A Central Japan Railway está comemorando: recentemente, a companhia conseguiu fazer o trem-bala de levitação magnética (maglev) L0 atingir a velocidade de 590 km/h em uma via de testes construída na província de Yamanashi. É um recorde!

Trem-bala L0

Com o feito, a companhia superou o recorde que manteve por quase 12 anos: no final de 2003, um trem-bala japonês conseguiu atingir a marca de 581 km/h. Sim, a diferença aqui é pequena (9 km/h), mas superar um recorde é sempre motivo de celebração.

Os japoneses não estão dispostos a esperar mais 12 anos para outra superação, no entanto. Um novo teste deve ser realizado nesta semana e, nele, a Central Japan Railway espera bater a marca de 600 km/h.

Não há segredo aqui, “apenas” tecnologia de ponta. Um trem maglev se baseia nas propriedades repulsivas do magnetismo para se locomover. Bobinas dispostas ao longo do trajeto fazem a composição levitar a uma distância curta do solo. Na sequência, mudanças muito rápidas na polaridade das bobinas orientam o movimento do trem.

Lembra das aulinhas de física em que você grudava dois imãs e, depois de inverter um deles, ambos passavam a se repelir (polos opostos se atraem, polos iguais se repelem)? Esse é o princípio explorado aqui.

Como não há atrito de rodas com trilhos, o maglev consegue atingir velocidades impressionantes. Os detalhes aerodinâmicos do trem também ajudam, é claro: só o “bico” do trem (o formato diminui o atrito com o ar) tem cerca de 15 metros de extensão.

Trem-bala L0

Se os testes continuarem apresentando resultados satisfatórios, o maglev japonês deve entrar em operação comercial a partir de 2027 ligando Tóquio e Nagoya. Contudo, o trem deve trafegar à velocidade máxima de 500 km/h, o suficiente para que o trajeto, de quase 350 km, seja percorrido em apenas 40 minutos, menos da metade do tempo que é gasto com os trens atuais.

Em uma fase posterior, o L0 deve atuar no trecho entre Tóquio e Osaka (505 km) e ter sua tecnologia comercializada para outros países, começando, provavelmente, pelos Estados Unidos – o país já manifestou interesse pelo assunto.

Com informações: WSJ.com

Atualização em 21/04/2015 às 21:00: como alguns leitores apontaram nos comentários, os japoneses conseguiram cumprir a promessa. No novo teste, realizado nesta terça-feira, o maglev L0 atingiu 603 km/h e manteve essa velocidade por 10,8 segundos, segundo a Central Japan Railways.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Claudio Leal Neto
Mas não seriam grandes asas, algo similar a um aerofólio, mas com função diferente. Apenas para reduzir a quantidade de energia necessária para que ele flutue. Winglets servem justamente para reduzir essa turbulência, mas falo como leigo, não tenho como comprovar nada disso.
Claudio Leal Neto
Sim, concordo contigo.
Emerson Alecrim
Atualizei o post para incluir essa informação, valeu o/
Emerson Alecrim
Atualizei o post para incluir essa informação, obrigado o/
Scott
Já chegaram a 603 km/h :-) http://oglobo.globo.com/mundo/trem-bala-magnetico-bate-recorde-ao-atingir-velocidade-de-603-kmh-15936288
Tiago Celestino
E bateram o recorde hoje.
marcelo
Já não há atrito com o solo. As asas só serviriam para gerar mais atrito com o ar.
Don Ramón
Tem mais de cinco décadas que o Brasil decidiu sufocar os trens pra dar lugar aos carros, caminhões e ônibus. Já seria uma grande coisa ver trens a diesel de passageiros voltar a operar em algumas ferrovias do país. Essa tecnologia de trens magnéticos, arrisco a dizer, jamais chegará por aqui.
eumermo

aê ele poderia enfrentar um problema de avião, o vento lateral imagine um vento qualquer batendo do lado de um trem nessa velocidade, com esse seu sistema?

Minatonami
aê ele poderia enfrentar um problema de avião, o vento lateral imagine um vento qualquer batendo do lado de um trem nessa velocidade, com esse seu sistema?
Roberto Neigenfind

Já há um novo recorde: 606 Km/h. Durou 10 segundos dentro de um túnel. Seria bom atualizar a notícia,

William Bannach
Porém o único maglev disponível hoje comercialmente é o chinês, que usa tecnologia alemã, uma pena ter acontecido aquela tragédia com o maglev na Alemanha, porém foram falhas humanas, então não dá pra julgar que a tecnologia alemã é ruim, pelo contrário.
Vitor Mikaelson
É horrível, mas funcional. Parece um jacaré.
Claudio Leal Neto
Fico imaginando, um pequeno sistema de asas para ele poderia gerar uma economia imensa de energia graças a sustentação gerada pelo ar.
X-Tudãoᴳᴼᵀ

O Brasil já era para usar esse meio de transporte a horas, rápido e mais ecológico que aviões.

Exibir mais comentários