O YouTube enviou emails aos criadores de conteúdo na quarta-feira (8) para avisar sobre uma atualização nos termos de serviço que entrará em vigor em junho. Entre as mudanças estão o novo modelo de assinatura: por uma taxa mensal, você poderá eliminar as propagandas dos vídeos do YouTube. Mas como ficam os canais que já recebem pelo modelo atual?

Segundo o The Verge, não há opção: todos deverão aceitar o novo modelo de negócio — o que faz bastante sentido, afinal, se existissem exceções, seria difícil lançar o serviço. Mas há uma informação nova: de acordo com a publicação, quem não aceitar as novas regras terá todos os vídeos marcados como privados. É a mesma estratégia (não muito amigável) que o Google usou antes de lançar o YouTube Music Key.

youtube-logo

Pelo novo modelo, o YouTube pagará aos criadores de conteúdo 55% das receitas líquidas decorrentes de assinaturas dos usuários. Os canais receberão de acordo com a quantidade de horas que os usuários gastam assistindo aos seus conteúdos. Ainda não é possível saber se o valor será maior ou menor que o recebido hoje pelos canais do YouTube.

Além das novas regras de pagamento, é esperado que os assinantes ganhem recursos adicionais. De acordo com a Bloomberg, é provável que o Google lance uma função de assistir a vídeos offline; assim, você não precisará gastar seu plano de dados quando estiver longe do Wi-Fi — bastará salvar o vídeo em cache. O The Verge acrescenta que os canais poderão limitar determinados vídeos apenas para assinantes.

Por enquanto, o YouTube preferiu não comentar ou confirmar os detalhes do novo serviço por assinatura.

Os novos termos do YouTube deverão ser aceitos pelos criadores de conteúdo até o dia 15 de junho. Segundo as publicações, o serviço por assinatura do YouTube será lançado nos próximos meses, até o final do ano, e custará em torno de US$ 10 por mês.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Artur Domingues
2 Years Ago 5 days Ago
Nono Empírico
E se não pagar? E daí?
Betinho Carlos Alberto Barbosa
legal o serviço pode ser assistido por uma tv smart
Vitor
Não disse que não se paga muito imposto. Mas, por favor, é ridículo o cara falar que o celular custa esse preço por causa exclusiva de impostos. E eu não vivo de salário, nem sou rico. Apenas não sou uma besta que vai em qualquer papo na internet.
Vagabond
Não pago! Procurarei de boa outras mídias. 95% do que tem no YouTube é merda sem conteúdo.
Pedro Paulo Fae Braz
Agora alem de baixar series, a galera vai procurar vídeo do youtube no torrent.
Artur Domingues
Da onde que 10 dólares não é abusivo? Se vier esse mesmo preço pro Brasil é abusivo sim, são 30 reais, com uma faixa de segurança caso o dólar aumente provavelmente fica entre 29,90 e 39,90 apenas pra não ter anúncios no Youtube. Nos Estados Unidos concordo que não é abusivo mas se praticarem aqui ninguém vai pagar.
Baidu feat MC Brinquedo

Ask passa bem, juntamente com o Zombie News.

Baidu quer mudar na marra, mas não adianta, todo mundo odeia o coitado.

Hao123
Ask passa bem, juntamente com o Zombie News. Baidu quer mudar na marra, mas não adianta, todo mundo odeia o coitado.
Narloth

Mais uma m#rda pra pagar? Tô fora!

LucasNascimento
Mais uma m#rda pra pagar? Tô fora!
Marcio Neves
O lance é que não tem em lugar nenhum do site o "aceite". Ou simplesmente abrir o link do email configura automaticamente em tal?
Keaton
O YouTube começou a me irritar quando o Google começou a enfiar o Google Plus na . dos usuários do YouTube... O Dailymotion não tem aquele apelo aos usuários, mas tem potencial demais... pena que a cambada é preguiçosa demais para começar uma migração em massa para lá. Só uma coisa que eu ainda não sei... como é a monetização do Dailymotion?
Tales Cembraneli Dantas
A diversidade de conteúdo pode surgir com a galera migrando do youtube para estas outras plataformas, ninguém quer pagar por algo que tem de graça, alias, foi assim que o youtube se tornou oq é hj
William Martins
Mais de 30 reais aqui no HUE. Sei não viu, a maioria do público dos youtubers brasileiros são pirralhos, logo serão poucos em que o pais deixarão usar o cartão de crédito.
Exibir mais comentários