Início » Negócios » Quatro anos depois, as promessas da fábrica de iPhones no Brasil estão longe de serem cumpridas

Quatro anos depois, as promessas da fábrica de iPhones no Brasil estão longe de serem cumpridas

Emerson Alecrim Por

Cerca de 100 mil empregos e mercado mais competitivo. Era o que se esperava da fabricação de iPhones e iPads no Brasil pela Foxconn. Mas, quatro anos se passaram desde o anúncio da empreitada e, como se vê, pouca coisa mudou.

É fato que a produção local existe há algum tempo: a linha iPhone começou a ser montada em uma fábrica da Foxconn em Jundiaí, interior de São Paulo, no final de 2011. A montagem de iPads começou em maio do ano seguinte. Mesmo assim, os preços para o consumidor final praticamente não sofreram redução.

As vendas permaneceram em crescimento, entretanto. Essa constatação e os benefícios fiscais oriundos da produção nacional fizeram a Foxconn anunciar, em 2012, um investimento inicial de R$ 1 bilhão na construção de um parque industrial em Itu, também no interior de São Paulo.

Essa unidade ficaria responsável pela produção de componentes eletrônicos – se não todos, boa parte deles destinados aos dispositivos da Apple. A produção começaria no início de 2014 e, no decorrer dos anos seguintes, traria tecnologia, empregos e, eventualmente, preços menores para o mercado brasileiro.

Fábrica da Foxconn em Jundiaí (Créditos: Fabiano Accorsi/VEJA)

Fábrica da Foxconn em Jundiaí (Créditos: Fabiano Accorsi/Veja)

Mas já estamos no segundo trimestre de 2015 e o local da fábrica permanece vazio. A Foxconn não explicou os motivos, mas dá para presumir alguns: o declínio da economia brasileira e, principalmente, os baixos índices de produtividade em relação a outros países.

Não há consenso sobre as causas da baixa produtividade brasileira, mas a excessiva burocracia e a falta de investimentos em inovação certamente colaboram para esse cenário tão negativo.

Nesse sentido, na ocasião do anúncio da produção nacional de iPhones, o governo federal chegou a prometer US$ 12 bilhões em investimentos para alavancar o setor tecnológico do país, mas, até agora, não há nenhum sinal do dinheiro.

Falta de mão de obra especializada também costuma ser uma causa, mas esse não parece ser o caso da Foxconn: na unidade de Jundiaí, trabalhadores afirmam que só há postos que exigem pouca qualificação. Consequentemente, as queixas sobre baixos salários e falta de perspectiva de carreira são constantes.

Apesar de tudo, a Foxconn afirma que o plano de levantar um parque industrial em Itu continua, mas com novos prazos. A primeira fase de operação deve ter início no final do ano, fazendo a quantidade de funcionários da companhia no Brasil chegar a 10 mil. Trata-se de um número bem abaixo dos 100 mil empregos prometidos em 2012, mas, considerando as circunstâncias, é alguma coisa.

A Apple não comentou o assunto.

Com informações: Reuters, Apple Insider

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Dj Marcelo Cerezer

mais uma empresa que achou que pagando propina aos políticos através de caixa 2 fundo de campanha fundo partidário iria faturar alto em um país que cobra-se 75% de imposto de consumo para emitir uma nota fiscal , enquanto nosso vizinho paraguai cobram apenas 10% de imposto e nos estados unidos 6% fica ainda mais barato comprar la fora , reduzir impostos de consumo para o brasileiro comprar aqui dentro ao invés de ir la fora, isso nunca foi de interesse dos políticos, pelos menos enquanto o brasileiro estiver sustentando toda essa cambada, a propina que a ELITE EMPRESARIAL paga aos politicos sempre foi para manter o "PROTECIONISMO" no brasil, para garantir ALTO JUROS dos banqueiros , para garantir ALTO LUCRO dos empresários, para garantir um salário mínimo merda aos trabalhadores, enquanto o GOVERNO não poderia deixar de garantir SUPER SALARIOS + ALTOS IMPOSTOS ! países com imposto de consumo baixo geram produtos e serviços + baratos com + vendas + comercio + emprego + salário + industrias + exportação + importação + arrecadação - sonegação ! enfim a receita do bolo para o PROGRESSO!!! brasileiro precisa parar de ser OTARIO em sustentar toda essa podridão , boicotar o consumo para gerar menor arrecadacao possível , forçar o governo rever sua política tributaria de altos impostos, porque um governo que não arrecada não paga salários e sem salários até o exercito levanta da tumba dos mortos!!!

Victor Hugo
Isso quando essas tais "grandes empresas" já fazem monopólio no seguimento, exemplo LG, Samsung, Panasonic, Sont, etc. Mas se as chinesas entram no meio (Xiaomi, etc) aí a coisa muda.
Victor Hugo
KKKKKKKKK Olá, venho do do futuro falando que a Uber chegou no Brasil.
Victor Hugo
"Quanta" margem de lucro hein?
Victor Hugo
Não é somente dos impostos, mas mais da metade do preço de um PS4 quando foi lançado no Brasil iam pro governo do PT. Desculpa, mas seu argumento foi falho mesmo.
Rodrigo Cerqueira
Tá ficando feio pra vc cara.... Quer dizer oq com esse link? "Desse modo, pode-se construir várias medidas de produtividade, todas utilizando a mesma lógica: resultados medidos em relação à quantidade de recursos gastos." Quantidade produzida x quantidade de insumos utilizadas. Não há menção à custos. Sou economista, sei do que estou falando. Vc só tá passando vergonha aqui. Melhor eu parar. Abraços.
Guest
Livre concorrência é muito bonito no papel.. até as grandes empresas de um seguimento formar um cartel tabelarem preços
José Vieira
Papagaio... rs... Tá ficando feio, rs... http://www.nortegubisian.com.br/component/content/article/10-noticias/256-produtividade
Rodrigo Cerqueira
Não cara. Outra informação errada. Produtividade não tem relação direta com custos. Produtividade é nada mais que a relação quantidade produzida x quantidade de insumo utilizada. Uma empresa menos produtiva pode ter menos custos totais que uma empresa mais produtiva, visto que produtividade n tem relação com custo total. "Não disse que lá se faz cinco e aqui se faz um." Vc disse: "O problema é que enquanto as fábricas alemãs entregam 5 carros, as fábricas de bananânia - com os mesmos equipamentos, entrega 1. Para fazer igual a eles precisamos: ou trabalhar 5 vezes mais, ou ter o triplo de funcionários." Escrever é simples. Vc disse que lá as fábricas entregam 5 vezes mais carros que as daqui. O leitor n tem como adivinhar que vc escreveu uma coisa e queria dizer outra. Mas enfim. Deixa pra lá.
José Vieira
Cara, dei um exemplo, partindo da premissa que o interlocutor soubesse o conceito básico de produtividade que é a relação que nada mais é a relação direta entre o que se produz e os meios e custos utilizados. Não disse que lá se faz cinco e aqui se faz um. O que disse é que com os recursos utilizados para se fazer um carro no Brasil na Alemanha se faz 5 (ou 4, se quiser usar seus cálculos simplórios). Como disse, você não sabe ler... Ler é compreender o texto, não apenas decifrá-lo. Aliás, eu tenho no currículo 3 anos de Caterpillar e 2 anos de Volvo... Com a primeira máquinas pesadas; com a segunda caminhões. Com a CAT manutenção, com a Volvo Supervisão de Técnico Mecânica ... rs...
Rodrigo Cerqueira
Porra man... Saca só: Vc afirmou que a Volks alemã produz 5 carros enquanto que a brasileira produz apenas 1. Conheço a indústria automobilística e sei que não há, em nenhum lugar do mundo, tais desníveis em termos de produtividade entre fábricas de uma mesma empresa. Por isso o espanto quando li estes números ditos por vc. Em nenhum momento disse que brasileiros são mais eficientes que alemães. Não mesmo. Apenas me preocupei com a propagação de tais falácias sobre o setor automobilístico. O Brasil é o 7º maior produtor mundial de automóveis, nenhuma empresa do mundo implantaria uma fábrica em algum país onde a mão-de-obra é cara e 5 vezes menos produtiva (o que seria o caso do Brasil, que vc citou) que outros lugares. Entende o que quero dizer?! A Volkswagen alemã n é nem 5 nem 4 vezes mais produtiva que a brasileira (até que se prove o contrário, com número) e exatamente por isso, essa não é a causa do pq os carros nacionais são caros. Não é uma questão de crença, é apenas preocupação em não propagar falácias. Abraços.
José Vieira
Desisto, estás convencido da própria ignorância... Boa sorte! Em tempo, SÃO OS TEXTOS... Não "o texto". O que disse é uma compreensão do que se tem publicado sobre a relação de produtividade entre banânia e o resto do mundo civilizado. Usei um exemplo, exagerei (ou me enganei sobre se é 4 ou 5 vezes menor a nossa produtividade), contudo, isso não nos torna MAIS produtivos por que outros fazem 4 e não 5 vezes mais - essa comparação diz apenas que eles são MUITO MAIS EFICIENTES, não EXAGERADAMENTE MAIS EFICIENTES. Mas, fique com suas crenças...
Rodrigo Cerqueira
O texto tá cheio de "s" aí, realmente acho que vc precisa aprender a ler melhor. E claro que n corroborei com o que vc disse. Deixe de maniqueísmo barato. O texto diz que alemães são 4 vezes mais produtivos que brasileiros. Vc diz que a Volks alemã produz 5 vezes mais carros que a filial brasileira. Ainda acha justo fazer esse tipo de comparação?! O texto provavelmente deve se referir a uma média, o que significa que devem haver setores onde essa relação é maior e setores onde essa relação é maior. O caso da Volks pode estar inserido em qualquer um dos casos, podendo, inclusive, ter a produtividade no Brasil maior que na Alemanha. Quando for afirmar coisas deste tipo tenha mais cuidado, externalizar e propagar falácias na internet pode ser extramente danoso. Fica a dica.
Gato Listrado

Nossa os empresários brasileiros são mais gananciosos que os americanos e mexicanos então.
Amigo, estuda economia. O empresários só montaram seu negocio pensando no lucro. Agora, vamos supor que você tem algo que apenas você fabrica no Brasil, e o governo proíbe seus concorrentes de importarem. Você não vai ter nenhum incentivo de ser mais eficiente e cobrar um preço menor? Logo vai cobrar o preço que você quiser.
Resumo, unica coisa que faz os preços baixarem é a livre concorrência.

Tiago Ronieri Pertile
Nossa os empresários brasileiros são mais gananciosos que os americanos e mexicanos então. Amigo, estuda economia. O empresários só montaram seu negocio pensando no lucro. Agora, vamos supor que você tem algo que apenas você fabrica no Brasil, e o governo proíbe seus concorrentes de importarem. Você não vai ter nenhum incentivo de ser mais eficiente e cobrar um preço menor? Logo vai cobrar o preço que você quiser. Resumo, unica coisa que faz os preços baixarem é a livre concorrência.
Exibir mais comentários