Quão confiável é uma loja de aplicativos repleta de opções que, à primeira vista, podem ser confundidas facilmente com apps de serviços legítimos? É o que ocorre na Windows Store. Felizmente, a Microsoft decidiu agir para combater o problema.

Já não era sem tempo. Antes da medida, bastava uma rápida busca na Windows Store para encontrar aplicativos não oficiais de redes sociais, clones de jogos e até ferramentas que prometem determinadas funcionalidades, mas entregam outras.

Além de aumentar a exposição do usuário a softwares com finalidades maliciosas, esta falta de controle sobre os apps dificultava o acesso a aplicativos oficiais, já que muitas das opções “genéricas” tinham nomes e ícones que remetiam a softwares e serviços legítimos.

Para pôr fim à bagunça, a Microsoft atualizou as políticas da Windows Store e da Windows Phone Store.

Até pouco tempo atrás, uma busca por "Chrome" retornava uma série de apps suspeitos

Até pouco tempo atrás, uma busca por “Chrome”, por exemplo, retornava uma série de apps suspeitos

A primeira mudança diz respeito à denominação: a partir de agora, os aplicativos devem receber nomes e descrições que refletem claramente a sua finalidade.

Os apps também devem ser categorizados de forma condizente às suas funcionalidades. Além disso, ícones que possam ser confundidos com imagens de outros aplicativos estão terminantemente proibidos.

A política mais rigorosa já está fazendo efeito. Segundo a Microsoft, a maioria dos desenvolvedores responsáveis por aplicativos que feriam uma ou mais condições concordou em aplicar as modificações necessárias.

Outros foram menos receptivos. Como consequência, cerca de 1.500 aplicativos irregulares acabaram sendo removidos da Windows Store.

Em seu comunicado, a Microsoft declarou ainda que reembolsará os usuários que tiverem adquirido aplicativos não desejados por conta de descrições ou ícones enganosos.

A companhia também reconheceu que ainda pode haver aplicativos irregulares em suas lojas. Para acelerar a revisão, recursos auxiliares já estão sendo implementados. Usuários que quiserem reportar apps enganosos podem fazê-lo pelo email “[email protected]” ou seguir as orientações desta página.

Com informações: Mashable

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Adriano Garcez
Finalmente irão arrumar a maior bagunça da Store. É muito fácil ser enganado e baixar um app supostamente oficial. Isso não acontece na Play store, ao contrário que os haters pensam.
Ademar Abiko Jr.

Minha questão é com nomes genéricos. Se quisesse fazer um app chamado random book, eles iam chiar? Fica uma área cinzenta, do jeito que tá posto.

ad-maru
Minha questão é com nomes genéricos. Se quisesse fazer um app chamado random book, eles iam chiar? Fica uma área cinzenta, do jeito que tá posto.
Igor Fernando
Grandes bosta
João Silverado
Na loja do WP já vi acontecendo uma limpa umas três vezes. Me lembro que no WP7 a loja chegou aos 200 mil apps ou perto, e de repente a qtde caiu drasticamente, tanto que só agora conseguiu chegar aos 300 mil.
Vitor Mikaelson
Não, pois já fica na categoria Rede Social. ahahhahaha
Richard Ferraz
Verdade. Na Windows Phone Store eu já vi uns 3 "G0ogle Chr0me", cada um com uma posição diferente para o "0" (imitando um "O").
Wendel Schelhan
Isso também acontece na loja do Windows Phone. No Android a Google precisava exigir que os aplicativos se submetessem à diretriz visual do sistema, assim como parece acontecer no iOS...
Guilherme Andrade
Espero que o Google siga o exemplo.
Emerson Alecrim
Não. "Facebook" é um nome conhecido, todo mundo sabe que é uma rede social. O que não pode é, por exemplo, usar "Browser" em um aplicativo que serve para guardar notas.
Ademar Abiko Jr.

"Facebook - Rede Social" vai ser o novo nome do app?

ad-maru
"Facebook - Rede Social" vai ser o novo nome do app?
Marcelo Douglas
"Mas se tirar os 1.500 não vai sobrar mais nada kkkkkkkkkkk" Brincadeira, melhor ter um catalogo mais "enxuto" em troca de confiabilidade. (Play Store estou olhando pra você!!)
Cobalto

"Antes tarde do que mais tarde". E ó, 1.500 tá pouco, tira mais MS!

Daniel Cobalto
"Antes tarde do que mais tarde". E ó, 1.500 tá pouco, tira mais MS!