Início » Brasil » Plataforma Você Fiscal quer verificar a segurança da urna eletrônica

Plataforma Você Fiscal quer verificar a segurança da urna eletrônica

Lucas Braga Por
5 anos atrás

O processo de eleição no Brasil é considerado um dos mais modernos do mundo. Desde 1996, o país utiliza as urnas eletrônicas como instrumento de democracia. Sendo apresentada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como um equipamento impossível de adulteração, um grupo que conseguiu burlar a Urna Eletrônica em 2012 lançou a plataforma Você Fiscal para tentar verificar possíveis fraudes no processo eleitoral.

Apesar de todos os benefícios trazidos pela Urna Eletrônica, como a velocidade da apuração dos votos, o professor de Computação da Unicamp Diego Aranha e o engenheiro Helder Ribeiro questionam a inviolabilidade da Urna Eletrônica.

Em testes promovidos pelo próprio TSE em 2012, a dupla conseguiu explorar falhas que revelam quem votou em quem e a possibilidade de adulterar os votos. Aranha e Ribeiro queixam-se de que o TSE não abriu as urnas eletrônicas para testes depois desse episódio, deixando a dúvida se as falhas de segurança foram sanadas ou não.

A ideia do Você Fiscal é comparar os votos obtidos na Urna Eletrônica com a apuração divulgada pelo TSE. Para isso, o grupo pede a ajuda do eleitor para que fotografe os boletins de urna que são impressos pela Urna Eletrônica no final de cada eleição. Após a apuração dos votos, a equipe do Você Fiscal irá comparar o boletim de urna impresso e fotografado com o boletim de urna virtual que é divulgado pelo próprio TSE.

Para que todas as fotos dos boletins de urnas fiquem completamente legíveis, o site do Você Fiscal ensina como se deve tirar uma foto adequada. Para facilitar o envio das fotos, está disponível na Play Store um aplicativo da própria plataforma. Usuários de outras plataformas podem fazer a mesma tarefa enviando as fotos por email.

Se houver quaisquer divergências entre o boletim de urna impresso com o boletim de urna virtual é porque houve alguma coisa errada, incluindo fraudes ou erros de transmissão. Nesses casos, o Ministério Público poderá ser acionado para investigar o que aconteceu.