Os anunciantes que utilizam a ferramenta de publicidade do Google, o AdWords, vão perceber nos próximos dias a presença de um novo filtro deveras interessante: direcionar as propagandas para homens e mulheres que possuem filhos. Nada de focar em pessoas sem descendentes, portanto. A novidade imediatamente levantou o alerta sobre o que mais o Google sabe sobre nós.

Spoiler: tudo.

A gente utiliza o buscador para ler emails, assistir vídeos, pesquisar, possivelmente até para falar com amigos e parentes. Não é de se estranhar que o Google use isso para ganhar mais dinheiro online – é desta forma que financiam as próprias atividades.

Uma simples pesquisa que os anunciantes poderão usar a favor deles

Uma simples pesquisa que os anunciantes poderão usar a favor deles

Em resposta ao site da Wired inglesa, o Google informou que desde 2009 sabe inferir se os usuários cadastrados possuem filhos. A diferença é que agora os anunciantes poderão direcionar as campanhas diretamente para o público de papais e mamães espalhados pelo mundo.

Aqui neste Tecnoblog nós publicamos recentemente um artigo bastante completo sobre mineração de dados. Em resumo, trata-se de explorar grandes quantidades de dados para encontrar padrões consistentes. Podem ser, por exemplo, padrões de comportamento. O Google utiliza a análise comportamental para dizer que possui filhos um homem que olhou o mapa da Disney, pesquisou aluguel de carro utilitário para quatro pessoas e depois assistiu vídeos sobre férias em família no YouTube. A partir daí, o céu é o limite em termos de como bombardeá-lo com os mais variados tipos de propaganda.

CEO de uma empresa de software de marketing, Larry Kim disse que a ferramenta é “animadora” para o pessoal do setor. Entretanto, também levantou questionamento sobre até que ponto pode ir a capacidade de granularidade do Google. “Até onde isto vai? Ideologias políticas, talvez. Quero dizer, não há realmente limite para o que eles potencialmente são capazes de fazer.” As declarações foram em entrevista à Wired UK.

O Google disse que não permite que os anúncios sejam direcionados a categorias “mais sensíveis” de consumidores. Eles citam como exemplo: saúde, raça ou sexualidade.

É o fim da privacidade? Não sei dizer. Mas decerto os computadores do Google, entre outras empresas de internet (oi, Amazon!), estão cada vez mais espertos para te oferecer produtos que talvez você nem sequer esteja interessado em comprar. Não vai ser um “Limpar histórico” no navegador que mudará isto.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Nicolas Gleiser
é meio foda porem pratico essa potaria de adword do google , muitas vezes tu pesquisa algo e não acha ... minutos depois aparece o anuncio no facebook ou em alguma pagina ... com o produto que tu queria ... eu nem reclamo .
Adriano Dos Santos
mimimimimimi infinito, as pessoas tem que por na cabeça que quase tudo a internet é gratuito, ai você acho que aonde sai dinheiro pra manter a internet em pé
Gabriel Menossi Suriano
Gente na boa, eu não ligo para isso... Desde que minhas informações não caiam nas mãos de assassinos, ladrões e etc fico tranquilo :P
Flávio de Souza
Os trouxas continuam a usar o Google como instrumento de pesquisa, publicam todos os seus dados em redes sociais, ao invés de utilizarem contas de servidores privados, utilizam e-mail gratuitos (Gmail, Hotmail, Yahoo, etc...), não apagam os cookies de seus browsers quando terminam de navegar, não escolhem também em seus browsers a opção de informar aos sites que não querem ser rastreados e depois querem reclamar.?
Thiago Oliveira Santos
Realmente é importante protege-lo destes males, o que na minha opinião, não é o caso destas propagandas. Para mim propagandas bem direcionadas me ajudam a obter o que eu quero ou preciso pré melhores preços
Filipe Machado
Vale lembrar que no Facebook Ads essa opção de segmentação de anúncios já rola a tempos. Inclusive de maneira bem mais completa, inclusive com opções de filhos até 03 anos, de 04 a 12 anos, 13 a 15, e 16 a 19 anos.
Edmilson Junior
Vagner Alexandre Abreu Ah entendo, eu realmente gastava um tempo precioso passando o mouse pelos botões e vendo os links aqui no Chrome até achar o certo. Raphael Valentim as propagandas são úteis, vejo muita coisa em sites da China então minhas propagandas tendem a ser direcionadas a estes sites alem de me mostrar promoções mas me dá uma agonia mortal quando estou passando o mouse por um texto e vem aquele popup do hotwords.
Vagner Alexandre Abreu
Raphael Valentim Sartori também sou e faço o mesmo que você. Mas tem situações que é meio "impossível" isso. Preferiria uma regulação nestas horas. Afinal, click-bait são nada mais que idiotas tentando fazer dinheiro fácil com a ignorância/inocência alheia.
Vagner Alexandre Abreu
Edmilson Junior corrigi, é "click-bait" (ou clique-isca). É quando você está em algum site que pede para clicar em um link seguinte, seja para download, vídeo, ou até leitura em outra página, e aparece propagandas que simulam o acesso a página seguinte ou ao download necessário. Em resumo: aqueles botões gigantes de download :p
Raphael Valentim Sartori
Vagner Alexandre Abreu Sou adepto do AdBlock, mas alguns sites/blogs que eu acesso e sei que precisam da grana das propagandas, eu deixo desabilitado. =D
Edmilson Junior
Vagner Alexandre Abreu Por causa desse excesso de propagandas e aquelas de popup que instalei o adblock, libero só nos sites que tem propagandas organizadas e não invasivas, tenho ódio mortal das hotwords. Como são estas propagandas click-and-bait?
Vagner Alexandre Abreu
Costumo bloquear as propagandas pelo próprio Facebook. A propósito, uma coisa que acho que deveria entrar em discussão: por que não se pune estas propagandas click-and-bait no Brasil? Poderia criar uma lei específica e punir quem aceita click-and-bait para ser anúncio em seus sites.
Raphael Valentim Sartori
Tenso mesmo é você conversar (pelo hangouts) com sua namorada e dizer que vai dar uma passada na casa dela, e daqui a pouco no Now aparece a rota até a casa dela.
Edmilson Junior
O tenso é a atualização de propagandas, as vezes que nem são oque desejamos comprar. Conversei sobre uma amiga sobre um comercial da Renner, fui na loja, copiei link e mostrei. Resultado: Propagandas de calcinhas no Facebook durante muito tempo.
Vagner Alexandre Abreu
Quando eu tiver um filho pra nascer, vou fazer duas questões: - Como não deixar meu filho exposto aos males do super compartilhamento on-line? - Como faço para meu filho não ser o pior ser online do mundo: comentarista de comentários de sites? :p