Início » Negócios » Após mudança no pagamento, gravadoras indies assinam contrato com o Apple Music

Após mudança no pagamento, gravadoras indies assinam contrato com o Apple Music

Artistas como Adele, Arcade Fire e Radiohead estão garantidos no serviço de música da Apple

Jean Prado Por

apple-music-ios

A coleção de músicas do Apple Music aumentou ainda mais. A cantora Taylor Swift fez no domingo (21) a Apple ceder à pressão imposta pela carta aberta à empresa, que criticava a postura de não remunerar artistas no período de degustação. Portanto, no mesmo dia, a Apple afirmou que pagará às gravadoras inclusive no trial de 90 dias.

Com isso, segundo a revista Billboard, as empresas do Grupo Beggars, incluindo 4AD, XL Recordings, Matador e Rough Trade e a Rede Merlin, que representa 20.000 gravadoras ao redor do mundo, assinaram contrato com a Apple para fazer parte do Apple Music. Ambas atendem em sua maioria artistas independentes. A Beggars, por exemplo, é dona de destaques como Adele, Arcade Fire e Radiohead.

Martin Mills, fundador do Grupo Beggars,  junto com mais gravadoras independentes, disse em nota que após “discussões produtivas nos últimos dias com a Apple”, o grupo está feliz em “aprovar o acordo com o Apple Music e ansioso para fazer parte de um futuro animador”.

Já o presidente da Rede Merlin, Charles Caldas, informou estar “satisfeito” com a decisão da Apple em pagar por streaming inclusive no trial e se diz “com altas expectativas em relação ao lançamento do serviço”, que acontecerá na próxima segunda-feira (30).

Primeira música exclusiva do Apple Music

Nesta terça-feira (23), o cantor de “Happy”, Pharrel Williams, anunciou que sua nova música, entitulada de “Freedom”, estará disponível apenas no serviço de streaming da Apple ― é a primeira faixa exclusiva que será oferecida por lá. O anúncio foi feito primeiro no Twitter do Apple Music, mas a canção já estava no comercial do serviço, que foi enviado ao YouTube dia 8 de junho.

Logo no lançamento, o Apple Music estará disponível em mais de 100 países para dispositivos que rodam iOS, OS X ou Windows, com um período de degustação de três meses. Usuários de Android terão que ser mais pacientes e esperar até o final do ano pelo aplicativo do serviço.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Douglas Henrique
Iludido kkkkkk
Dayman Novaes
Como assim não tiveram tempo de desenvolver? Vai saber quanto tempo tem que esse projeto começou, acho difícil julgar se tiveram tempo ou não, é uma estratégia diferente, priorizar o maior público deles pra lançar mais rápido. Já a Google usa uma estratégia diferente, sempre lança ao mesmo tempo pro maior número de plataformas, o que atrasa um pouco a entrega.
Átila Santos
Certeza que vai ser o melhor serviço de streaming. A Apple sempre faz isso, pega uma coisa boa que já inventaram e torna dez vezes melhor.
Diego Rocha
Pois é, vou até experimentar o serviço pelos três meses (que nem fiz com o Google Music), mas mesmo que eles me convençam que são melhor que o Spotify não vou migrar enquanto não tiver app pra Android
Cortana ✔

Deve sair para Ubuntu Phone antes.

Cortana
Deve sair para Ubuntu Phone antes.
Matheus Bruno
Ou falta de lógica de mercado. Mas quem sou eu para julgar...
Diogo

Ter tempo, tiveram... mas a questão não é essa.
Coisas de lógica de mercado...

Diogo Nóbrega
Ter tempo, tiveram... mas a questão não é essa. Coisas de lógica de mercado...
Walter Hugo Nishida Xavier da
Para Windows faz todo o sentido sair rápido. Agora para Windows Phone... Nem previsão haha.
X-Tudãoᴳᴼᵀ

Até para Windows vai sair antes.

Supersonic
Até para Windows vai sair antes.
Matheus Bruno
Acho um pouco ridículo essa de ter que esperar ate o fim do ano para ter um app para android. Vai me dizer que não tiveram tempo de desenvolver?