Início » Internet » Google é acusado de manipular resultados de pesquisa para favorecer seus próprios produtos

Google é acusado de manipular resultados de pesquisa para favorecer seus próprios produtos

Em pesquisa conjunta, Yelp constatou que buscador favorece seus serviços e prejudica a busca

Por
4 anos atrás

Google

O Yelp, serviço de avaliação de restaurantes que chegou ao Brasil em 2013, está acusando o Google de manipular os resultados de pesquisa para favorecer seus próprios produtos. Um estudo, publicado nesta segunda-feira (29), aponta que o Google priorizou seu conteúdo (ainda que incompleto) em detrimento de resultados mais adequados.

Quando uma busca é feita, o Google mostra por padrão resultados direcionados ao usuário, em vez de resultados orgânicos. Esses, segundo o Yelp, são melhores para quem pesquisa. Por quê?

O serviço desenvolveu um plugin chamado “Foco no usuário (FOTUL)” que remove o OneBox da página de busca do Google, forçando a exibição de resultados orgânicos. No exemplo abaixo, a pesquisa por “pediatra em Nova York” tem como resultado orgânico 719 reviews com o plugin, contra os 31 oferecidos pelo Google em uma busca comum.

google-manipula-resultados-yelp

Depois, usando 2.690 participantes, o Yelp ofereceu os dois resultados e monitorou os cliques dos usuários. A análise indicou que 45% deles são mais propensos em interagir com resultados de busca universais, em vez dos “direcionados” oferecidos pelo Google. Isso indica que, para favorecer seus serviços, o Google estaria prejudicando a experiência dos usuários e não oferecendo o melhor resultado.

Pela imagem, é fácil perceber que os contatos e reviews mostrados na busca orgânica são mais completos e úteis do que os exibidos pelo Google. O jurista Tim Wu, um dos responsáveis pelo estudo, chegou a comparar esse caso com o da Microsoft, em que a empresa “força” os usuários de Windows a aderirem ao Internet Explorer como navegador, ainda que ele não seja necessariamente a melhor opção. Vale lembrar que a gigante de buscas já foi acusada pela União Europeia de abuso de poder.

O economista Michael Luca e o jurista Tim Wu foram pagos pela Yelp, concorrente direta do Google em recomendação de lugares, para fazer o estudo. Wu, no entanto, garante que a pesquisa é fidedigna, embora a metodologia completa não tenha sido revelada. “Eu não estaria fazendo isso se eu não acreditasse que essa nova evidência fosse tão reveladora”, contou ao Re/code. O site, que tentou entrar em contato com o Google, informou que o buscador se recusou a comentar o caso.

Mais sobre: ,
Participe das conversas do Tecnoblog

Leia o post inteiro antes de comentar
e seja legal com seus amiguinhos.

Carregar Comentários Conheça nossa política de comentários aqui.