Início » Telecomunicações » Você pode fazer ligações interurbanas de graça em orelhões da Oi nestes 14 estados

Você pode fazer ligações interurbanas de graça em orelhões da Oi nestes 14 estados

Paulo Higa Por

A partir desta quinta-feira (1º), você poderá fazer ligações interurbanas para telefones fixos sem pagar nada nos orelhões da Oi em 14 estados. A medida foi imposta pela Anatel como uma punição pelo fato da operadora não cumprir os patamares mínimos de disponibilidade de telefones públicos nessas regiões.

A determinação vale para os estados de Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Nesses locais, a Oi não atingiu duas metas: disponibilidade de orelhões no estado (mínimo de 90%) e disponibilidade de orelhões em locais atendidos apenas por telefones públicos (mínimo de 95%).

orelhao-oi

A operadora está sendo obrigada a oferecer ligações gratuitas para telefones fixos nos orelhões desde abril, quando a punição valia para 15 estados. Depois da última medição realizada pela Anatel, no dia 30 de agosto, apenas Sergipe passou a atender os patamares mínimos de qualidade de orelhões, onde a Oi pode voltar a cobrar pelas chamadas.

As medições de qualidade são feitas pela Anatel a cada seis meses, e a punição aumenta com o tempo. Nos estados em que a Oi não atingir os índices mínimos nas medições de 29 de fevereiro e 30 de agosto de 2016, a operadora será obrigada a oferecer ligações locais para celulares (a partir de abril) e ligações interurbanas para celulares (a partir de outubro) sem cobrar nada.

Pelas regras, as concessionárias de telefonia são obrigadas a disponibilizar orelhões, mas a popularização dos celulares faz com que a utilização dos telefones públicos seja cada vez menor — e o dinheiro que as operadoras ganham com os orelhões muitas vezes não pagam a manutenção dos terminais. A Oi é a maior concessionária de telefonia fixa do país, possuindo concessões em todos os estados, exceto São Paulo.

Com informações: Agência Brasil.

Mais sobre: