony MDR-ZX100. Que igualmente ao que arrebentou, são uma porcaria. Mas felizmente neste mesmo dia no Submarino estava em promoção o JBL J55i. Comprei e a diferença não é gritante. É muito mais que isso. Berrante! Alucinante! Ok. não é lá muito discreto, mas nem tudo é perfeito. E aliado a essa atualização do Deezer, está próximo a perfeição. Embora eu esteja pensando em migrar para o Spotify. Uso o gratuito, e acho a interface mais amigável, a busca por playlists mais fácil, e tem quase todo (se não todo) o acervo do Metallica, enquanto que no Deezer só tem o Kill 'em all e o Ride the lightning. Ah! Semelhante a vocês, não sou muito de usar o last.fm, mas me dá um comichão em ouvir música sem fazer o scroble. Já me alonguei demais! Umabraço, tchau!
Edvando Batageli
Acabei de ouvir o podcast e acho engraçado vcs falarem em ter um walkman no início dos anos 2000!! meu primeiro walkman em comprei em 1987 no paraguai junto com meu primeiro IBM/PC 386DX... Nesta época o LP rolava forte e era comum emprestar discos pra poder gravar as musicas.. Minhas fitas eram catalogadas pra facilitar a busca de musicas, inclusive com capinha impressa numa impressora epson matricial... Alguns aparelhos de som (3 em 1) tinham um facilitador pra pular de uma musica pra outra na fita de forma mais rápida... ele faziam um FF e parava quando encontrava o intervalo entre uma musica e outra!!! quando ao walkman a pilha (que nao era alcalina ainda!!!) so servia pra tocar uma fita apenas!!! era punk!!! abraço pra todos e parabéns pelo retorno!!!!
FrankCastle
Parabéns por mais esse episódio! Testei o Spotify e, mesmo com conexão WiFi, achei a qualidade da música bem ruim por padrão. Meu ouvido nota se for menos do que 192kbps. Tomei conhecimento de um app chamado Tune In para uma tarefa do curso de inglês, acabei pegando o costume de ouvir rádios de Notícias como CBN e Rádio Estadão. De música, só uma tal de A-P-Radio (punk rock alemão). Achei legal que, além da capa do álbum, em algumas músicas aparece também o ícone da Itunes Store. Ou seja: gostou, basta tocar no botão e comprar do próprio smartphone (no caso, o iPhone). Acho legal a iTunes Store, mas nela falta algo que, para mim, é essencial: as letras das músicas! Esse aliás, é um dos fortes motivos de ainda comprar alguns CDs em mídia física. Além das bandas que curto não terem sempre as letras na internet, muitas vezes, há erros de digitação ou até de transcrição / interpretação das mesmas. Para quem usa iPhone e tem uma biblioteca grande no iTunes, a dica é o iTunes Match. Você paga uma assinatura anual e pode ouvir toda sua biblioteca na Nuvem (iCloud) ou, se preferir, baixar no aparelho com alta qualidade (de 256kbps a 320kpbs se não me engano). São 25GB e o legal é que se o álbum "upado" existir na iTunes Store, ele não armazena nesse espaço, ele baixa diretamente da loja. Sendo assim, os 25 GB ficam para as músicas não existentes na loja da Apple. Usei no iOS 6 e funcionava que era uma maravilha. No iOS 7 (usando com iPhone 4) ficou ruim: quando clico para baixar um álbum, ele tenta baixar todas músicas simultaneamente ao invés de baixar uma a uma na ordem :-\ Sobre Vinil, ouço muita gente falar que é melhor, mas é difícil constatar, pois aquela vitrola Gradiente que eu usava em casa, desde sempre tinha o som péssimo, chiado... devem existir aparelhos e agulhas muito melhores que devem dar um som mais limpo. Agora uma pergunta: Quem aí tem o costume ou se lembra qual foi a última vez que parou para ouvir um álbum (CD)? Quero dizer, ligar o som / vitrola / toca-cd, etc... e apenas ficar sentando ouvindo as músicas. Hoje noto que as pessoas (eu incluso) só ouvem músicas em segundo plano, enquanto fazem outras tarefas. Estou tentando fazer isso, às vezes, com meus últimos CDs adquiridos. Tentando ouví-los enquanto acompanho as letras no encarte, é bem legal!
Thiago Mobilon
|m|
João Marcos Pádua
Alonso comentou sobre o Superplayer, que é uma boa opção principalmente pelo app que não é limitado como o do Spotify (free).
Renato Santos
Mais um excelente Tecnocast haha devo ressaltar que a abertura foi clássica "for those about to rock, we salute you".