Início » Celular » Com canibalização e alta do dólar, vendas de tablets caem 20% no Brasil

Com canibalização e alta do dólar, vendas de tablets caem 20% no Brasil

Por
4 anos atrás

As vendas de tablets no Brasil despencaram 20% no primeiro trimestre de 2015 em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com a IDC, que divulgou um estudo sobre o mercado de tablets nesta quinta-feira (25), foram comercializados 1,78 milhão de dispositivos no país entre janeiro e março, cerca de 390 mil unidades a menos que no primeiro trimestre de 2014.

O número ficou abaixo das expectativas da consultoria, que esperava 2 milhões de unidades vendidas no primeiro trimestre de 2015. Por que houve uma queda tão grande? Segundo a IDC, a alta do dólar influenciou bastante no resultado, já que os preços aumentaram até 17% em relação ao quarto trimestre de 2014. O fato do governo ter cancelado projetos de educação também puxou os números para baixo.

ipad-mini-3

Mas a queda não parece ser apenas momentânea, ou somente culpa da situação econômica do país. Na verdade, as vendas estão diminuindo também por causa da “canibalização do mercado devido aos phablets e outros dispositivos com tela grande” e da má experiência de uso — o que faz sentido quando vemos que 70% dos tablets vendidos são de baixo custo, na faixa de preço de até R$ 500.

Nesses 1,78 milhão de tablets estão incluídos os notebooks 2 em 1, com tela destacável, que foram responsáveis por 41 mil unidades e seguiram na contramão dos tablets comuns. As vendas dos híbridos aumentaram 115% em relação ao quarto trimestre de 2014, um período tradicionalmente forte em vendas — entre outubro e dezembro, mais de 3 milhões de tablets haviam sido comercializados no Brasil.

Até o final de 2015, a expectativa é que sejam vendidos 8,1 milhões de tablets, número 14% menor que os 9,5 milhões de unidades comercializadas em 2014.

Mais sobre: ,
Participe das conversas do Tecnoblog

Leia o post inteiro antes de comentar
e seja legal com seus amiguinhos.

Carregar Comentários Conheça nossa política de comentários aqui.