A indústria fonográfica mantém o que parece ser uma eterna guerra contra a pirataria na internet. Na batalha mais recente, o “alvo” é a ICANN: a RIAA, associação que reúne as maiores gravadoras dos Estados Unidos, quer que a entidade seja mais rigorosa contra domínios que são usados para distribuição de conteúdo ilegal.

O foco sobre a ICANN tem uma única razão: a entidade é responsável pela distribuição de endereços IP e nomes de domínio da internet. Na visão da RIAA, empresas de registro de domínios não tomam as medidas necessárias para combater a pirataria, por isso, a associação decidiu partir para cima da organização que está no topo de todo o sistema.

Na carta enviada à ICANN (em PDF), a RIAA pede medidas que, no final das contas, se traduzem em pressão para quem empresas de registro de domínios bloqueiem endereços que contém material pirata. Para “reforçar o recado”, o documento cita apoio à causa por várias outras entidades ligadas à indústria da música.

A RIAA não é a primeira entidade a exigir mais cuidados por parte da ICANN. A MPAA, organização que representa os principais estúdios de Hollywood, vem pressionando a entidade há tempos. Tudo indica que é essa iniciativa que vem fazendo a ICANN ressaltar às companhias de registro que domínios não podem ser usados para violação de direitos autorais.

ICANN

Esse é um embate longe de terminar, entretanto. As empresas de registro seguem firmes na crença de que o combate deliberado a sites de pirataria não é sua responsabilidade.

Postura semelhante tem a Electronic Frontier Foundation (EFF). Em seu blog, a entidade afirma que “os registradores não têm obrigação de responder pelas reclamações aleatórias de terceiros contra o comportamento de um usuário de nome de domínio”.

No entendimento da EFF, as gravadoras devem seguir pelo caminho mais utilizado para resolver conflitos dessa natureza: recorrer aos meios judiciais. Havendo ordem de um tribunal, aí sim as empresas de domínio devem agir.

A pressão sobre a ICANN se soma às medidas antipirataria que já foram exigidas de provedores de internet, serviços de hospedagem de sites, mecanismos de busca, redes de publicidade e empresas de pagamentos na web. A entidade não se pronunciou sobre o assunto.

Com informações: TorrentFreak

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Tiago Celestino
E ainda querem acabar com os serviços de streamings.
Petter
De acordo com a RIAA a Taurus terá que se virar para prender as pessoas que cometeram homicídios com armas fabricas por elas. O que mais me enoja na teoria da RIAA é ver cantores famosos e diretores de grandes gravadoras ostentarem ao extremo, ganhando milhões de reais e no final das contas se oporem ao streaming porque vão perder centavos por CD supostamente deixado de vender.
Kessler
A MAFIAA sempre tentando alguma besteira para parar com a pirataria e falhando miseravelmente...
Ademar Abiko Jr.
Até quando...?
Eduardo
Acho que é preciso cortar o mal pela raiz. No lugar do RIAA, eu começaria mesmo a ir atrás dos fabricantes de computadores, cabos e placas de rede. A depender até mesmo as geradoras e distribuidoras de energia elétrica. Se é para fazer, que seja bem feito.
gicapp
Mais da mesma balela da pirataria. RIAA parou no tempo e tenta desesperadamente formas de combater, nitidamente quem dirige essa entidade não entendeu como o mercado mudou e, ao invés de ir atrás de novas formas de vender, usa de métodos pra resgatar a velha cultura. Culpar qualquer entidade de registro ou mesmo a ICANN não vai resolver, se nem sites ilegais de venda de material ilícito os caras tiram, vão se importar com pirataria? Quando a justiça manda, beleza, mas isso não faz eles os "responsáveis". Até porque, a justiça pode até mandar tirar o whatsapp do ar, bloquear domínios, banir range de IPs, se, no final das contas, vão conseguir, ou terão resultado efetivo, é outra história.
Alberto Prado
A EFF está certa. Isso não é a atividade fim deles. Eles não tem nada havê com isso. E como se o governo pressionasse as fabricantes de caminhões a retirar os mesmos das mãos dos caminhoneiros que trafegam com sobre carga nas estradas. Quem tem que se vira com o controle disso é ele. A analogia é foi de algo bem perpendicular, mas foi a primeira coisa que me veio a mente, hehehehe.