Início » Aplicativos e Software » Hora do adeus: Quickoffice será descontinuado pelo Google

Hora do adeus: Quickoffice será descontinuado pelo Google

Emerson Alecrim Por
5 anos atrás

Quando o Quickoffice caiu nas mãos do Google, em junho de 2012, houve quem apostasse que a suíte seria a arma da empresa contra com o Microsoft Office, assim como houve quem acreditasse em sua descontinuação. Infelizmente, este último grupo estava certo: o Quickoffice será removido do Google Play e da App Store nas próximas semanas. Até que durou bastante.

A decisão veio a público na semana passada, mas foi ofuscada pelos anúncios do Google I/O 2014. O próprio evento, no entanto, deu indícios fortes da aposentadoria da suíte: uma das apresentações revelou que as ferramentas do Google Drive serão capazes de editar documentos do Microsoft Office, a principal bandeira do Quickoffice.

O pacote existe pelo menos desde 2002 e sempre manteve foco em dispositivos móveis, tanto que chegou a ser um dos softwares mais populares da finada plataforma Symbian. Mesmo com a versão completa sendo paga, a sua adoção no iOS e no Android também nunca esteve em baixa, o que explica o interesse do Google.

Quickoffice em um tablet Android

Quickoffice viverá para sempre em nossos corações, certo?

É verdade que, com possível exceção para a sua interface, o Quickoffice não recebeu atualizações funcionais muito expressivas desde a sua aquisição, mas em setembro de 2013 atraiu novamente as atenções ao passar a ser oferecido gratuitamente pelo Google.

É este ponto que nos faz questionar o que levou a companhia a decidir descontinuá-lo. Sem um esclarecimento oficial, nunca saberemos, mas não é novidade para ninguém que o Google costuma fazer aquisições para incrementar seus serviços. É o caso aqui, provavelmente: as ferramentas de escritório do Google Drive sempre foram prioridade, razão pela qual a empresa pode ter concluído que não vale a pena manter o mesmo tipo de tecnologia em produtos similares.

O Quickoffice será removido das lojas oficiais em breve (o Google não deu uma data exata) e não receberá mais atualizações, mas quem o utiliza não precisa correr para encontrar uma alternativa: nada impedirá o pacote de continuar funcionando nas instalações já existentes.

Com informações: ZDNet