Início » Ciência » Lentes de contato inteligentes do Google podem começar a ser vendidas até 2019

Lentes de contato inteligentes do Google podem começar a ser vendidas até 2019

Por
5 anos atrás

Você se lembra das lentes de contato inteligentes que o Google apresentou em janeiro? Com um minúsculo chip embutido, elas prometiam medir o nível de glicose no sangue para facilitar o monitoramento por pessoas com diabetes. Parecia que não veríamos aquilo virando realidade tão cedo, mas a empresa farmacêutica Novartis gostou da ideia e espera lançar o produto comercialmente em até cinco anos.

As lentes de contato inteligentes do Google possuem um sensor de glicose e um chip wireless localizados entre as duas camadas (dessa forma, os componentes eletrônicos não ficarão raspando no seu olho). A cada segundo, o nível de glicose é medido com base nas lágrimas do usuário. Uma das ideias do Google é colocar um LED nas lentes para alertar a pessoa imediatamente caso a glicose esteja muito abaixo ou acima do normal.

lentes-contato-google-diabetes

A suíça Novartis, dona da Alcon, divisão que fabrica algumas lentes de contato bem conhecidas, como a Air Optix, licenciou a tecnologia do Google. Além das lentes que medem o nível de glicose, a Novartis quer produzir lentes para pessoas com presbiopia (mais conhecida como “vista cansada”), que têm dificuldade de mudar o foco de um objeto perto para um objeto longe. Parece algo como o foco automático da sua câmera, e a ideia é essa.

É claro que essas lentes de contato precisam passar por testes clínicos, para assegurar a eficácia e segurança, além de serem aprovadas pelos órgãos de saúde, como a Anvisa e a FDA (Administração para Alimentos e Drogas dos Estados Unidos). Mas a Novartis parece otimista, e o CEO Joseph Jimenez comenta no Financial Times que ficaria “desapontado” se as lentes inteligentes não ficassem prontas para comercialização em até cinco anos.

Pelo acordo, tanto o Google quanto a Novartis ganharão com participação nas vendas. Jimenez acredita que o mercado de dispositivos vestíveis de saúde valerá algo em torno de 10 a 50 bilhões de dólares na próxima decada — e as duas empresas estão interessadas em um pouco desse dinheiro.