Início » Internet » Após pressão, Apple cede: artistas serão pagos mesmo durante período de degustação do Music

Após pressão, Apple cede: artistas serão pagos mesmo durante período de degustação do Music

Jean Prado Por

O Apple Music, que deverá custar US$ 4,99 por mês no Brasil, tem um período de degustação de três meses. Durante o trial, como a Apple não recebe nada dos usuários, não há retorno algum aos artistas pelas músicas. Para compensar todo esse tempo sem pagamento, a empresa repassaria 71,5% do valor das assinaturas às gravadoras ― fora dos EUA, a porcentagem sobe para 73%.

Mesmo que o valor seja mais alto que o repassado pelo Spotify (cerca de 70%), não compensaria aos artistas, principalmente independentes, oferecerem suas músicas "de graça" durante três meses. Foi justamente isso que a artista Taylor Swift indagou no domingo (21) em uma carta aberta à Apple: "é [uma atitude] chocante, desconcertante e estranha à essa empresa generosa e historicamente progressiva".

apple-music-ios

Swift também comentou que a indústria musical não está "pedindo iPhones de graça", portanto, não deveria exigir que os artistas oferecessem música sem compensação. Ainda na carta, a artista afirmou que não falava só por ela, mas sim em nome de vários artistas, escritores e produtores de seu círculo social que têm medo de enfrentar a Apple publicamente por respeito e admiração.

No mesmo dia, Eddy Cue, vice-presidente sênior de internet e serviços, atendeu à solicitação da Taylor Swift e vai mudar a política de pagamento do Apple Music. Agora, o serviço pagará aos artistas por streaming inclusive durante o período de degustação de três meses.

A porcentagem de repasse do valor da assinatura, no entanto, continuará a mesma. Sem uma versão grátis com anúncios, como faz o Spotify, é mais vantajoso para os artistas preferirem o Apple Music. Não é à toa que a própria Taylor Swift, que retirou seu acervo do Spotify há uns meses e não iria disponibilizar seu novo álbum "1989" no serviço da Apple, se disse "aliviada".

O serviço de streaming da Apple está programado para ser lançado em mais de 100 países, incluindo o Brasil, no dia 30 de junho. Quem tem dispositivos com iOS, OS X ou Windows poderá usá-lo logo de cara. Uma versão para Android chega até o final do ano.

Com informações: Re/code.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Thiago Bomfim
E a pirataria vai se consagrando ainda mais como uma opção confiável e sem xiliques de artistas, gravadoras e serviços de streaming. Só resta surgir um app bem organizado como o PopCornTime pra música legal ser uma história do passado. Longa vida ao P2P.
Matheus Bruno
Então quer dizer que o app pra android será lançado ate o fim do ano? Esperava que fossem lançar junto com o serviço.
Pedro Maich
Independente de ter ou não álbuns dela, não pagar as reproduções de quem ta em período teste é um absurdo. Se quer promover seus produtos que faça com seu dinheiro, não tirando dos outros.
Matheus Fernal
Coincidentemente após ler essa notícia notei que na minha conta paga do Rdio a faixa The Globalist do álbum Drones do Muse estava disponível mas escrito premium only. Aí entrei no Spotify que tenho conta mas não pago e tinha o mesmo aviso e a música estava indisponível. Lembro que na época rolou uma treta da Taylor querer lançar 1989 apenas para assinantes pagantes mas o Spotify não aceitou esse modelo. Será que mudaram de política? Investiga aí, Tecnoblog.
Leonardo Caldas
O mais irônico é que, no que me diz respeito, a Apple Music poderia ficar tranquilamente sem os álbuns da Taylor Swift... ;) Mas não tem como negar a importância que ela vem assumindo nesses últimos meses na defesa dos direitos dos artistas.
Tet

A Taylor Swift tem MUITOS fãs. Fãs daqueles bem convencidos do que ela fala. Então, talvez a Apple considere valioso ter a Taylor Swift e ainda pegar as pessoas com essa notícia. Talvez win-win pra Apple?

Willian Tetsuo Shiratori
A Taylor Swift tem MUITOS fãs. Fãs daqueles bem convencidos do que ela fala. Então, talvez a Apple considere valioso ter a Taylor Swift e ainda pegar as pessoas com essa notícia. Talvez win-win pra Apple?
Alisson Santos

"...essa empresa generosa...".
É da Apple mesmo que ela falava?

Alisson Silva
"...essa empresa generosa...". É da Apple mesmo que ela falava?
Kazz
Decisão inesperada da Apple, mas mais que justa para os artistas.
Kawe Antônio

Agora ela não tem desculpa pra não disponibilizar o álbum dela no serviço.

Kawê A.
Agora ela não tem desculpa pra não disponibilizar o álbum dela no serviço.
Juan Lourenço
Fácil fazer caridade com o dinheiro dos outros né Apple? Ainda bem que alguém teve coragem de jogar no ventilador e voltaram atrás.