Início » Telecomunicações » Endividada, Oi não terá 4G em 700 MHz

Endividada, Oi não terá 4G em 700 MHz

Lucas Braga Por

O leilão da frequência de 700 MHz, que será utilizada em redes 4G, acontecerá na semana que vem com um grande desfalque: a operadora Oi não apresentou propostas para arrematar a frequência e ficará de fora dessa vez. Claro, TIM, Vivo e Algar Telecom (CTBC) já confirmaram presença.

Em um fato relevante, a operadora argumenta que possui um “diversificado portfólio de espectro” que permite a operadora atender seus clientes. Atualmente, a Oi possui as frequências de 900 MHz e 1.800 MHz para 2G, 2.100 MHz para 3G e 2.500 MHz para 4G. Em algum momento futuro, a operadora poderia realocar faixas como as de 1.800 MHz para utilização em rede 4G.

oi_sede

Apesar da Oi discursar que suas frequências têm condições de atender o mercado, é evidente que a expansão da rede de quarta geração não deve ser prioridade para a operadora. O mesmo aconteceu com a rede 3G, que desde 2010 perde para Claro, TIM e Vivo em número de cidades cobertas.

Não participar do leilão é um dos primeiros sintomas acerca da saúde financeira da operadora: atualmente, a Oi possui dívida líquida de 46 bilhões de reais, algo próximo ao valor de mercado de outras operadoras (!). Além disso, trata-se de um grande desfalque para o governo. Como a concorrência no leilão é menor, é bem possível que os lances das outras operadoras sejam menores que a expectativa da Anatel.

Ao mesmo tempo, a não participação da Oi aumenta as chances de uma nova operadora no Brasil: a Anatel afirmou que existem investidores estrangeiros interessados no leilão. Quem sabe a Vodafone?

Frequência de 700 MHz é crucial para a adoção no 4G no Brasil

A frequência de 2.500 MHz, atualmente adotada para redes 4G, dificulta a expansão da rede para outras cidades: como se trata de uma frequência alta, a penetração de sinal é baixa, exigindo um amplo número de antenas para uma cobertura decente. Como são necessárias mais torres e antenas, o custo de construção da rede é maior.

Isso não ocorre na frequência de 700 MHz, uma vez que se trata de uma baixa frequência, com alta penetração de sinal. Sem essas redes de baixa frequência, é difícil que o 4G decole no Brasil como hoje o 3G decolou (ainda que tardiamente). Com os altos gastos para coberturas de altas frequências, é certo que as operadoras só expandiriam a cobertura em cidades que trariam rápido retorno sobre os investimentos.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

F. S.
A adoção da faixa de 700 MHz não se trata de compatibilidade com aparelhos, até porque se algum aparelho suporta 4G e não suporta a faixa nacional, é por mera negligência de sua fabricante. Se trata de expansão da rede, já que frequências mais baixas possuem maior penetração (o sinal não cai simplesmente porque tu entrou em casa) e maior área de cobertura, exigindo assim menos antenas para expandir a rede. Já a vantagem das frequências mais altas (completamente ignoradas no artigo ;( ) é permitir um maior número de usuários simultâneos, perfeito para áreas de grande concentração de usuários (Avenida Paulista, por exemplo). A maioria dos artigos que estão surgindo sobre esse leilão acabam deixando a impressão de que a faixa de 700 MHz vem para substituir a de 2.5 ~ 2.6 GHz, quando na verdade vem para complementar. É de praxe nos países sérios que as operadoras tenham uma faixa principal e uma faixa secundária, unindo as vantagens de cada uma.
Wendel Rocha
Aqui em casa também o 4G da Oi está impecável. É uma pena ela não poder participar do leilão do 700 Mhz.
Romolo VanHalenBR
Isso vai chegar tão tarde no Brasil que não faz mais diferença, agora os novos celulares usam processadores de 4G que suportam múltiplas frequências e você pode comprar em outro pais e ter os 2.5GHz
Eric Cerqueira de Oliveira
Aqui em minha cidade o 4G da oi funciona muito bem, inclusive troquei o 3G da vivo que estava meia boca, pelo 4G da Oi, bato velocidades de 40/50 mb, chega a ser melhor do que a que eu tenho em casa.
Edinho Kunzler
Perguntinha: o que fez a Oi com a bolada de R$ 1 bi que levou do BNDES para "comprar" a BrT?
ochateador
Todas essas 7 :D
Vitor Mikaelson
E ainda queria comprar GVT.
Renan Oliveira
Vejam só como são as especulações de mercado. A um tempinho atrás a OI era uma das interessadas em adquirir a GVT. Hoje, ela não tem dinheiro para concorrer com suas concorrentes na aquisição de novas frequências...
Sam86
O que eu quis dizer é que ela não tem dinheiro pra montar uma rede nacional. Mesmo que se endivide igual a Oi, acho que demoraria uns bons 4-5 anos pra conseguir isso. Não me referi a saúde financeira dela atualmente.
YagoG.
Ultimamente a Nextel tem dado bom resultado. E sempre olho para ela como uma boa concorrente.
YagoG.
Hummmm.. Uma das explicações que ouvi foi de que não tinham clientes suficientes.
YagoG.
Só a sprint, a daqui do Brasil está crescendo rapidamente.
Souzabsb
Acho que como está andando o nosso mercado de telefonia, só vão sobrar dois grupos. A telefônica (vivo/gvt) e claro (embratel). Penso que a oi vai ficar mais restrita a telefonia fixa e tv. Resta saber quem vai comprar a tim, se uma estrangeira comprar, pode ser a saída para termos três fortes..
Souzabsb
Nextel está quebrada, se alguém não comprar não sei o que será dela.
Alisson Silva
A Oi nunca deu bola para internet móvel, no leilão do 3G, foi a operadora nacional que comprou os piores lotes. Deve ser por isso que em boa parte das cidades que cobre, ainda opera somente no EDGE, em pleno 2014.
Exibir mais comentários