Início » Celular » Moto G (3ª geração): boas melhorias para o mais vendido

Moto G (3ª geração): boas melhorias para o mais vendido

Câmera evoluiu em relação às gerações anteriores e desempenho com 2 GB de RAM agrada.
Preço é problema: nova geração do Moto G custa entre R$ 849 e R$ 1.049 no Brasil.

Por
4 anos atrás
Nota Final 8.4

moto-g3-2015-abre

O smartphone mais vendido do Brasil ganhou uma nova geração para tentar manter a liderança num mercado cada vez mais concorrido depois da entrada das asiáticas. Na terceira geração do Moto G, a Motorola se concentrou em refinamentos: desenvolveu um corpo resistente a água, melhorou as câmeras, acrescentou algumas novidades no software e lançou uma versão com 2 GB de RAM para os exigentes.

Quão bom está o Moto G de 3ª geração com as novidades da Motorola? Vale a pena atualizar? Ele continua sendo o melhor smartphone intermediário do país? Usei o lançamento da Motorola como aparelho principal na última semana e minhas impressões estão nos próximos parágrafos.

Design e tela

O novo Moto G continua sendo um Moto G. Ele permanece com a traseira curva que melhora a ergonomia, o conector do fone de ouvido centralizado na borda superior, a reentrância com o logotipo da Motorola perto da câmera traseira e os alto-falantes duplos — ou quase isso, já que o áudio não é estéreo; apenas o speaker de baixo é usado para tocar música ou fazer chamadas em viva-voz.

moto-g3-2015-4

moto-g3-2015-8

A pegada é semelhante ao do Moto G de 2ª geração, mas levemente pior. Ele cresceu um pouquinho nas laterais e na espessura, além de estar poucos gramas mais pesado devido à nova bateria de 2.470 mAh. O logotipo da Motorola não serve mais como apoio do dedo indicador, porque está em uma posição mais centralizada na traseira do aparelho. É um retrocesso, mas a ergonomia continua razoável.

Uma boa novidade é a personalização pelo Moto Maker: o consumidor pode escolher as cores das partes frontal e traseira, além da pequena faixa com aspecto metálico que envolve a câmera de 13 MP, o duplo LED flash e a marca da Motorola. É um diferencial bacana num mercado saturado de preto, branco e prata. Também é possível gravar uma mensagem (inclusive na tela de boot!), mas o texto nem sempre fica bom: na minha unidade de teste, com traseira azul, é difícil enxergar o que está escrito.

moto-g3-2015-5

moto-maker

Outra adição é a certificação IPX7, que garante proteção contra submersão na água durante 30 minutos a uma profundidade de 1 metro. Não é uma característica que considero essencial para escolher um smartphone, mas é bom saber que o aparelho continuará funcionando em caso de pequenos acidentes na água. O foco na resistência não é tão grande como na Sony, que já chegou a fazer propagandas com a câmera sendo usada debaixo da água — na Motorola, a ideia é apenas ter uma proteção adicional.

Removendo a tampa traseira, temos acesso aos dois slots para o chip da operadora e uma entrada para microSD de até 32 GB. Todas as versões comercializadas no varejo têm suporte a dois chips e conectividade 4G, em linha com o que estamos vendo nas outras fabricantes. Faltou a TV digital em outras variantes (como a que testei, com 2 GB de RAM) e o NFC.

moto-g3-2015-6

moto-g3-2015-10

A tela LCD de 5 polegadas com resolução de 1280×720 pixels praticamente não ganhou atualizações, embora esteja levemente mais brilhante que na geração anterior. O que dizer do visor? Ele continua sendo muito bom: a definição de 294 ppi é decente, a saturação das cores agrada e não há o que reclamar do ângulo de visão. A proteção Gorilla Glass 3 é bem-vinda e pode economizar alguns arranhões na tela.

A diferença em relação ao que vimos nos anos passados é que a tela do Moto G de 3ª geração é apenas “ok”, não impressiona, não tem nada demais. Ela não evoluiu significativamente ao longo desses dois anos e todas as outras fabricantes já usam visores tão bons quanto — algumas mais agressivas, como Xiaomi e Asus, oferecem telas equivalentes por preços bem menores, a partir de 499 reais.

Software

moto-g-inicial

Não há muito o que discorrer sobre o software do novo Moto G porque ele continua com a excelente experiência que você conhece. O Android 5.1.1 Lollipop carrega a interface padrão do Android, sem nenhuma grande modificação, e não possui aqueles aplicativos pré-instalados que servem apenas para desperdiçar espaço e nunca serão usados, prática ainda comum em outras marcas. É uma abordagem que me agrada muito.

Mas vale comentar as duas novidades de software relevantes do Moto G de 3ª geração: Moto Ações e Moto Tela.

O Moto Ações é responsável pelos gestos. Para abrir o aplicativo da câmera, basta girar o pulso duas vezes de forma rápida (e mais duas vezes para alternar entre as câmeras), gesto bastante conhecido pelos donos de Moto X. Você também pode agitar o aparelho de cima para baixo e a lanterna será ligada ou desligada. Funciona relativamente bem; só tive problema uma vez, quando a lanterna ligou sozinha enquanto o aparelho estava no meu bolso.

Já o Moto Tela é um recurso que eu esperava desde a geração anterior. Com ele, é possível visualizar o relógio e prévias de notificações com o smartphone bloqueado. Pena que o hardware não aproveite tanto o software, devido ao fato da tela do Moto G ser LCD, não AMOLED. O painel é ligado por inteiro (não apenas os pixels necessários), o que gasta mais energia e passa a fazer pouco sentido com o Lollipop, que já exibe notificações na tela de bloqueio.

moto-g-software-acoes-tela

Como o Moto G não tem os mesmos sensores infravermelho do Moto X para detectar movimentos, não basta passar a mão sobre o aparelho: você precisa pegá-lo para que o smartphone ative o Moto Tela. Não é um recurso invasivo, mas é um recurso que não adiciona mais nenhuma vantagem na experiência de uso, diferente do que a Motorola costuma pregar em suas apresentações.

Do Moto X, continua faltando o suporte ao reconhecimento de voz com o aparelho em standby. Vale lembrar que praticamente todos os processadores da Qualcomm, incluindo o Snapdragon 410, suportam o Snapdragon Voice Activation, que deixa os microfones ativados a todo momento com baixo consumo de energia. É difícil entender por que a Motorola (e outras fabricantes) não tornam isso um padrão.

Câmera

moto-g3-2015-9

A Motorola conseguiu resolver, provavelmente, o maior ponto fraco do Moto G de 2ª geração: a qualidade das câmeras. Desta vez, a empresa apostou em um sensor de imagem mais avançado, o Sony IMX214, de 13 megapixels, que também é usado no Nexus 6. Não é como se os Nexus fossem alguma referência em qualidade de foto, mas ainda estamos falando de um componente de um smartphone de US$ 649 em um aparelho de US$ 179 (nos EUA).

O novo Moto G tem uma câmera bem decente pelo preço que a Motorola cobra. Em relação à geração anterior, a melhoria é muito significativa.

Em ambientes internos, há alguma formação de ruído, mas a perda de definição é baixa para um smartphone intermediário. A câmera funciona bem à noite, e você pode até arriscar alguns bons registros sem medo da imagem ficar incompreensível. É possível observar aberrações cromáticas em cenários mais desafiadores, como em objetos de grande contraste em dias com muita luz do sol, mas considero isso como “normal” em um aparelho desse naipe.

Abaixo você confere algumas fotos de exemplo:

2015-07-28 20.42.56

2015-08-02 20.05.53

2015-07-21 16.30.56

2015-07-21 16.29.12

2015-07-21 16.29.53

2015-08-05 22.39.01

2015-08-06 22.35.04

2015-08-06 09.10.24

A câmera frontal, agora com sensor de 5 megapixels, também é um avanço significativo. As selfies têm boa definição e saturação. Só faltou uma lente com distância focal menor, algo que as outras fabricantes já estão usando, para que mais pessoas (ou o resto do cenário) caibam na imagem, mas as fotos capturadas são boas.

2015-08-07 12.47.37

Hardware e bateria

moto-g-cpuz

Na nova geração, a Motorola fez um upgrade modesto no processador: trocou o Snapdragon 400, usado nas duas gerações anteriores, pelo Snapdragon 410, que adiciona suporte a instruções de 64 bits e traz pequenos ganhos de desempenho. Trata-se do mesmo chip usado no Moto E, com o diferencial de operar a uma frequência 200 MHz maior — no Moto G, os quatro núcleos Cortex-A53 chegam a 1,4 GHz (tecnicamente, 1.363 MHz).

Confesso que achei a atualização um pouco decepcionante. Como a Motorola já usa o Snapdragon 4xx no smartphone de entrada (Moto E) e o Snapdragon 8xx nos topos de linha (Moto X e Moto Maxx), para mim era natural que a Motorola adotasse um Snapdragon 6xx no Moto G novo. Mas o chip mais potente acabou ficando para o Moto X Play, bem mais caro.

De qualquer forma, uma boa adição ao Moto G de 3ª geração é o modelo com 2 GB de RAM, que é especialmente importante num momento em que o Android e os aplicativos estão cada vez mais pesados: a geração anterior, com 1 GB de RAM, já deu sinais de cansaço depois da atualização para o Lollipop. E, obviamente, para emparelhar com a concorrência: a Asus já oferece 2 GB de RAM no Zenfone 5 e cobra bem menos.

O modelo com 2 GB de RAM foi o que testei durante a última semana. O desempenho está muito bom, e é bastante notável a diferença que o gigabyte adicional de RAM faz no multitarefa: a alternância entre aplicativos, especialmente aqueles que eu abri há mais tempo, está bem mais rápida, já que eles não são suspensos automaticamente pelo Android por falta de memória. Em nenhum momento eu senti as engasgadas e lentidões que afetavam o novo Moto E, por exemplo.

O desempenho em jogos é o mesmo que você esperaria do Redmi 2 (que traz o mesmo conjunto de CPU e GPU) e um pouco acima do Moto G de 2ª geração, mas sem grandes novidades. Dead Trigger 2 (com os gráficos no baixo ou médio), Real Racing 3 e Modern Combat 5 rodam de forma suave, com taxa de quadros constante e bons gráficos, sem serrilhados.

moto-g3-2015-11

Aqui valem algumas observações. Não acredito que faça sentido um smartphone com 1 GB de RAM por 900 reais em pleno ano de 2015, sendo que a concorrência oferece isso na faixa dos 500 ou 600 reais; o Lollipop já mostrou que precisa de mais memória para funcionar realmente bem. A escolha de modelos da Motorola também é estranha e bastante limitadora: é impossível comprar um Moto G com tudo o que você tem direito.

Quer assistir à TV digital (agora, finalmente, com suporte a canais de alta definição)? Tudo bem, mas contente-se com apenas 1 GB de RAM. Quer o fone de ouvido Moto Pulse? Ele está disponível apenas no Moto G Music, também de 1 GB. Ah, então você prefere ter 2 GB de memória? Ok, sua saída é usar o Moto Maker, com o preço cheio — não será possível aproveitar as promoções do varejo porque ele não estará disponível lá, pelo menos neste primeiro momento. Ué?

moto-maker-2gb

A bateria de 2.470 mAh está acima do Moto G de 2ª geração, ou seja, é bastante satisfatória e a maioria das pessoas não irá precisar procurar uma tomada até o término do dia.

No dia de testes, tirei o novo Moto G da tomada às 8h50. Ouvi cerca de 2h30min de músicas e podcasts por streaming pelo 4G (Spotify e Pocket Casts) e naveguei na internet por aproximadamente 1h30min, entre emails, redes sociais e páginas da web. A tela ficou ligada por 1h53min, com o brilho no automático. Às 23h40, o nível de carga ainda mostrava 35%. São números em linha com o Redmi 2, que possui uma bateria um pouco menor e quase os mesmos componentes.

Conclusão

moto-g3-2015-3

Nem de longe o Moto G continua sendo aquele smartphone que revolucionou toda uma categoria de aparelhos em 2013 — na época, ele era indiscutivelmente o melhor custo-benefício do Brasil. Não é por acaso que a Motorola conseguiu transformá-lo no smartphone mais vendido do país e ganhou posições entre as líderes: ultrapassou a LG, se tornou a segunda maior fabricante de smartphones do Brasil e ficou atrás apenas da Samsung.

Hoje, temos concorrentes como Xiaomi e Asus, que estão oferecendo smartphones mais atraentes do ponto de vista do custo-benefício para tentar repetir o feito da Motorola e ganhar mercado. E, custando R$ 979 no modelo que analisei, há outras opções significativamente superiores por um preço não significativamente maior, como é o caso do LG G3 e Moto X de 2ª geração.

Mas o que importa é que o Moto G de 3ª geração é um smartphone equilibrado e com boa construção, duração de bateria, desempenho e qualidade de câmera. Embora esteja mais caro que nas gerações anteriores e o custo-benefício não seja mais tão alto, ele continua sendo um bom aparelho, do tipo que dificilmente causará arrependimentos em quem comprá-lo.

Agora que o Moto G já consolidou seu nome no mercado e traz as pequenas melhorias feitas pela Motorola, é certo que ele continuará vendendo como água. Graças ao IPX7, deverá conviver bem com isso.

Moto G (3ª geração)

PRÓS

  • Bom desempenho no modelo com 2 GB de RAM.
  • Câmeras de boa qualidade entre os intermediários.
  • Design personalizável e resistente a água.

CONTRAS

  • Ainda maior e mais pesado.
  • Poucas novidades no hardware em relação à geração anterior.
  • Versão com 1 GB de RAM por R$ 899 em pleno ano de 2015?
Nota Final 8.4
Design
8
Tela
8
Câmera
9
Desempenho
9
Software
8
Bateria
9
Conectividade
8

Especificações técnicas

  • Bateria: 2.470 mAh;
  • Câmera: 13 megapixels (traseira) e 5 megapixels (frontal);
  • Conectividade: 3G, 4G, Wi-Fi 802.11n, GPS, Bluetooth 4.0, USB 2.0;
  • Dimensões: 142,1 x 72,4 x 11,6 mm;
  • GPU: Adreno 306;
  • Memória externa: suporte a cartão microSD de até 32 GB;
  • Memória interna: 8 GB ou 16 GB;
  • Memória RAM: 1 GB ou 2 GB;
  • Peso: 155 gramas;
  • Plataforma: Android 5.1.1 (Lollipop);
  • Processador: quad-core Snapdragon 410 de 1,4 GHz
  • Sensores: acelerômetro, proximidade, bússola;
  • Tela: LCD de 5 polegadas com resolução de 1280×720 pixels e proteção Gorilla Glass 3.