Início » Jogos » Financie isso: “1983: O Ano dos Videogames no Brasil”, um documentário de fãs para fãs

Financie isso: “1983: O Ano dos Videogames no Brasil”, um documentário de fãs para fãs

Por
4 anos e meio atrás

1983

O Financie isso já revelou inúmeros projetos legais, inclusive da indústria de videogame. Mas nem só de ideias tecnológicas se alimenta esta seção. A dica de hoje é 1983: O Ano dos Videogames no Brasil, um documentário que se diz “produzido por fãs, para fãs”, de uma forma totalmente tupiniquim.

O projeto, que tem como fundadores Marcus Vinicius Garrett Chiado, autor do livro homônimo, e Artur Palma, diretor da produtora ZeroQuatroMídia, pretende reunir imagens, entrevistas e mídias da época da chegada dos videogames no Brasil, muito antes de sua época de ouro, infinitamente retratada em filmes, jogos e matérias.

“Achei que já era mais do que hora de que tivéssemos nosso próprio documentário que registrasse a história retrogamística brasileira. O responsável [pelo roteiro] serei eu, usarei meus livros como base”, conta Garrett, que teve influência dos documentários From Bedrooms to Billions e Atari: Game Over para fazer seu próprio.

Segundo Artur Palma, a ZeroQuatroMídia tem participado da produção como co-diretora do projeto: “Temos trabalhado passando o que funciona melhor em vídeo. Nem tudo se traduz bem da linguagem escrita para a falada.”

Em sua página do Kickante, o documentário, que precisa de R$ 20 mil para se tornar realidade, já conseguiu 28 contribuintes, totalizando R$ 2.435, em pouco mais de 12 horas de campanha. Com 29 dias pela frente, a arrecadação também traz recompensas (com nomes super gracinhas) para cada valor doado, por exemplo:

1983

Ao doar R$ 10, o colaborador recebe a recompensa “nosso muito obrigado” – cujo título é autoexplicativo. Mas, ao contribuir com R$ 50, que representa um quarto do valor daquele AAA que você se arrependeu de comprar, dá para garantir o “pacote” Telejogo II, que inclui seu nome nos agradecimentos, versões em 480 e 1080p do documentário para download, sua trilha sonora em MP3 e o DVD oficial (em embalagem envelope) com envio incluso no valor doado.

Caso seu porquinho esteja bem gordo, dá para doar mais, é claro. As recompensas da doação de R$ 85 incluem versões em alta ou normal para download, mas também o CD físico da trilha sonora e um Blu-ray do filme. Caso seu porco esteja obeso e generoso, o limite das doações é o valor de R$ 1.000,00, que acompanha como recompensa todos os prêmios do pacote de R$ 85, mais os livros 1983: O Ano dos Videogames no Brasil e 1984: A Febre dos Videogames Continua, ambos de Marcus Vinicius Garrett Chiado, criador do documentário, que autografa as duas cópias. E não é só isso: o doador das mil peças de ouro também ganha um pôster exclusivo, um link para download veiculado secretamente uma semana antes do lançamento e seu nome no título de “Produtor Executivo” do projeto. Essa é digna de exibir orgulhoso para a família!

Por que é legal? Além do contexto do projeto em si, porque nomes importantes da época, como Gilson Cardoso, antigo diretor de Marketing da Polyvox e um dos responsáveis pela chegada do Atari 2600 no Brasil e Kazuaki Ishizu, ex-funcionário da Splice do Brasil, que criou o SpliceVision (a versão brasileira do CollecoVision), estarão presentes no documentário relatando a experiência de quem viveu o dia-a-dia da aterrissagem dos videogames por aqui.

Por que é inovador? Porque você pode colaborar com a documentação de uma época importantíssima da indústria dos videogames no Brasil: seu início! Como? Além das doações, você ajuda indicando aquele conhecido que foi parte importante da vinda dos jogos eletrônicos para o país, ou mesmo quem guardou recortes de jornal sobre o assunto, fez gravações caseiras ou ainda possui algum console raro para mostrar.

Por que é vanguarda? Porque nunca antes se detalhou em vídeo a chegada brilhantes Game & Watch, PONGs/Telejogos e dos mais “novinhos” Odyssey, Atari 2600, Intellivision e SpliceVision no Brasil.

Vale o investimento? Super! Se você é brasileiro e ama videogames, esse projeto tem a sua cara. E nada de vender um rim para financiá-lo (a não ser que você queira): as doações têm valor mínimo de dez reais! Economize na coxinha com refrigerante e faça sua parte pelo cenário dos jogos no Brasil! 😉