Início » Brasil » Acordo deverá reduzir preços de eletrônicos em 80 países, mas claro que estamos de fora

Acordo deverá reduzir preços de eletrônicos em 80 países, mas claro que estamos de fora

Por
4 anos atrás

ipad-bandeira-brasil

Estados Unidos, China, Coreia do Sul, Japão, Peru e Colômbia estão numa lista de 80 países que pretendem assinar, até a próxima sexta-feira (24), um acordo de tecnologia da informação (ITA) na Organização Mundial do Comércio (OMC) para eliminar tarifas sobre eletrônicos, o que deverá reduzir os preços de produtos como videogames, semicondutores, GPS e alto-falantes. O Brasil, no entanto, está de fora.

Não é difícil entender a posição brasileira. O governo oferece incentivos fiscais para empresas que produzem no Brasil (ou desincentivos para quem importa, dependendo da sua interpretação) como uma forma de preservar empregos e manter a indústria nacional funcionando. Smartphones que são montados no Brasil e seguem certas recomendações, por exemplo, ficam livres dos 11,75% do PIS/Cofins.

Mesmo com o protecionismo do governo, ainda não conseguimos competir com o baixo custo dos chineses. Boa parte da indústria brasileira se resume a embaladoras de produtos ou parafusadoras de peças — os componentes internos costumam ser importados, o que nos torna bastante vulneráveis a variações cambiais. Por isso, mesmo os produtos “fabricados” no Brasil ficaram mais caros nos últimos meses.

A declaração do presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, à Folha de S.Paulo, reforça isso: “Nunca quisemos participar do ITA. Se isso acontecesse, praticamente não teríamos mais indústria eletroeletrônica no país“.

O acordo englobará cerca de 200 produtos e deverá ser assinado até o final desta semana, segundo o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, que, bem, é brasileiro. Os 80 países participantes representam 97% do comércio mundial de produtos de tecnologia da informação. A expectativa da Associação da Indústria de Semicondutores é que o acordo eleve o PIB global em US$ 190 bilhões por ano.

Mais sobre: